fbpx
Nenhum Comentário

A nova linha de crédito imobiliário da Caixa vale a pena? Confira.

 

Conheça os prós e contras da nova modalidade de crédito oferecido pela Caixa Econômica Federal.

 

E não é que 2020 promete ser um ano de retomada do mercado imobiliário? O ano em que começou e as novas já surgem a todo vapor para quem deseja comprar o seu imóvel, como, por exemplo, há alguns juros SELIC e mais recentemente o lançamento de mais uma opção para financiar uma compra de um imóvel.

 

No final do mês passado, a Caixa Econômica Federal anunciou sua linha de financiamento imobiliário com juros fixos para o sistema SFH (Sistema de financiamento Habitacional). Essa modalidade de crédito chega ao mercado com taxas que podem ir de 8% a 9,75% ao mês (dependendo do relacionamento com a instituição). Além disso, também oferece prazo de validade de até 360 meses (30 anos) e pode cobrir até 80% do valor do imóvel.

 

Essa opção de crédito soma-se a outras duas linhas que já existem na Caixa e que podem ser incorporadas em outras instituições nos próximos meses, que são uma linha de crédito indexada à TR e indexada à inflação (IPCA).

 

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO A JUROS FIXOS

 

PONTOS POSITIVOS

 

A principal vantagem dessa linha de crédito com juros fixos está na possibilidade de criar uma previsão mais concreta do valor que você pagará pelo seu imóvel.

 

Como nesse modelo não há um indexador que faz com que os valores das prestações “flutuem” de acordo com suas oscilações, você pode criar um planejamento financeiro que permita ter uma noção quase fiel quanto aos valores que você pagará ao longo do financiamento.

 

Outro ponto interessante é a observação com o lançamento dessa linha de crédito ou o aumento da participação entre instituições financeiras inseridas no país. Considerar o fato de uma caixa (que já é líder no segmento de financiadores imobiliários) contar agora com três boas opções para aqueles que buscam um negócio imobiliário, os demais bancos que usam se movimentar com sentido de seleção de opções melhores (ou com limite mínimo) para não perderem ainda mais mercado.

 

PONTOS NEGATIVOS

 

Já o lado negativo é o interesse dessa forma, nenhum momento, são os maiores praticados em excesso (a partir de 6,5% via TR e 2,95% via IPCA, atualmente).

 

Isso implica em um aumento considerável no valor final do débito e também no maior valor inicial das prestações a serem pagas, dificultando a adesão à modalidade para pessoas de baixa renda.

 

E aí, conseguiu entender um pouco mais sobre a linha de crédito imobiliário com juros fixos da Caixa? Conte aqui nos comentários a sua opinião sobre essa novidade.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

05 Dicas para não se enrolar com as contas de começo de ano.

Entra ano e sai ano e, para muitos, há um roteiro que sempre se repete: Mão aberta e comemoração durante o Natal e o Ano Novo e bolso vazio e preocupação com as contas que chegam aos montes nos primeiros meses do ano.

Conhece alguém assim? Ou você mesmo se encaixa dentro desse roteiro? Então fica comigo, que nesse artigo eu vou te ajudar a se programar para não se embolar com as contas que já estão batendo à porta.

 

05 DICAS QUE VOCÊ VAI CONFERIR NESTE ARTIGO:

1 – Faça um mapeamento das contas e saiba o quê e quanto você deve pagar!

2 – Pagar à vista é melhor, mas parcelado também funciona.

3 – Gastar mais? Só se for o solado do sapato para comparar preços.

4 – Xô Tentação! Evite as promoções de começo de ano e compre só o necessário.

5 – Economizar um pouquinho não faz mal a ninguém.

 

IPTU, IPVA, Material escolar, matrícula, etc… Pois é, o início de um novo ano, além de ser tempos de grandes sonhos e aspirações, é também um período que exige bastante controle e planejamento financeiro para não se enrolar com as contas e comprometer a situação para o decorrer do ano. Principalmente se for você o “arrimo” da família.

Então, para te ajudar a colocar tudo nos trilhos, separei essas 05 dicas que vão te ajudar a organizar sua vida financeira nesse início de ano. Confere só:

 

1 – Faça um mapeamento das contas e saiba o quê e quanto você deve pagar!

