fbpx
Nenhum Comentário

Saiba por que as variações do dólar influenciam na compra do seu lar!

 

Em tempos de incertezas políticas, como é em todo ano de eleição, o mercado financeiro reage de forma diferente para determinados setores, e o do mercado imobiliário é atingido diretamente pelo sobe e desce do dólar, fruto dessas incertezas.

Para quem mora fora do Brasil, ou que investe em dólares americanos, as dúvidas de quando investir e se deve investir surgem a todo momento. Mas como saber a hora certa de aplicar seu dinheiro em um imóvel nesta instabilidade da moeda americana?

A Moradia Imobiliária vai te ajudar a entender um pouco mais sobre este cenário.

Primeiro vamos saber: como a variação do dólar afeta a economia? 

O dólar é usado como moeda de referência na economia internacional. Por isso, as variações da moeda americana afetam facilmente as relações entre quaisquer países, mesmo que não incluam os Estados Unidos.

Além disso, a taxa de câmbio acaba influenciando muito além das transações internacionais. Ela interfere na inflação e nos preços da economia nacional.

Entenda

Se você mora fora do Brasil e está pensando em aplicar aqui num imóvel aquela grana guardada com tanto esforço, a hora de comprá-lo é na alta do dólar. Com a elevação da moeda os investidores externos passam a ter um maior poder de compra por aqui. Dessa forma, com a mesma quantia que possuíam há cerca de um ano, podem agora adquirir imóveis bem melhores com preços bem mais acessíveis.

Para quem está no exterior e vai investir no mercado imobiliário brasileiro é uma oportunidade bastante vantajosa, já que este cenário torna-se mais atrativo e rentável para estes investidores.

Sobre taxas

Segundo especialistas na área, com o dólar mais alto, as taxas de juros vão lá para cima, dificultando ainda mais o crédito imobiliário para os investidores locais com recursos mais limitados e uma moeda não tão forte e representativa, diminuindo o poder de compra. Um reflexo disso é que os imóveis encalham mais facilmente, ao menos em um primeiro momento.

Neste cenário, a venda fica mais restrita para esse público local porque, indiretamente, o potencial comprador pode repensar a aquisição por não ter confiança na economia e na manutenção e continuidade de seu emprego e, consequentemente, de sua renda.

Investidores

Para o brasileiro que mora no Brasil, a queda do dólar é mais benéfica quando se trata de compra e venda de imóveis. As taxas de financiamento e os juros tendem a diminuir, facilitando o investimento e as formas de pagamento.

E é notável como a procura por imóveis por investidores estrangeiros sobe com a alta do dólar. Geralmente o propósito destas transações imobiliárias é uma futura valorização do bem adquirido, sendo que com o dólar baixo não seria possível nem rentável tal aquisição. Com os imóveis desvalorizados, os investidores estrangeiros tendem a comprar mais, reaquecendo o mercado.

Designed by Freepik

 

E agora que já conhece as vantagens e desvantagens da oscilação do dólar, que tal começar a pensar em qual imóvel investir! Aqui na Moradia Imobiliária temos uma grande variedade de ofertas para que seu dinheiro seja investido de forma certa e rentável.

Nenhum Comentário

Caixa reduz taxa de juros imobiliário. Saiba como aproveitar!

Financiar sua casa própria ficou muito mais fácil e você sabe o por quê? É que caíram as taxas de juros imobiliários da Caixa Econômica Federal.

Nesta segunda, dia 16 de abril, a Caixa anunciou as novas taxas que já estão valendo para todo o país, incluindo Ipatinga. Mas devemos ficar atentos, pois essa oportunidade não aparece sempre, e é sempre bom ficar informado para não perder essa chance de realizar seu sonho.

“É comum a mudança nas regras de financiamento imobiliário pelos bancos, e com a Caixa não é diferente. E essas mudanças são feitas de acordo com o que pede o mercado, com a oferta de dinheiro e demanda por créditos. Esta é a hora para quem está indeciso sobre a compra de um imóvel. Essas decisões dos bancos são imprevisíveis e nunca sabemos até quanto vai voltar a subir a taxa de juros e diminuir o percentual de financiamento”, comentou o Corretor de Vendas da Moradia Imobiliária, Robson Santos.

Robson Santos – Corretor na Moradia Imobiliária

Para que você aproveite a novidade com economia e comodidade, listamos abaixo o que precisa saber.

Quais são as mudanças?

  • Sistema Financeiro de Habitação (SFH) – Queda dos juros saindo de 10,25% para 9% ao ano. Em Minas Gerais, o SFH financia imóveis com até 950 mil reais.
  • Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) – São valores acima do SFH, com redução das taxas de juros de 11,25% para 10%.
  • O percentual do valor a ser financiado dos imóveis usados, os já conhecidos imóveis de terceiros, subiu de 50% para 70%.

Não houve alteração

  • Apesar das ótimas novidades, algumas regras e linhas de crédito continuam mantidas e inalteradas. Os itens em que não houve modificações:
  • A linha Pró-Cotista não foi alterada. Para isso, o teto de financiamento foi elevado em janeiro para 70% no caso de imóveis usados.
  • Sobre as unidades novas, também foi mantido o percentual de 80% referente ao teto do financiamento.

Quanto cada banco cobra?

As taxas da Caixa e do Itaú são de 9%, seguidas do Banco do Brasil com 9,24%, do Santander com 9,49% e por último com os maiores percentuais o Bradesco com taxas a partir de 9,45%.

A Caixa divulgou que possui R$ 82,1 bilhões para o crédito habitacional em 2018. Ela não reduzia os juros do crédito imobiliário desde novembro de 2016.

Essa é a oportunidade para você comprar sua casa nova. Faça contato conosco e agende uma visita, venha saber mais sobre créditos imobiliários e esteja preparado para a realização de seu sonho!

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

 

                             Aqui você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

Devo comprar imóvel na planta ou pronto?

Chegou aquela hora que você precisa comprar seu imóvel, mas não consegue decidir se compra um pronto ou um na planta. Essa decisão é muito importante na vida de quem vai adquirir um imóvel novo e definir seu futuro lar, ou seu próximo investimento. É a chance de muito de deixar de vez o aluguel e ter para si um imóvel para chamar de seu. Mas antes de sair procurando intermediários e lidar com toda a burocracia que ambas as compras exigem, é preciso decidir que tipo de imóvel é o melhor para seu estilo de vida e para seu bolso. Na planta ou pronto?

Considerando somente a compra de imóveis novos, não há uma resposta exata para definir a questão, pois as duas trazem consigo suas vantagens e desvantagens. Nós da Moradia Imobiliária preparamos algumas considerações que você deve fazer ao escolher seu novo lar.

Na planta

São chamados imóveis na planta aqueles que dão oportunidade ao comprador negociar quando o empreendimento ainda está em fase de lançamento no terreno ou em obras. São várias as vantagens, mas a que mais chama a atenção está o fato de um imóvel nessas condições apresentar uma maior facilidade de pagamento por meio de parcelas durante a execução da obra se comparado ao imóvel usado que, na maioria dos casos, só se compra à vista ou financiado.

