fbpx
Nenhum Comentário

Financiamento ou Consórcio? Qual é a melhor opção?

FINANCIAMENTO OU CONSÓRCIO ?

Qual a melhor opção para você que quer comprar seu imóvel, mas não tem o valor à vista?

 

Você sonha em ter o seu próprio lar, porém, ainda não conta com o valor integral para compra-lo à vista. Neste artigo, trataremos sobre os dois meios mais conhecidos para aquisição de um imóvel em longo prazo: o financiamento e o consórcio imobiliário. Ficou interessada(o) no assunto? Então, vem comigo!

 

 

PRIMEIRAMENTE, UMA OBSERVAÇÃO IMPORTANTE!

Antes de começar a falar sobre financiamentos e consórcios, é preciso deixar claro que há uma diferença enorme entre adquirir um patrimônio que irá lhe proporcionar a qualidade de vida que deseja ter ou realizar um investimento financeiro com o intuito de obter lucros.

Adquirir um imóvel é algo que transcende os aspectos puramente financeiros, pois envolve questões subjetivas, como a realização de um sonho, o bem-estar e o conforto de sua família, a segurança de morar em uma boa região da cidade. Algo que pode inclusive, implicar em sua saúde profissional e mental, que são fatores responsáveis pela saúde financeira de qualquer pessoa.

Muitas pessoas tendem a se posicionar contrárias a aquisição de imóveis por métodos em longo prazo, como o consórcio e o financiamento, devido ao custo final maior que essas opções apresentam se comparadas com a compra à vista. Porém, quem defende esse argumento, tende a esquecer de incluir no debate os aspectos subjetivos relacionados à aquisição de um bem tão importante quanto a casa própria.

Será que durante o prazo de um investimento financeiro que busque a lucratividade, você e sua família morarão em um imóvel capaz de lhes proporcionar a qualidade de vida que desejam ter? Se não, em que isso pode implicar na sua vida, no seu relacionamento familiar e em seu aspecto profissional?

São fatores que devem ser levados a sério na hora de tomar uma decisão sobre adquirir ou não o seu próprio lar. Feita a observação, vamos deixar de enrolar e ir direto ao assunto do artigo.

 

FINANCIAMENTO X CONSÓRCIO – QUAL É A MELHOR OPÇÃO?

Pode parecer meio “isentão” a frase que vou usar para dar essa resposta, mas é a mais correta a se usar = Depende de qual é a sua situação.

Embora ambos sejam meios para permitir que você adquira o seu imóvel sem precisar arcar com todo o valor do negócio, as opções de financiamento e consórcio possuem particularidades que devem ser levadas em conta em relação a sua situação no momento atual da compra. Como por exemplo: a pressa em usufruir do imóvel, ter ou não um montante de dinheiro disponível para entrada ou lance, sua condição financeira mensal, etc.

Para ficar mais fácil de entender, vou explicar em detalhes como funciona cada modelo. Continua aqui comigo!

 

  • FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

 

O financiamento imobiliário é a opção mais usada para quem tem pressa em adquirir o seu próprio lar, porém, não conta com todo o valor da negociação em mãos para fazer a compra do imóvel à vista.

Nessa modalidade, você adquire uma linha de crédito junto a uma instituição financeira, ao qual serão acrescidos juros e correção monetária ao decorrer do tempo contratado para quitação do valor adquirido.

Falando de um modo mais popular, o banco compra o imóvel que você deseja, lhe repassa, e você paga por esse empréstimo em prestações acrescidas de juros e correção monetária.

Vale também ressaltar, que para lhe conceder esse “empréstimo”, as instituições financeiras farão uma análise do seu perfil de crédito (que é um cálculo feito a partir da sua renda mensal, valor do imóvel e prazo de quitação do bem) e então definirão qual será o valor do financiamento ao qual você terá acesso e, consequentemente, qual será o valor da entrada (cujo valor mínimo é de, em média, 20% do valor do imóvel).

Outro ponto a ser abordado sobre o financiamento é em relação ao tempo contratado para quitação do financiamento. Por se tratar de altas quantias, geralmente, as pessoas buscam por prazos maiores para diminuir o valor das parcelas, podendo chegar a até 35 anos (prazo máximo que as instituições financeiras, em geral, oferecem). Porém, é preciso lembrar que quanto maior o prazo, mais juros e taxas de correção serão acrescentadas ao seu crédito. O que pode fazer com que ao final do seu financiamento, o custo total seja maior que o valor de crédito contratado.