 

O primeiro passo para conseguir se livrar das dívidas é saber exatamente o quê e quanto você deve pagar. E se tratando das contas de começo, fazer esse mapeamento não é algo tão difícil, afinal, são contas que certamente você já pagou ao longo dos últimos anos, como o IPTU, IPVA, matrícula escolar, etc.

Inclusive, boa parte dessas contas já estão disponíveis para consultas nos órgãos competentes. E as que não estão, como a compra de material escolar ou uniformes, você pode comparar analisando a sua movimentação financeira de anos passados referentes ao mesmo período desse ano e ver quanto gastou na época.

 

2 – Pagar à vista é melhor, mas parcelado também funciona.

 

Uma ótima opção para aliviar um pouco do peso das contas de final de ano é abrir a carteira e pagar à vista aquelas contas que oferecem algum desconto para essa forma de pagamento.

Duas contas que trazem esse benefício são o IPVA (que em MG tem desconto de cerca de 3% para pagamentos à vista) e o IPTU (que no ano de 2019 em Ipatinga, teve até 10% de desconto para quem pagou o valor “de um tapa só”).

Todavia, se você não tem condições de abrir mão de todo o valor dessas contas de uma vez só, usar as possibilidades de parcelamento é a melhor saída. Claro, desde que você honre com as parcelas em dia e evite o acréscimo de juros e multas.

 

3 – Gastar mais? Só se for o solado do sapato para comparar preços.

 

Esta aí uma prática que precisamos colocar de vez em nossas vidas = comparar os preços das coisas que precisamos comprar.

De acordo com dados do Procon de SP, divulgados pela revista Exame, a diferença de preços de um mesmo produto entre as lojas podem chegar a inacreditáveis 450%. Vê se pode?

E um dos gastos de começo de ano que merecem uma boa pechinchada, são os gastos referentes aos materiais escolares. Aqui em Ipatinga temos várias opções de lojas, papelarias e livrarias disponíveis em bairros como o Centro, o Cidade Nobre, o Horto, o Canaã, entre outros. Tente encontrar aquela que ofereça as melhores condições de compras.

 

4 – Xô Tentação! Evite as promoções de começo de ano e compre só o necessário.

 

Se você é uma daquelas pessoas que não resiste a um anúncio de liquidação colado na vitrine de uma loja, atenção nesse dica: Meu bem, se controla!

O início de ano (principalmente janeiro) é a época em que as marcas promovem saldões para acabar com o estoque de Natal. Mas não é porque uma TV chique ou um Smartphone de última geração está com um bom desconto, que você precisa comprar e acrescentar mais uma dívida na sua lista. Concorda comigo?

Então, pelo menos enquanto você não se acertar com todas as contas de início de ano, faz a egípcia e vira o rosto toda vez em que passar perto de uma loja em liquidação. Combinado?

 

 

5 – Economizar um pouquinho não faz mal a ninguém.

 

E por último, uma dica que vale não apenas para as contas que estão chegando, mas para a vida toda: Tente guardar pelo menos um pouquinho do seu dinheirinho e fazer uma reserva.

Essa reserva vai te ajudar a se livrar de problemas que você venha a ter no futuro, como algo relacionado à saúde, uma compra urgente, uma reforma na casa ou até mesmo para os gastos de início de ano em 2021. Olha só que maravilha!

Economizar de 5% a 10% daquilo que você e sua família tem de rendimentos, já é um bom começo para passar um 2020 financeiramente mais tranquilo.

 

Bom gente, era isso o que eu tinha para falar para vocês. Se você gostou desse artigo, escreva aqui um comentário dizendo o que achou e também envie para algum amigo ou familiar que, para você, também precisar saber mais do assunto.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Saiba como declarar o seu imóvel no imposto de renda!

Como declarar seu imóvel no imposto de renda.

Embora já seja uma rotina atual para os contribuintes que recebem contas da Receita Federal todos os anos, uma declaração de Imposto de Renda ainda está desesperada uma série de dúvidas. Então vamos lá, separamos algumas dicas importantes para quem tem dúvidas sobre como incluir seus imóveis na declaração de imposto de renda.

Bom, para iniciar o nosso assunto, iniciaremos o lembrete de como regras aplicáveis ​​residenciais ou comerciais, em áreas urbanas ou rurais e que precisam de declaração depende dos ganhos da contribuição. 