Comprando na planta, a personalização do seu futuro lar pode ser negociada e, dependendo da incorporadora ou construtora, é possível alterar alguns formatos de ambientes pré-estabelecidos no projeto. Um exemplo é transformar a sala em um espaço maior não colocando uma parede que seria de um quarto. Pode-se também substituir algum acabamento padrão por um que mais lhe agrada. Mas fica um alerta: existe a possibilidade de você não ficar satisfeito quando o imóvel estiver concluído tanto quanto imaginou ao desenvolver o projeto.

E saiba que comprar um imóvel na planta implica também em assumir alguns riscos, apesar da flexibilidade. Atrasos acontecem, falências de incorporadoras, instabilidade econômica e imprevistos são corriqueiros e, para evitar grandes perdas, conheça e analise a fundo a empresa com quem está fechando negócio. Busque referências no mercado e fique de olho.

Outro risco sabido neste tipo de negócio é que, após o pagamento do valor referente a entrada do imóvel, as parcelas sofrem o reajuste de algum índice relacionado a construção civil, como o INCC (Índice Nacional da Construção Civil) aplicado sobre o saldo devedor da dívida, ou seja, sobre o que sobra da dívida depois de descontado o valor já pago à construtora. Fique atento pois isso poderá deixar o seu saldo devedor final bem maior do que esperava.

 

Imóvel Pronto

Este tipo de imóvel é o mais indicado para aqueles que preferem ver de perto o que vão adquirir e tem pressa para morar. E a principal vantagem deste tipo de negócio é saber exatamente o que está comprando. Visitar o espaço e conhecer o ambiente é o que mais atrai o comprador, além dos preços, claro. Nesta negociação você substitui o seu capital financeiro diretamente por um bem.

Outra vantagem que um imóvel pronto tem é a facilidade de receber um financiamento habitacional de imediato. Neste processo é considerada a sua capacidade financeira no momento e, usualmente, a entrada exigida para a compra varia de 10% a 30% do valor do imóvel.

E fique atento aos detalhes do imóvel ao visitá-lo para a compra. É muito importante se lembrar que haverão alguns problemas que surgem naturalmente com o tempo de uso e que nem sempre estão aparentes.

Mas, mesmo com estes pequenos detalhes, o principal risco dessa opção de compra é quanto a sua documentação. Ela deve ser minuciosamente estudada e analisada por um profissional experiente e competente. Conte sempre com os corretores da Moradia Imobiliária e toda sua equipe para identificar possíveis divergências nesta etapa do processo. Há relatos de casos que potenciais compradores deixaram de adquirir seus imóveis por erro na documentação por falta de conferência. Tome as precauções devidas!

 

Moradia Imobiliária, trabalhando para o seu bem-estar!

 

 

 

Nenhum Comentário

Horto, qualidade de vida junto ao verde

A Moradia Imobiliária se preocupa com o bem-estar de seus clientes, amigos e parceiros e, por isso, tem trazido em suas publicações as melhores dicas de bairros para se morar bem e ter muita qualidade de vida em Ipatinga. Hoje o bairro escolhido para você conhecer e pensar sobre o melhor lugar para alugar ou comprar sua casa ou apartamento novo é o tradicional, familiar, rodeado de mata nativa e muito comercial, o Horto. Vamos saber um pouco mais?

História antiga

Ipatinga Cidade Jardim, de José Augusto de Moraes, traz em suas páginas a história da cidade e muitas curiosidades sobre a implantação dos bairros. Segundo ele, o Horto foi o primeiro a ser construído pela Usiminas. A região do atual bairro fora conhecida originalmente como Córrego de Nossa Senhora ou Horto de Nossa Senhora, onde foi construída a Estação Nossa Senhora, da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), por volta de 1922. Neste ano, foi criada próxima do local a primeira farmácia da atual Região Metropolitana do Vale do Aço, pelo farmacêutico (e futuro político) Raimundo Alves de Carvalho.

Com a instalação da Usiminas em Ipatinga, então distrito pertencente a Coronel Fabriciano, na década de 1950, houve a construção de bairros inteiros destinados a servir de abrigo aos seus trabalhadores, sendo o Horto o primeiro deles. Até essa ocasião, o povoamento contava com cerca de 60 casas e 300 habitantes.

O projeto do bairro é datado de 1958, quando foi criado pela Usiminas o primeiro plano urbanístico da atual cidade, então chamada de Vila Operária, projetado pelo arquiteto Raphael Hardy Filho. O núcleo habitacional foi destinado inicialmente aos primeiros técnicos que chegavam à localidade para trabalhar na empresa e suas casas contavam com 201,95 m² de área construída, incluindo três quartos e dois banheiros.

Na época, foi criado um órgão apenas para acompanhar a construção das casas: DOAP (Departamento de Obras Auxiliares e Provisórias). Foram aproveitadas algumas casas já existentes, que pertenciam à CAF (Companhia Agrícola Florestal. A Rua U foi a primeira a ser construída. Dizem que secaram os rebocos das paredes das casas com lamparinas, devido à pressa na construção. As ruas receberam nomes de madeiras, de acordo com o Decreto Municipal Nº 528, de 22 de março de 1974. O bairro Horto tem como vizinho o bairro Bom Retiro.

Comércio e educação

Diversificado e muito eclético, o bairro Horto tem um centro comercial forte e tradicional. Aliado à praticidade de toda a rede bancária estar disponível pelo bairro, o comércio local investe em marcas de renome e produtos para os mais diversos públicos. Entre os estabelecimentos comerciais estão também algumas clínicas para exames laboratoriais e oftalmológicos, além de farmácias e acesso fácil ao trajeto que leva ao hospital.

Quanto a educação o bairro conta com a Escola Estadual Engenheiro Márcio Aguiar da Cunha com ensino fundamental regular, algumas creches particulares, uma unidade de um colégio técnico e uma unidade de uma faculdade particular.

Alimentação e vida noturna

Por ser um bairro tradicionalmente familiar mas muito comercial, as opções de alimentação são muito diversificadas. Restaurantes self-service com foco em comida mineira, em frutos do mar, em comida caseira e fitness além de lanchonetes com salgados diversos e muito produto gourmet, que está na moda. Sorveterias, açaí, cafés especiais e vinhos de diversas nacionalidades podem ser degustados nos estabelecimentos do bairro.

Duas padarias atendem a comunidade e uma tradicional churrascaria atrai o público tanto para um rodízio no almoço quanto para o happy hour depois do trabalho. Pizzarias e hamburgueria também fazem parte das opões de alimentação no bairro.

A vida noturna no bairro é pacata. Em frente ao templo católico encontra-se a Praça Engenheiro Carlos Jacinto Prates, que é um dos principais espaços públicos do bairro e por vezes se torna palco de eventos e festividades abertos à população. Há também o Clube Ypê, que recebe festas regionais e atende a sócios. Ao lado do bairro está localizado o Clube Usipa, famoso por descobrir grandes atletas da região. O Horto também se destaca pela proximidade com o shopping da cidade.