 

  • CONSÓRCIO IMOBILIÁRIO

Se o financiamento imobiliário é uma saída para quem deseja usufruir do imóvel de imediato, o consórcio imobiliário é uma opção interessante para você que já decidiu que precisa ter um imóvel próprio, mas ainda não sabe onde, quando ou qual o tipo de imóvel que deseja adquirir.

Diferente do financiamento, o consórcio imobiliário não impõe a cobrança de juros e correção sobre o valor contratado, mas também oferece prazos mais curtos para quitação do débito. O que há nesse caso é a inclusão de uma taxa de administração cobrada pela administradora do consórcio (que costumam girar na casa dos 20% do valor do imóvel) que pode ter a companhia de algumas outras taxas que vou mencionar logo abaixo. Já em relação ao tempo, os prazos máximos para um consórcio são de 15 anos, em média.

É importante destacar, que ao contrário do financiamento imobiliário, não é uma instituição financeira que arca com os custos da carta de crédito para compra do seu imóvel. São os próprios participantes do consórcio que “rateiam” o valor entre si, reunindo um valor que possibilite que de tempos em tempos seja escolhido um participante para retirar o valor da cota contratada para compra do imóvel. Essa escolha acontece mediante sorteio (e aqui o que vale é a sorte para ser contemplado) ou o lance (que é quando o consorciado pode oferecer uma quantia X para ter acesso à carta de crédito. Aquele que der o maior lance leva).

O fato de não contar com o suporte de uma instituição financeira, representa um risco maior para os participantes de consórcios. Pois podem surgir casos de inadimplência de consorciados e implicar em atrasos no sorteio das cotas. Esse fato inclusive faz com que algumas administradoras de consórcios a incorporem no valor das mensalidades, taxas como fundos de reserva ou seguro de vida, que servem justamente para proteger os participantes do seguro contra possíveis problemas que possam vir a surgir no decorrer do consórcio.

Todavia, além da taxa administrativa e de possíveis taxas extras, como o fundo de reserva, há de se considerar ainda o reajuste anual que é feito nas parcelas de um consórcio. Esse reajuste é feito a partir do INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), que mede os índices de inflação no Brasil para o setor de construção civil. O que pode se tornar um complicador para o consorciado, caso haja um período de alta nos índices do INCC (que esse ano tem girado na casa dos 4,0%).

Mas também é importante considerar a possibilidade que o consórcio oferece para amortizar débitos futuros no consórcio através de lances ou de quitação de parcelas a vencer, lhe permitindo abater valores sem incidência dos reajustes. Minimizando dessa forma os impactos no valor final do consórcio.

Para finalizar esse assunto, cabe dizer que outro ponto a favor do consórcio é o fato de que após você quitar o débito e ter a carta de crédito em mãos, você poder escolher o perfil e localização do imóvel que deseja adquirir, que pode mudar ao longo do tempo devido, seja por questões pessoais, familiares, profissionais, ou qualquer que seja.

 

MAS O QUE TUDO ISSO SIGNIFICA NA PRÁTICA?

 

Significa que mesmo que você não tenha todo o valor necessário para adquirir o seu imóvel de imediato, existem possibilidades para tornar esse sonho realidade (ainda que representem um investimento maior a se fazer).

Financiamentos e consórcios imobiliários são opções que trazem pontos positivos e negativos, porém, são meios eficientes para lhe permitir ter todo o conforto, o bem-estar e a tranquilidade de viver em um lar só seu, onde você tenha liberdade e autonomia para moldá-lo conforme as suas necessidades e desejos.

Claro que ter um planejamento financeiro bem feito e fazer bons investimentos que lhe permitam ter melhores condições financeiras para adquirir um bem dessa importância à vista e com bons descontos, sempre será a melhor opção (Clique aqui e confira o artigo sobre planejamento para comprar sua casa própria)

Porém, como dissemos no início deste artigo, essa é uma decisão que envolve fatores tão relevantes quanto o lado financeiro.

Por isso, o mais importante para que você consiga tomar uma decisão correta sobre o assunto é traçar um panorama real da sua situação, mapeando aspectos pessoais, profissionais, financeiros e até sobre planos futuros. Tendo isso claro, fica mais fácil definir qual é a forma mais condizente com a sua realidade para fazer um investimento do porte de uma aquisição de um imóvel.

Gostou do conteúdo desse artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e nos ajude a alcançar mais pessoas que buscam uma resposta sobre essa questão (Tá liberado seguir a Moradia no Instagram e no Facebook também). Aproveite e deixe um comentário dizendo o que achou ou sobre quais assuntos sobre o mercado imobiliário gostaria de saber mais.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!