Portanto, todas as pessoas que obtiverem valores acima de R $ 28.559,70 em 2019 devem informar se possuir ou não melhorar o valor da propriedade. Se os seus impostos não ultrapassarem esse mínimo, você só será obrigado a declarar imóveis com preços mais de R $ 300 mil. 

 

Imóvel próprio 

Para imóveis comprados, há diferenças nas compras na vista ou financiadas no ano da declaração. Para um imóvel já quitado Você deve informar uma propriedade na seção “Bens e Direitos”, e cada tipo de imóvel possui um código próprio (link). Para imóveis parcelados, o contribuinte deve incluir nome e CPF ou CNPJ do vendedor, além das condições de financiamento, valor da entrada, valor total do imóvel e juros indexados nas prestações.

 

Vendeu um Imóvel?

Então não se esqueça de informar também a receita. Continue na seção “Bens e Direitos”, ou contribua para salvar o valor do imóvel de quanto ele foi comprado e o valor recebido com sua venda. Além disso, deve incluir o CPF do comprador, uma descrição da propriedade, uma forma de pagamento e o prazo para uma cotação de compra. Se o valor inicial foi menor do que a venda, incidirá sobre um alíquota de 15% do IR. Só estão isentos os contribuintes que, sem prazo de 180 dias, incluem um outro imóvel com dinheiro da venda. 

 

Imóvel alugado 

Tanto o localizador, dono do imóvel que recebe os aluguéis, como o locatário, morador do imóvel, deve inserir os dados da sua locação na sua declaração do imposto de renda. A falta desse tipo de informação, como você já leu, é uma das principais causas que levam as pessoas a caírem na malha fina.

Para declarar, o localizador deve informar o valor recebido pelo aluguel de todos os imóveis que possui a seção “Rendimentos recebidos por pessoa física”. Nesta parte, há um plano mensal com campos exclusivos para aluguel, onde o proprietário deve informar os valores coletados mensalmente e indicar o CPF de quem pagou. 

O locatário, por sua vez, precisa salvar o código 70 “Aluguéis de imóveis, ou o valor quitado. 

Por fim, caberá à Receita Federal, avalie os dados das duas partes para concretizar que ambos se complementam. Caso tenha alguma situação mais complexa e que você não saiba como declarar corretamente, peça ajuda a um profissional de contabilidade. Busque se informar através de fontes seguras. Não envie sua declaração correndo riscos de conter erros.

Tem dúvidas sobre como declarar seu imóvel no imposto de renda? Entre em contato com a Moradia Imobiliária que podemos te auxiliar. 

Nenhum Comentário

07 dicas para você decorar sua casa sem gastar muito neste natal

 

 

É impressão minha ou já dá pra ouvir o som de jingle bels tocando por aí? Pois é, 2019 voou e o mês de Dezembro já está batendo em nossas portas, trazendo junto com ele toda aquela atmosfera mágica do Natal.

E por falar em Natal, eu lembrei que essa é a data perfeita para dar uma turbinada na decoração dos nossos lares e deixa-los ainda mais bonitos e acolhedores.

Tá, eu sei que você vai me falar que não é todo mundo que pode investir muito em decoração, que árvores de natal e bonecos de Papai Noel são caros e tudo mais …

Mas e se eu te contar que um passarinho me contou sobre alguns truques que você pode usar para montar uma decoração incrível, gastando muito pouco (ou nada), você acredita?

*As informações abaixo foram produzidas pelo site: habitissimo.com.br

 

 

Pois então se prepare, porque nossos parceiros do Habitissimo Brasil nos deu aquela força e nos repassou 07 super dicas para você usar em sua decoração e trazer o espírito natalino para dentro do seu lar, sem pesar no seu bolso.

Quer saber mais sobre essas dicas? Então, se liga só:

 

DICA 01 – Uma árvore de natal sustentável

Que tal criar uma árvore de natal original e ainda contribuir com o meio ambiente? Sim, isso é possível e pode ser mais simples do que você imagina. Garrafas pet cortadas próximo ao fundo e preenchidas com delicadas bolas natalinas dão vida a uma árvore de natal verdinha e sustentável. Se você prefere uma pegada mais rústica, galhos secos de árvore amarrados com corda de sisal e coloridos com diversos enfeites podem ser a opção ideal para sua árvore de natal.