Mobilidade Urbana

A malha viária do bairro é privilegiada por estar junto da BR 381, que dá acesso aos demais bairros da cidade e à saída para a capital e cidades vizinhas, como Coronel Fabriciano. Suas vias são estreitas e grande parte de sentido único, mas bem organizadas e sinalizadas.

No bairro transitam linhas de ônibus para quase todos os pontos da cidade, além das linhas intermunicipais que atendem o município. Ponto de táxi e de moto-táxi estão à disposição de quem precisar.

Manto verde

Umas das atrações do bairro também é o manto verde que se estende por todo o “fundo” do bairro. Cercado pela mata nativa, o bairro é constantemente visitado por animais silvestres nas proximidades com a mata, mas não oferecem perigo aos moradores. A recomendação é que não toquem nos animais para evitar doenças.

O manancial de Mata Atlântica existente ao redor do bairro é protegido pelo Plano Diretor da cidade, que ressalta a preservação de áreas naturais no município.

Patrimônio cultural

No Horto há um imóvel que inicialmente foi construído para ser provisório e tornou-se a principal atração do bairro: a Igreja de Nossa Senhora da Esperança. Erguida “milagrosamente” em apenas 12 dias, os trabalhos tiveram início em 13 de dezembro de 1959, antes, portanto, da constituição canônica da paróquia, sete meses depois. Na construção foi utilizada pouca alvenaria e muita madeira, incluindo o altar-mor, a mesa da comunhão, a pia batismal e, especialmente, a imagem da padroeira, feita em peroba.

A Paróquia Nossa Senhora da Esperança “Igreja do Horto”, foi fundada no dia 15 agosto de 1960 pelo arcebispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes de Oliveira, quatro anos antes da emancipação política de Ipatinga, alçada então a município. A Igreja Católica Nossa Senhora da Esperança foi tombada pelo patrimônio público no dia 30 de dezembro de 1981 pelo decreto de lei nº 1.443. Ela foi recentemente reconstruída por necessidades estruturais, mas sem perder as características e detalhes originais que lhe rendem tantos elogios.

Ficou encantado com o bairro? Soube como foi criado e como funciona hoje? Já sabe que o bairro atende a grande parte de suas necessidades? Então aproveite para conhecer os imóveis para aluguel e venda no Horto e conte com o melhor atendimento da Moradia Imobiliária para você morar bem e com qualidade de vida. Conheça também os bairros Cariru e Iguaçu.

Aqui, você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

08 vantagens de morar perto do trabalho

Todos nós temos sonhos. Uns sonham com uma linda casa na praia com o mar como quintal, ou no campo com hortas e uma cerquinha branca. Outros sonham em morar em amplas coberturas nos grandes centros urbanos, com uma linda vista para as principais avenidas da cidade. Com família, com o amor da sua vida, com animais domésticos ou somente com a sua própria companhia, todos queremos qualidade de vida onde moramos. E que tal aumentar a qualidade de vida morando perto do trabalho?

Ganhar algumas horas no dia longe do trânsito, dos engarrafamentos e do stress do dia a dia ajuda a melhorar significativamente o seu bem-estar. E como nosso slogan diz: “Trabalhamos para o seu bem-estar”, vamos te listar 8 vantagens de se morar perto do trabalho para que você tenha uma vida mais tranquila e saudável. Vamos lá:

1 – Cuidados com o lar

A falta de tempo nos deixa um pouco desleixados com o ambiente em que vivemos. Com um tempo menor de deslocamento até o trabalho, sobra tempo para ajeitar e limpar muita coisa dentro e fora de casa como aquela prateleira cheia de bagulhos, aquele guarda-roupa entupido de roupas sem dobrar, aquele armário da cozinha que você misturou alimentos com produtos de limpeza por pura pressa e outros ambientes que ficam de lado na nossa rotina agitada. Tempo é um fator essencial para que a sua organização seja perfeita e você consiga colocar tudo no devido lugar.

2 – Cuidados com o corpo e a mente

A questão de ter tempo para cuidados se aplica a você também. Reorganizando sua agenda você poderá se dedicar a aquele curso que gostaria de estar fazendo, para aqueles exercícios que nunca consegue fazer por estar sempre com pressa, para aquele livro que começou mas não consegue parar para ler. Enfim, o cuidado com o corpo e a mente são alguns dos benefícios de se morar perto do trabalho.

3 – Diminuição de gastos com transporte

Horas no trânsito, ônibus lotado e você em pé, engarrafamentos e poluição dos automóveis diretamente sobre você farão parte do seu passado depois que se mudar para perto do trabalho. Com isso você também economiza deixando de pagar os preços abusivos dos transportes públicos e do abastecimento dos veículos privados.

4 – Aumento do relacionamento com vizinhos

Ir a pé até o trabalho pode te ajudar a saber quem são seus vizinhos e a interagir com eles. Caminhando você conhece melhor o seu bairro, o comércio e a população que mora no entorno da sua residência. Isso ajuda a ficar por dentro das novidades do bairro e da cidade, prevenindo uma série de situações e se organizando para diversas outras em comunidade.

5 – Mais disposição e bom humor

Com a proximidade entre sua casa e seu trabalho, evitando deslocamentos longos e gastos com transportes públicos cada vez piores, a tendência é você acordar mais disposto e com bom humor para encarar o que vem pela frente no seu dia de labuta. Aproveite para tomar aquele café da manhã reforçado em casa ou na padaria do bairro, onde você poderá também interagir com a comunidade e criar laços de afetividade e respeito com seus vizinhos.

6 – Equilibrando a alimentação

Sobrando tempo você poderá pensar e escolher melhor sua alimentação. Aliado a exercícios físicos, a boa alimentação ajuda a melhorar o seu ânimo, a sua disposição e sua qualidade de vida. Com essa adição de tempo extra, você pode preparar seu próprio alimento, evitando os industrializados e cheios de conservantes, optando por uma alimentação mais saudável e que irá te ajudar a viver melhor.

7 – Praticar exercícios

A desculpa oficial de falta de tempo para se exercitar deixará de existir com a mudança para perto do local de trabalho. Já na ida dá para se praticar exercícios adotando a bicicleta como veículo oficial. Uma academia no caminho do trabalho também pode ser benéfica. Caso não haja uma, há praças com aparelhos destinados a prática de exercícios que é só chegar e utilizar. Caminhar até o trabalho também é uma opção muito saudável.

8 – Dormir mais e melhor

Mais uma hora de sono pode sim fazer a diferença na sua saúde. Um dia mais puxado no seu trabalho pode ser compensado com algumas horas a mais de sono, restaurando seu corpo para o dia seguinte. Morando perto do trabalho você pode se dar ao luxo de acordar mais tarde porque não precisa se deslocar muito para ir trabalhar.

 

Tendo em mãos todas essas vantagens de se morar perto do trabalho, que tal procurar um profissional para ajudar a realizar este sonho? O Corretor de imóveis deve ser capaz de mapear o perímetro do seu local de trabalho e descobrir quais são os melhores imóveis para você escolher e se mudar o quanto antes. Em Ipatinga você pode contar com os profissionais da Moradia Imobiliária.

Se você deseja investir na compra de um imóvel, aproveite para ler essas 13 dicas super importantes que preparamos para você antes fechar negócio. Clique aqui e saiba mais!

 

Nenhum Comentário

13 Dicas de como comprar minha casa própria

Ter o seu lugar, seu canto, sua moradia, seu lar! Se dar de presente uma casa nova! Esse é o sonho de muitos brasileiros e pode ser realizado com determinação, esforço e muito comprometimento. Uma casa nova ou apartamento novo está nos planos de muitos de nós, mas como realizá-lo? Sabemos que o cenário político nacional afeta o cenário econômico e as incertezas quanto ao futuro do país tomam conta da população. Saber a hora de investir em um imóvel é complicado e, por isso, nós ajudaremos você a entender o melhor caminho para a compra da tão sonhada casa própria.

O principal conselho que podemos te dar é: NÃO DESANIME!

Nosso Diretor e também Corretor de Imóveis José de Oliveira dá algumas dicas sobre planejamento para realizar o sonho de ter sua casa ou apartamento próprio. Vamos conferir?

Diretor e Corretor de Imóveis da Moradia Imobiliária

1 – Pergunte-se: será que eu consigo pagar?

O primeiro passo, antes de sair procurando a casa ou apartamento dos sonhos, é fazer as contas com base no seu orçamento doméstico. Sem prejudicar a saúde financeira de sua família, defina o quanto vocês podem pagar pela casa nova. Lembre-se que a prestação mensal não deve ultrapassar 30% da renda total.

2 – Comece, mesmo que seja com pouco!

De início é imprescindível poupar e juntar uma boa quantia para entrada para evitar juros maiores depois. A dica de José de Oliveira é: poupe, guarde, coloque no colchão se for preciso, mas não deixe de guardar mesmo que seja pouco dinheiro. Sua casa nova merece!

3 – Se segure e tenha foco.

Aquela blusinha nova que você paga em seis prestações, aquele sanduba gourmet que é o dobro do preço do comum, aquele passeio que pode ser substituído por um programa mais em conta com a família podem e devem ficar em segundo plano quando o assunto é economizar para o novo apartamento. Foco é a palavra da vez para quem quer comprar uma casa nova. O que não é urgente ou importante pode ser reprogramado para depois da realização do seu sonho!

4 – Todos juntos nessa!

A sua família pode ajudar muito no quesito economia. Converse com seus familiares e estabeleça um acordo econômico para baixarem os gastos e guardarem mais dinheiro. Trabalhos extras ajudam a complementar a renda e podem ajudar na soma final da compra de seu imóvel. Juntos podem realizar os sonhos mais rapidamente.

5 – Pense nos extras!

Na procura pelo apartamento ou casa dos sonhos, alguns se esquecem dos gastos extras como IPTU e condomínio. São valores que podem ser significativos na hora de pagar as prestações. Se organize para conseguir pagar todas as despesas.

6 – Procure opções viáveis.

As taxas de juros sofrem muita variação de um banco para outro. Pesquise. Faça simulações. Peça ajuda a quem conhece do assunto e escolha a opção que tenha mais vantagens e menor incidência de aumentos. Uma dica é perguntar pelo CET – Custo Efetivo Total. Nele você encontra os juros e todos os encargos embutidos no financiamento.

7 – E os documentos?

Um gasto importante e não menos preocupante é com os documentos. Os custos da escritura, impostos e papelada pesam no orçamento e são por conta de quem compra. Programe-se para essas despesas!

8 – Partindo para ação.

A Moradia Imobiliária te ajuda a realizar o sonho da sua casa própria.

Com as dicas anteriores em dia, procure a Moradia Imobiliária para que um de nossos consultores imobiliários lhe oriente. Traçaremos um perfil de acordo com suas necessidades contemplando o tipo de imóvel que você deseja, seja casa, apartamento ou estabelecimento comercial, além da localização, a faixa de valores e a forma de pagamento. A partir daí, lhe apresentaremos opções dentro do perfil nos fornecido.

9 – Seleção e visitação dos imóveis.

Após recebimento das opções, chega a hora de selecionar os imóveis que mais lhe interessam para a etapa da visitação. Nossos consultores Imobiliários acompanham todos os clientes interessados, a fim de prestar o melhor atendimento no local onde poderá ser o lar ou ambiente de trabalho para você, família e colaboradores.

10 – Contrato ou promessa de compra e venda.

Após a sua definição pelo imóvel ideal, redigiremos um Contrato de Compra e Venda, em que constará os dados cadastrais do vendedor e do comprador, valor de transação, sinal de garantia do negócio, prazos e formas de pagamento e ainda todas as clausulas importantes para que o negócio seja fechado, da forma mais justa e transparente possível, para todas as partes envolvidas.

11 – Forma de pagamento.

Existem três formas usuais de pagar sua casa ou apartamento novo: a primeira é via financiamento por meio de uma Instituição Financeira, a segunda é por meio de financiamento próprio de uma Construtora e o terceiro é o pagamento à vista ou em pequenas parcelas, negociadas entre comprador e vendedor. Escolha uma e receba todo o auxílio e informações necessárias para colocá-lo em prática.

12 – Assinatura da escritura e pagamento de impostos.

A escritura poderá ser assinada na Instituição Financeira, caso a compra do imóvel seja financiada, ou em Cartório, situação em que o imóvel seja adquirido por financiamento próprio de uma construtora ou à vista. O ITBI, imposto gerado em todas as transações imobiliárias, é de responsabilidade do comprador e deverá ser recolhido logo após a assinatura da escritura em uma instituição financeira. Se não houver financiamento bancário, o recolhimento do imposto deverá ser de forma antecipada, tendo o comprador a obrigação de levar o recibo de pagamento ao Cartório.

13 – Posse do imóvel e registro da escritura.

Após as devidas assinaturas e recolhimento do imposto inerente ao imóvel, chega a hora de pegar a chave e tomar posse de sua casa ou apartamento novo. Atenção! A escritura, enquanto não registrada pelo comprador em um Cartório de Registro de Imóveis, não comprova a efetiva transferência da propriedade.

Esperamos que tenha gostado das dicas de nosso Diretor! Feliz casa nova!

 

Nenhum Comentário

Cariru: tradicional, familiar e muito verde!

Ao se contar a história de Ipatinga, o bairro Cariru se destaca pelas suas particularidades históricas e pela movimentação dos japoneses na cultura local. Tradicional e familiar, o bairro conta com um centro comercial e diversos pontos de comércio em todo seu território. Para quem busca qualidade de vida é uma ótima opção para se morar e investir.

Não conhece o Cariru ainda? Nós listamos alguns motivos para conhecer e descobrir que é um ótimo lugar para se viver e ser feliz com a família.