Fonte:  ttps://br.pinterest.com/pin/464785624044548536/

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/819162619700346624/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:https://br.pinterest.com/pin/688065649302577677/

DICA 02 – Estrelas radiantes

A estrela está presente em quase todas as decorações natalinas, e se você não quiser deixá-la de fora de sua casa então saiba que existem diversas opções para criar estrelas lindas sem gastar quase nada. Uma delas é o uso de CDs antigos, que podem ser cortados com uma tesoura especial para dar vida a uma estrela incrível. Outra sugestão é usar palitinhos de madeira, que podem ser aqueles espetos de churrasco, revestidos com corda de sisal para criar uma estrela simples e elegante.

 

DICA 03 – Guirlandas que falam por si

Sabe aquele cabide velho de arame que você já não sabe mais onde colocar? Chegou a hora de aproveitá-lo para fazer uma guirlanda incrível e deixar sua decoração natalina ainda mais especial. O primeiro passo é desmontar o cabide e deixá-lo em formato circular, sem perder o gancho que será usado para pendurar a guirlanda. Feito isso, basta revestir o arame com bolas de Natal ou pequenas pinhas pintadas na cor de sua preferência.

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/180284791313238165/

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/851532242029425194/

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/294071050667317599/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DICA 04 – Delicadas composições

Fonte:https://br.pinterest.com/pin/391742867586967019/

 

 

Para trazer um charme ainda mais especial à sua decoração de natal, você pode criar pequenos enfeites natalinos que são simples e rápidos de fazer. Uma lata de alumínio revestida com tecido se transforma em um belo vaso para receber um arranjo com pinhas e galhos de pinheiro. Vidrinhos de geleia que seriam descartados ganham a cena ao se transformarem em um suporte de velas feito com muita delicadeza.

 

 

 

DICA 05 – Uma mesa de encher os olhos

Fonte:https://br.pinterest.com/pin/362469470010800474/

 

 

Uma das maiores preocupações de quem irá receber os amigos e familiares para passar a noite de natal é a de preparar uma mesa incrível para esse momento tão especial. O que muitas pessoas não sabem é que usando taças de vinho ou de champanhe e até mesmo vidrinhos de geleia é possível criar uma decoração incrível para a mesa de natal. Basta combinar esses acessórios com bolinhas natalinas, pinhas e velas para ter resultados surpreendentes.

 

 

DICA 06 – Papai Noel não pode faltar

Fonte:https://br.pinterest.com/pin/478296422908373693/

 

 

 

O que seria do natal sem o tradicional Papai Noel? O bom velhinho é uma das marcas registradas desta data, e por isso não pode faltar na decoração de sua casa. Você pode fazer seu próprio enfeite de Papai Noel com feltro, que é um material fácil de encontrar e com preço acessível, ou pintar garrafas de vidro com o desenho dele. O que não faltam são opções para inserir o Papai Noel na decoração natalina

 

 

 

DICA 07 – Entre luzes e cores

A última ideia desse texto é para incentivá-lo a brincar com as luzes e cores em sua decoração natalina. Embora as cores tradicionais do natal sejam o vermelho, o verde e o dourado, nada impede que você aposte em outras combinações para encher sua casa de alegria. Além disso, as luzes podem ser grandes aliadas neste momento, e os pisca-piscas são itens baratos e que nunca saem de moda.

 

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/685110162046639883/

Incríveis as dicas, não é mesmo? Agora, você já tem a inspiração necessária para transformar o seu lar e torna-lo um lugar em que o Papai Noel (e todos os seus familiares e amigos) vão se impressionar ao visitar durante o Natal.

Ah! Aproveita e visite o site dos nossos parceiros do Habitissimo Brasil e confere as várias dicas incríveis que eles tem para te dar: habitissimo.com.br. E, claro, compartilhe o link deste artigo com alguém especial para que o lar dele também receba uma linda (e barata) decoração de Natal.

Um grande abraço e até as próximas dicas.

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!
Nenhum Comentário

Você tem um vizinho inadimplente? Saiba quem paga essa conta

Uma das situações mais desagradáveis para quem mora em um apartamento e participa da redistribuição dos custos do condomínio é quando um de seus vizinhos se torna inadimplente. Principalmente se você é uma pessoa que preza por manter suas contas em dia. Mas, se você mora em um residencial ou condomínio, saiba que está sujeito a conviver com esse problema.