História contada em livro

Foto de acervo do início da construção do bairro Cariru.
José Augusto de Morais em seu livro Ipatinga Cidade Jardim, volume II, de 2009, nos conta que, segundo uma lenda, Cariru era uma “grande cobra” que existia no Rio Doce e que, quando saía da água, cegava com a luz de seus olhos as pessoas que se aproximavam dela. Alguns moradores mais antigos do bairro ouviram contar também que essa cobra morou por muito tempo no Fícus da Av. Japão. Mas, na verdade, o bairro tem esse nome porque ali era encontrada uma grande quantidade de um vegetal denominado Cariru ou Caruru, denominação comum a várias plantas amarantáceas, algumas das quais muito utilizadas na culinária.

Antes de se chamar Cariru, o local era denominado “Pedra Mole” e foi ali que, em 1922, foi inaugurada a primeira edificação pública da cidade de Ipatinga: a “Estação Ferroviária de Pedra Mole”. A estação foi desativada em 1930, mas o local serviu como o primeiro cemitério da cidade e posteriormente também foi implantada uma cocheira, onde eram guardados os cavalos de raça dos diretores, brasileiros e japoneses, da Usiminas. Hoje, ainda existem algumas ruínas da Estação de Pedra Mole ocultas na beira do Rio Piracicaba, no final da Av. Itália (perto do Morro do Castelo).

Ruínas da Estação de Pedra Mole, que funcionou até 1930.
O bairro Cariru começou a ser construído no início da década de 1960. Ele fez parte do “Projeto Vila Operária”, do arquiteto Rafael Hardy. No Cariru construíram-se residências para os operários de nível técnico e japoneses. Estes, após a frustração da expectativa de criar um bairro só para os japoneses, se instalaram no Cariru.

As ruas do bairro foram oficialmente denominadas com nomes de nações, pela Lei Municipal 263, de 29 de outubro de 1970, na gestão do interventor federal Almir Ribeiro Tavares. Foi construído no bairro o primeiro educandário de nível ginasial da cidade: o Colégio São Francisco Xavier, destinado principalmente aos filhos dos funcionários da Usiminas.

Alimentação e vida noturna

Bairro tradicionalmente familiar, o Cariru se destaca pelo tradicional Centro Comercial, onde bares e cervejaria animam quem por lá resolve ficar. Restaurantes como os japoneses, a pizzaria, a churrascaria, o espetinho, lanchonetes e dois tradicionais trailers de lanches são ótimas pedidas na noite para quem quer boa comida e ambientes super familiares.
Um pub no centro comercial está reunindo a galera jovem e deixando o ambiente mais descolado. Além dessas opções para comer, o bairro conta com o Teatro Zélia Olguim, famoso por trazer grandes nomes da cultura para a cidade.

Mobilidade urbana

Por estar entre o Hospital Márcio Cunha I e o Centro da cidade, que são os principais pontos finais das linhas de ônibus, o Cariru é servido de diversas linhas e uma variedade maior de horários de transporte público. Além do municipal, algumas linhas intermunicipais fazem rota no bairro. As vias principais são espaçosas e de fácil movimentação, além de muito bem sinalizadas.

Fícus, patrimônio público

Fícus foi tombada como patrimônio da cidade.
Existe no bairro uma árvore que é o símbolo da preservação do verde pelos moradores, o Fícus. Plantado em 1961 por Katanosuke Mae, um japonês que morava na rua Peru, no próprio bairro, a árvore já foi alvo de intenção de corte de algumas pessoas e os moradores locais sempre impediram, até mesmo com protestos, como o de uma moradora que se dependurou em seus galhos para impedir o corte. A árvore foi tombada pelo patrimônio histórico e artístico da cidade. Com isso, o Fícus, segue pomposo a sua vida ali, na avenida Japão, próximo ao prédio da Cônsul.

Qualidade de vida

Um atrativo especial no bairro é a pista de caminhada e corrida. Abrangendo quase todo o entorno do bairro, é muito utilizada por atletas e profissionais da saúde para atividades que promovam a qualidade de vida. A pista passa pela área onde é realizada a feira, na qual produtores regionais comercializam produtos, grande parte orgânicos, de produção local.

Verde e água

Extensa área verde e o encontro dos rios Doce e Piracicaba. Imagem: Reprodução Google
O bairro é todo cercado pela mata do Parque Estadual do Rio Doce e, ao fundo, é banhado pelo Rio Piracicaba, que se encontra calmamente com o Rio Doce próximo às ruínas da Estação de Pedra Mole. No subsolo, abaixo da foz do rio Piracicaba, está localizado um aquífero aluvionar, que é de onde é extraída a água utilizada para o suprimento da maior parte do Vale do Aço.

O bairro em números

 

E aí, já se decidiu? Gostou do bairro Cariru? Ele, de fato, é um bairro maravilhoso para se viver e desfrutar com a família e amigos. São muitos os atrativos que poderá conhecer pessoalmente em seu dia a dia. Você pode escolher a casa dos seus sonhos e ter a certeza de optar por um local privilegiado e que proporciona uma excelente qualidade de vida!
Nenhum Comentário

Energia, água, internet e TV e os famosos “gatos”.

Jeitinho brasileiro pode ser considerado crime e autor de desvio pode ser preso

O brasileiro é conhecido popularmente pela criatividade em resolver problemas de formas diferenciadas e passar por situações difíceis dando a volta por cima com o famoso “jeitinho brasileiro”. Resolver as coisas de forma errada para sair por cima, para ganhar vantagem e prejudicar os demais não é bacana e pode trazer sérios riscos à sua liberdade. Exemplos de resoluções incorretas de problemas são os chamados “gatos”, ligações clandestinas de energia, água e internet.

Com as altas tarifas praticadas pelas concessionárias e os altos impostos exercidos pelo governo, a população se vê acuada quando necessita de recursos básicos como energia e água, que é direito de todos, mas que devemos pagar sobre a utilização das mesmas. Sendo assim buscam alternativas, muitas vezes errôneas, para continuarem a usufruir sem ter que desembolsar nada.
O que parece vantajoso para quem se utiliza desse recurso, na verdade é crime previsto em lei no artigo 155 do Código Penal. Quem cometê-lo pode ser condenado a uma pena que pode variar de um a quatro anos de reclusão, além de multa.

ENERGIA

Muito comum em aglomerados urbanos, o “gato” de energia além de prejuízos, pode colocar em risco a rede elétrica e o responsável pela ligação clandestina. Além do risco de ser pego e responder criminalmente, há um risco maior, que é perder a vida. Normalmente, para se fazer uma ligação clandestina de energia, é necessário que alguém suba em um poste com cerca de 7,20 m de altura e vai acessar uma rede energizada. A pessoa pode receber uma descarga elétrica e perder a vida imediatamente.

Quando ligações clandestinas são feitas, todos saem perdendo.
Além de seus vizinhos, familiares e amigos, as companhias de energia também levam prejuízo com o furto de energia. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), mais de 27 mil gigawatts-hora, ou cerca de 8% do consumo do mercado elétrico brasileiro, são consumidos no país de forma irregular, gerando cerca de R$ 8,1 bilhões em prejuízo.

Lembre-se que os equipamentos elétricos também correm risco devido à queda na qualidade da energia e às constantes interrupções no sistema elétrico, aumento do número de ocorrências de falta de energia e danos à rede elétrica com o rompimento de condutores e com a queima de transformadores.

INTERNET e TV

Além da energia elétrica, o furto de serviços atingiu nos últimos anos a rede de internet e TV por assinatura também. Além de um sinal ruim e com baixa qualidade para quem pratica o furto e para quem é roubado, o prejuízo se estende para o governo que perde receita pelo furto do sinal, uma vez que não é recolhido o ICMS entre 25 e 27% referente ao serviço.

A Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) estima que, no Brasil, existem cerca de 4,5 milhões de residências com decodificadores piratas, representando 18% do total de assinantes no país. A entidade calcula que a perda de receita e de impostos causada pelo furto clandestino de sinal é de cerca de R$ 6 bilhões por ano.

ÁGUA

Tão comuns como os de energia, os “gatos” de água também dão muitos prejuízos aos consumidores. Segundo a Companhia de Saneamento de Minas Gerias (COPASA), são aplicadas uma média, por mês de 1,3 mil sanções, a maioria relacionada ao furto de água. O uso da água é cobrado por categoria residencial, social (para usuários inscritos no Cadastro Único dos Programas do Governo Federal, o CAD- Único), comercial, industrial e pública. As tarifas são diferentes para cada uma dessas categorias de consumo.

Os hidrômetros calculam o volume de água consumido e burlar esse equipamento é crime previsto em lei.
Quando se utiliza a água de forma irregular, a prejudicada não é só a empresa de saneamento, mas sim todos os consumidores porque a prática provoca aumento no preço da tarifa, que é calculada com base no custo do serviço. Se o infrator não paga pelo uso da água, esse consumo não convertido em receita (perda) é rateado entre todos os usuários.

As sanções pela conduta irregular do usuário e a utilização indevida dos serviços de água estão previstas na resolução 40/2013 da Agencia Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (ARSAE-MG). A punição administrativa para quem faz ‘gato’ de água é o pagamento de 15 tarifas fixas, o pagamento pela substituição do equipamento mais o valor atribuído à classe habitacional ou ramo de atividade.
Nenhum Comentário

Caixas d’água e de gordura sem limpeza: risco para a saúde

Se você vai comprar um imóvel, se mudar de aluguel ou é morador antigo do imóvel e nunca se preocupou com a caixa d’água e com a caixa de gordura, trouxemos para você as recomendações de limpeza e desinfecção desses recipientes para que você se proteja dos riscos proporcionados pela má utilização e má conservação.

Caixa d’água

Tomar banho, preparar alimentos, lavar a louça, usar a descarga. Estas são algumas atitudes cotidianas que são possíveis porque a água da companhia de abastecimento chega até a sua residência e é armazenada em caixas d’água, das quais poucos se lembram. Mantê-las limpas então, mais difícil ainda de lembrar. A recomendação de especialistas é higienizar o reservatório doméstico a cada seis meses. O serviço é indicado para analisar se existe algum vazamento e preservar a saúde dos moradores da residência, já que o acúmulo de sujeira e micro-organismos pode contaminar a água.

A caixa d’água serve como reserva em caso de haver problema no abastecimento da companhia de saneamento do estado. Segundo a empresa, a garantia de qualidade da água vai até o hidrômetro e, a partir daí, a responsabilidade é do cliente. Agentes de saúde alertam que, com o passar do tempo, micro-organismos criados pela própria água e levados até o reservatório pela canalização da rede hidráulica podem comprometer a qualidade do líquido.

Limpeza ajuda a assegurar a qualidade da água que servimos para nossa família.
Luciene Araújo, gerente da Moradia Imobiliária, alerta para os produtos a serem utilizados no momento da limpeza. “Não é recomendável o uso de panos que soltem resíduos, vassouras, detergente ou quaisquer outros produtos que possam contaminar a água. Água sanitária ou cloro e uma flanela ou bucha são os ideais para a tarefa”, disse. Ela orienta também aos moradores que fechem suas saídas de água durante a operação para evitar o desperdício.

“Fechar antes e abrir depois para sair o cloro dos canos, por pelo menos uns minutinhos de água corrente na torneira para eliminar os resíduos do produto é fundamental para preservar a saúde de todos. Colocar adesivos com a data da limpeza também é uma boa para se orientar”, comentou. A caixa d’água deve sempre estar bem fechada, evitando assim a entrada de animais, insetos e vetores de doenças. Com a epidemia de Dengue, Zika Vírus e Chikungunya a atenção deve ser redobrada.

Se o condomínio não possui uma Conservadora, os moradores devem ficar atentos para efetuarem a limpeza ou contratarem uma empresa especializada para isso. É fundamental para garantir a qualidade de vida de todos.

Caixa de gordura

Você sabe para que serve a caixa de gordura instalada em seu imóvel? Muita gente não tem conhecimento da utilidade e da importância de uma boa limpeza nesse recipiente. A caixa de gordura é como um grande balde, que fica bem abaixo do piso, deixando visível apenas a sua tampa. Sua função é impedir que o material gorduroso dos alimentos, que vai com a água literalmente para o ralo, chegue à rede de esgoto.

Caixas de gordura devem ser limpas pelo menos a cada três meses.
Dependendo do tamanho, a limpeza da caixa de gordura deve ser realizada quinzenalmente ou pelo menos uma vez a cada três meses, dependendo do imóvel e do ritmo da cozinha. Por exemplo, a demanda de uma casa é diferente daquela adotada em um prédio ou em um restaurante. Evite despejar restos de comida nos ralos. Os alimentos, junto com o óleo utilizado para sua preparação, podem ser os grandes vilões das redes hidráulicas.

Muitas pessoas tentam limpar a caixa de gordura com espátulas e água quente, mas este segundo componente pode prejudicar ainda mais a situação. As caixas de gorduras atuais são feitas de PVC e a água com temperatura elevada pode provocar danos ao material. Use cloro e bucha, se a situação estiver muito ruim, chame uma empresa especializada.
Nenhum Comentário

Animais em condomínio. É proibido proibir?

Assunto delicado que envolve afeto, lei e bom senso deve ser esclarecido

Muito se tem falado em afetividade, em conceito de família e como a lei representa isso. A afetividade hoje é um princípio constitucional que orienta um grande número de relações sociais e familiares e é um ponto chave de discussões que tem transformado a nossa ordem social. E a relação de afeto com os animais de estimação também entra nessa discussão e está amparada pela Constituição Federal. A relação está intimamente ligada à dignidade da pessoa humana, por se tratar de uma relação eminentemente baseada no afeto.

E quando se mora em um condomínio onde as regras ditam a não permanência de animais? Como lidar com síndicos e vizinhos que não toleram animais e querem proibir você de tê-los em seu imóvel? Hoje existe o famoso “é proibido proibir” para estes casos.