Basta que apenas um morador se torne inadimplente, para que a “bomba da dívida” estoure no seu colo e de todos os demais condôminos vizinhos. Afinal, não é porque alguém deixou de arcar com suas obrigações que as contas do condomínio vão deixar de vir, não é?

Se você passou por uma situação parecida (ou está passando no momento), continue conosco neste artigo e saiba quais são as consequências e como você deve proceder em casos assim.

Se você ainda não passou … Bem, conhecimento nunca é demais e não se sabe quando vamos precisar  dele …

– O QUE VOCÊ VAI APRENDER COM ESTE ARTIGO –

 

  • O que acontece quando meu vizinho se torna inadimplente?
  • O que eu devo fazer em casos assim?
  • Como evitar que essa situação ocorra comigo?

 

O que acontece quando meu vizinho se torna inadimplente?

<a href="http://www.freepik.com">Designed by luis_molinero / Freepik</a>

O problema é complexo, mas a resposta é simples: Infelizmente você e seus demais vizinhos terão que cobrir o rombo causado pelo devedor (pelo menos até que ele ou a justiça quite os valores em débito). Afinal, o condomínio precisa honrar seus custos e para isso conta exclusivamente com os valores pagos pelos moradores.

Quando um condômino se torna inadimplente, o valor das cotas condominiais daquele imóvel são redistribuídas para todos os outros moradores, tornando mais caras as cotas dos próximos meses (pelo menos até que a dívida seja regularizada).

Outra possibilidade é usar o fundo de reservas (caso o condomínio possua e seu uso para essa finalidade esteja dentro de seu regimento). Porém, essa não é uma atitude recomendável. Afinal, o fundo de reserva é criado para ser acionado em casos de emergências, como reformas urgentes na estrutura do edifício ou danos inesperados a alguns de seus componentes, como rede elétrica, elevador, etc. Usá-lo para cobrir inadimplência dos moradores pode colocar o condomínio em sérios problemas caso ocorra um imprevisto no mesmo período.

 

O que eu devo fazer em um caso assim?

Ao ver-se envolvido em um caso de inadimplência de um vizinho, a saída é procurar pelo administrador do seu prédio (seja um síndico ou empresa terceirizada) e entender qual é a real situação do problema e se há algum prazo para que seja resolvido.

Agora, se for você o síndico do seu prédio, há algumas medidas que devem ser tomadas para encontrar uma solução e “descascar esse abacaxi”.

A primeira delas é fazer contato com o condômino devedor e procurar entender os motivos que o levaram ao não pagamento de sua cota.

Como sabemos, educação financeira não é algo comum ao brasileiro, e em momentos de crise, pode implicar em graves problemas financeiros. Se o morador reconhece a dívida e você consegue ajuda-lo a encontrar meios de quitá-la, as chances de solucionar o problema são maiores.

Porém, quando o condômino não reconhece as dívidas, ou reconhece, mas se recusa de toda a forma a pagá-la, aí o problema fica feio.

Nesses casos não há outra saída a não ser partir para uma cobrança judicial.

Para isso, é preciso, primeiramente, verificar na convenção e regimento do condomínio quais são os prazos e regras estipulados para que a cobrança judicial possa ser feita. Caso não haja nenhuma menção sobre as regras e prazos no regimento, deve ser convocada uma reunião condominial com os moradores e estipular as condições referentes ao assunto.

Ao ser acionado judicialmente, o condômino devedor será intimido por um juiz para uma audiência de conciliação. Não chegando a um consenso, o processo segue até que o juiz condene, ou não, o morador a pagar suas dívidas (acrescidas dos devidos juros e multas), sob pena de ter parte de suas contas ou até seus bens penhorados para que o débito seja quitado.

Vale lembrar que esse processo de cobrança judicial costumava ser lento no Brasil, por vezes se arrastando por anos e anos até ser resolvido. O que gerava uma dor de cabeça enorme para todos os envolvidos. Porém, recentemente foram criadas 02 leis que vieram para acelerar o processo e endurecer as medidas contra os devedores.

A primeira é referente ao atual Código Civil e permite aplicar juros de mercado ao inadimplente (parágrafo primeiro do Art. 1.336) e ainda aplicar multas especiais até 5 (cinco) taxas de condomínios ao condômino que atrasa de forma reiterada e recorrente.