Nenhuma convenção de condomínio pode proibir a permanência de animais nas unidades autônomas, ou seja, no interior dos apartamentos. Se o fizerem estarão violando o direito de propriedade e a liberdade individual de cada pessoa em utilizar a sua área privativa de acordo com seus interesses – desde que não sejam contrários à destinação do imóvel. É importante salientar que essas convenções podem restringir a forma como os animais deverão ser mantidos no condomínio.

O que pode?

Você pode ter seu bichinho dentro do seu apartamento da forma como quiser? Pode, desde que respeite a integridade do animal e não perturbe o sossego dos vizinhos. As restrições devem ser limitadas às áreas de uso comum. E fique atento para certas restrições como a permissão somente de animais de “pequeno porte”. Isso não deve ser aceito pelo morador. Procure sempre se orientar pois já existem leis municipais que restringem a quantidade de animais por casa ou apartamento, mas não há legislação sobre tamanho ou raça. Diante disso, os moradores podem ter peixe, gato, ramster, cachorro, cobra, ave ou qualquer outro animal que lhe seja de estima.

O assessor jurídico da Moradia Imobiliária, o advogado Raymundo Raul Bicalho, lembra que “os animais, desde 1988, data em que foi promulgada a Constituição Federal, passaram a ter amparo jurídico, pela Lei Maior do País, conforme se vê do art. 225, §1º, VII, da Constituição Federal, que dispõe:

Desde 1988 os animais tem seus direitos garantidos na Constituição Federal.
“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.”, e que “Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público: VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade”.

O advogado lembra também que “a Constituição Federal, nos seus artigos 5o e 170, asseguram o direito de propriedade, podendo o proprietário, ou quem esteja na posse do imóvel, manter animais na sua unidade. E o art. 225, parágrafo primeiro, inciso VII, também da Carta Federal, situa o animal como parte do meio ambiente e tutela juridicamente o direito deles à dignidade, vedada a prática de maus tratos.”

Fique atento aos abusos

Quanto às proibições ilegais e abusivas do uso dos elevadores para conduzir os animais, devem ser enfrentadas também aí com a propositura de Ação Judicial. Obrigar os animais a subirem escadas é prática de crueldade, vedada pela Constituição, especialmente quando esses são portadores de doenças que possam ser agravadas com o movimento (cardiopatas, neuropatas etc.), ou mesmo quanto aos animais idosos, já impedidos pela idade de subir e descer escadas.

É incontestável que o direito de ir e vir do guardião do animal estende-se a este. E qualquer decisão de assembleia condominial em sentido contrário, caracteriza-se como constrangimento ilegal previsto no art. 146 do Código Penal Brasileiro, além de constituir crime ambiental, art. 32, da Lei 9.605/98 (crime de maus tratos), comportando, inclusive, a adoção de providências policiais e judiciais para conter o ilícito.

De igual modo, as abordagens verbais ou escritas feitas por vizinhos, síndicos ou porteiros, aos condôminos que têm animais nas suas companhias, com o propósito de constranger-lhes obrigando-os a transitar pelas escadas, proibindo-os de utilizarem o elevador, configuram também constrangimento ilegal, a ser coibido com queixa policial contra o autor do fato.
Os vizinhos, ou o síndico, não podem interferir na vida intra proprietade do condômino.

Cabe ao condômino, que mantém os animais em sua unidade, observar o asseio e a higienização do local, dispensando-lhes os cuidados necessários à saúde (vacinação, tosa e banho regulares); cuidados médicos que lhes proporcionem conforto e bem estar; contratar pessoas para cuidar deles, de forma a que estejam sempre bem, mantendo-se a unidade em condições normais de habitação.

Orientação

Concluindo, cabe a orientação jurídica que se registra a seguir.
É nula e sem efeito qualquer CONVENÇÃO CONDOMINIAL que proíba a existência, ou permanência, de animais domésticos, especialmente de cães e gatos, em condomínio, vez que tal proibição afronta a Lei Maior do País, que é a Constituição Federal, onde estão tutelados juridicamente a vida e o bem estar desses seres.
Nenhum Comentário

Bom Retiro: Tranquilidade e facilidades em um só lugar!

Ipatinga é uma cidade jovem, com apenas 52 anos, mas com muita história para contar. E entre elas está a do bairro Bom Retiro. Conhecido por sua vida noturna intensa, pela tranquilidade e clima familiar mesmo em meio a um comércio ativo e diversificado, o bairro é ideal para quem busca qualidade de vida.

Optar por morar aqui pode ser um dos melhores investimentos que você faz para a sua rotina e sua família. Por ter uma infraestrutura de comércios e estabelecimentos de serviços em geral, você e sua família terão praticamente tudo ao seu alcance. Se você ainda está na dúvida sobre morar no Bom Retiro, listamos alguns bons motivos que você precisa conhecer e que, com certeza, vão lhe convencer de uma vez por todas!

História contada em livro

De acordo com José Augusto de Morais em seu livro Ipatinga Cidade Jardim, volume II, de 2009, o Bom Retiro fez parte do conjunto de bairros construídos pela Usiminas em 1960, de acordo com a visão da “Vila Operária”, projeto de Rafael Hardy que separava os funcionários da empresa por cargos e previa um “Centro Comunal” aberto à livre iniciativa. A origem do nome do bairro é explicada por Otoni Vicente Ferreira, motorista aposentado da Usiminas.

Bairro Bom Retiro no início da década de 1960. Crédito: Acervo Público
Segundo ele, um encarregado da firma “Leão”, chamado Queiroz, pediu à Usiminas uma área no local onde seria construído o bairro para montar um curral e fornecer leite aos funcionários da empresa. “Retiro” é justamente o nome dado ao lugar onde se tira o leite. A Prefeitura Municipal de Ipatinga, posteriormente, oficializou o bairro como “Bom Retiro”. As suas ruas receberam nomes pátrios, de acordo com o Decreto Municipal Nº 528, de 22 de março de 1974.

Mobilidade urbana privilegiada

O Bom Retiro permite uma mobilidade urbana com mais facilidade devido ao grande número de linhas de ônibus que ali passam e saem do ponto final, em frente à Unidade II do HMC – Hospital Márcio Cunha. As vias são largas e o trânsito flui com facilidade. Se você pretende resolver tudo dentro do próprio bairro, o Bom Retiro conta em suas avenidas principais com calçadas largas e boa sinalização.

Comércio diversificado

Supermercados, farmácias, papelaria, material de construção, decoração, açougue, verduraria, roupas e acessórios, alfaiates, informática, academias, artigos de beleza, de pesca e acampamento, distribuidora de balas e doces e de bebidas, artigos para festas, floriculturas, autoescolas, oficinas de automóveis e de eletroeletrônicos entre diversos outros tipos de comércios podem ser encontrados no bairro. Uma lotérica e caixas eletrônicos em pontos estratégicos do HMC II e na Unileste garantem os serviços bancários por lá, mas caso precise ir ao Banco, as redes bancárias tem estabelecimentos no bairro vizinho, o Horto.

Alimentação e vida noturna

Sair para comer, ouvir um som ao vivo e deixar as crianças brincarem a vontade é muito fácil. São muitas as opções de locais para sair, sentar e tomar aquela cerveja gelada ou aquele suco super saudável. O bairro conta com pizzarias, lanchonetes diversas, sorveteria, açaí e tapiocaria, churrascarias, lanchonetes com lanches gourmet e os tradicionais hambúrgueres de chapa. Para paladares mais específicos, porções de peixe, casa de quibe, comida baiana, grega, japonesa e chinesa também são encontradas no bairro. Para quem quer estender a noite, uma cachaçaria oferece música ao vivo com sucessos regionais.
Uma Academia da Saúde foi instalada no bairro e é aberta à população.

Atividades cotidianas

Se você tem filhos, não terá problemas com escolas e faculdades no bairro Bom Retiro. Há centros educacionais pelo bairro, tanto públicos quanto privados. Há também praças e uma quadra de esportes para uso da comunidade. Um clube com piscinas e quadras de esporte para seus sócios fazem parte da lista de lazer dos moradores. Uma pista de caminhada ladeia o bairro e uma Academia da Saúde está instalada na praça em frente ao posto de Saúde. Um lar para idosos também pode ser encontrado nas proximidades.

O Hospital Márcio Cunha Unidade II trouxe para o Bom Retiro atendimentos médicos e resultados de exames antes só disponibilizados na Unidade I. Clínicas de fisioterapia e pilates, além de atendimento para animais em pet shops especializados tornaram a saúde de sua família e de seu bichinho de estimação mais acessíveis. Para momentos de oração, pode-se contar com diversos espaços religiosos como templos e igrejas. Católicos, protestantes, espíritas e as demais crenças convivem em harmonia pelo bairro.

Então, o que achou do bairro Bom Retiro? É, de fato, um maravilhoso bairro para se viver e desfrutar com a família e amigos. São muitos os atrativos que irá conhecer pessoalmente em seu dia a dia. Você pode escolher o apartamento dos seus sonhos e ter a certeza de optar por um local privilegiado e que proporciona uma excelente qualidade de vida!

Aqui você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

Financiamento, saiba mais para você obter todas as vantagens!

Pagar o próprio imóvel à vista é o sonho que poucos conseguem realizar. Para quem não pode finalizar a compra de imediato o crédito imobiliário é uma alternativa muito útil e viável, realizando o parcelamento do valor por meio do tão utilizado financiamento. Destinado ao fim específico de compra de imóvel, seja ele novo ou usado, residencial ou comercial, o crédito imobiliário é uma modalidade de empréstimo. Dá-se uma entrada e os bancos financiam entre 80% e 90% do valor do imóvel.

TIPOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

São três as opções de crédito imobiliário.
Hoje, no Brasil, são utilizadas o SFH – Sistema Financeiro da Habitação; o SFI – Sistema Financeiro Imobiliário; e o consórcio imobiliário. É essencial compreender as diferenças entre as modalidades para entender melhor como funciona o crédito imobiliário.

 

SFI – FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

Se o imóvel dos seus sonhos está acima do valor máximo permitido pelo SFH o seu tipo de financiamento é esse. Não se enquadrando nas regras do SHF, os imóveis comerciais também podem ser adquiridos por este meio. Lembrando que, no financiamento imobiliário, o sistema de amortização da dívida utilizado é a Tabela Price.

PELO BANCO

Para entender este tipo de financiamento é preciso saber que a taxa de juros ao ano é em torno de 12% do valor do imóvel, acrescido da Taxa Referencial (TR). O comprador tem a opção de escolher entre os sistemas de amortização disponíveis que são: Tabela Price (sem TR), SAC (Sistema de amortização constante) ou SACRE (sistema de amortização crescente). Cabe ressaltar que, no financiamento pelo banco, a grande vantagem é o uso do FGTS para pagamento do valor total ou mesmo parcial do imóvel, diminuir o saldo devedor ou pagar partes de prestações do financiamento em curso.

PELA CONSTRUTORA

Nesta modalidade a correção pela variação do Índice de Custo da Construção (INCC) é feita a partir da data de assinatura do contrato. É importante saber que nela nunca são cobrados juros na fase de construção do imóvel. Ao término da construção, o imóvel é entregue e passa a ser aplicada a taxa de juros, que normalmente é de 1% ao mês, e feita a atualização pelo Índice Geral dos Preços (IGP-M). Geralmente o prazo para quitar o imóvel não ultrapassa 96 meses (8 anos). O FGTS só pode ser usado para liquidar a dívida restante, não sendo aceito para começar a pagar o imóvel.
Vantagens do SFI:
  • Não há limite máximo para o valor do imóvel a ser financiado;
  • Pode ser feito por pessoas físicas ou jurídicas;
  • O total financiado pode variar entre 80% e 90% do valor do bem;
  • Depois de aprovado, o valor do empréstimo é disponibilizado de imediato – ao contrário do que acontece no consórcio de imóveis.

CONSÓRCIO IMOBILIÁRIO

Sonhando com a casa própria? O consórcio pode ser uma solução.
Se não tem pressa para adquirir sua casa própria, essa opção é a indicada para você. Formado por um grupo fechado de pessoas, o consórcio tem como finalidade fazer uma poupança para a aquisição de um bem, sendo neste caso o imóvel. Até que todos tenham recebido sua carta de crédito, os pagamentos são realizados mensalmente. Esta modalidade também tem regras regidas pelo Banco Central e deve-se procurar uma boa administradora para gerenciar o consórcio.
Vantagens do consórcio:
  • Não existe taxa de juros.
  • Os custos administrativos são inferiores ao valor que se pagaria de juros nas outras modalidades.
  • Não é exigida entrada, o valor total do imóvel é parcelado.
  • Com a carta de crédito, o contemplado pode escolher o imóvel de sua preferência – sem depender da avaliação de nenhuma instituição bancária.
  • O valor do FGTS pode ser utilizado para pagar prestações em atraso, para ofertar lances ou para completar a carta de crédito para a aquisição de um imóvel de valor superior.

 

SFH – SISTEMA FINANCEIRO DE HABITAÇÃO

Com o objetivo de facilitar o a compra da casa própria para pessoas de baixa renda, o Governo Federal criou o crédito imobiliário SFH. O Sistema usa como recursos a conta poupança e o FGTS e há diferenças do valor máximo do imóvel em alguns estados. Para se financiar imóveis de valor acima do limite máximo estipulado, muda-se o sistema financeiro para o SFI.
Vantagens do SFH: 
  • A maior vantagem desse sistema financeiro é a possibilidade de utilizar o FGTS como valor de entrada, ou para amortização de parcelas.
  • No SFH as taxas de juros são menores do que as praticadas no SFI.
  • A tarifa de administração mensal cobrada ao cliente não pode ultrapassar R$ 25.
  • A concessão de crédito chega aos 90% do valor do imóvel.
  • Nessa modalidade, a taxa de juros é variável e a correção é feita pela TR (Taxa de Juros de Referência).