Já a segunda lei que trouxe alívio aos condomínios é a da Justiça Arbitral, que reduz a cobrança do inadimplente para o máximo de 90 (noventa) dias ao contrário da Justiça Estatal que em média todo o processo de cobrança condominial gira em torno de 8 (oito) anos.

 

Como evitar que essa situação ocorra comigo?

Se envolver em uma situação dessas é algo preocupante, pois além de todo o desgaste que envolve, é um fator que pode colocar a situação financeira de sua família em risco, devido ao surgimento inesperado de um novo custo.

Portanto, para evitar que isso ocorra em seu condomínio, o ideal é que você e os demais condôminos façam reuniões regulares e acordem termos que visem evitar que possíveis inadimplências ocorram, e também discutam sobre a criação de fontes de receitas para cobrir tais déficits decorrentes de atrasos (caso ocorram) sem precisar acrescentar o valor às mensalidades, como, por exemplo, um fundo emergencial de dívidas.

Bom, é isso o que tínhamos para falar a vocês sobre as questões que envolvem a inadimplência de um vizinho. Caso tenha alguma outra dúvida sobre o assunto, você pode deixar um comentário neste artigo para que possamos respondê-la(o).

.

Ah! E não se esqueça de compartilhar esse material com um amigo ou familiar e também nas suas redes sociais. Vai que você conhece alguém que está passando por essa situação e precisa de uma luz.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Financiamento imobiliário corrigido pelo IPCA. Vale a pena?

Saiba como funciona a nova modalidade de financiamento imobiliário anunciada pela Caixa Econômica Federal

No último dia 20 de Agosto, a Caixa Econômica Federal fez um anuncio que pôs uma pulguinha atrás da orelha de todo mundo que deseja comprar o seu imóvel, que foi a nova modalidade de financiamento imobiliário indexado pelo IPCA.

Desde então, uma dúvida passou a tomar conta dos pensamentos de quem planeja partir para o financiamento de seu lar: Vale a pena se arriscar nessa nova modalidade ou é melhor não inventar e partir para o antigo financiamento indexado à TR?

Fundo foto criado por benzoix – br.freepik.com

Para te ajudar a deixar as coisas um pouco mais claras sobre esse assunto, nós da Moradia Imobiliária resolvemos escrever este artigo para te mostrar quais são os pontos fortes e fracos do financiamento imobiliário corrigido pelo IPCA e te ajudar a fazer a melhor escolha para realizar seu sonho de ter a casa própria.

 

Confira aqui outros artigos sobre dicas para te ajudar a comprar seu imóvel:

 

AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE AS DUAS MODALIDADES

 

Nesse caso é importante ressaltar o financiamento imobiliário corrigido pelo IPCA, não substitui o antigo modelo que é indexado à Taxa Referencial, mais conhecida como TR. É apenas mais uma opção que você terá acesso, caso decida que o financiamento imobiliário é a solução para você adquirir o seu tão sonhado lar.

Nesse novo modelo anunciado pela Caixa, a principal diferença fica na composição das taxas do financiamento. No modelo antigo, as taxas eram compostas por juros de 8,5% a 9,5% + TR (que se encontra zerada desde 2017), já na nova modalidade as taxas compõem-se por juros de 2,95% a 4,95% + IPCA (que no acumulado dos últimos 12 meses ficou em 2,89%), as taxas dessa modalidade variam de acordo com a profissão do contratante (servidores públicos tem acesso a taxas menores) e o grau de relacionamento com o banco (clientes da Caixa que também adquirirem outros produtos da empresa, como previdência privada, linhas de investimento, etc. têm acesso às “condições especiais”).

Devemos também destacar a mudança que essa nova modalidade de financiamento promove no valor inicial das parcelas, podendo ter uma redução de até 51% do valor das parcelas do financiamento corrigido pela TR, de acordo com a Caixa Econômica Federal. E se os valores das parcelas são reduzidos, isso necessariamente resulta em um acesso mais facilitado ao crédito imobiliário para aquelas pessoas que possuem uma renda familiar mais enxuta.

Mas como na vida nem tudo são flores. Deve-se ficar atento para um provável aumento no montante final da dívida que o modelo juros + IPCA pode provocar. Isso acontece devido ao IPCA ser um indexador mais volátil do que a TR, podendo sofrer alterações significados diante de cenários políticos e econômicos conturbados e refletir em aumento das taxas que corrigem essa modalidade de financiamento (lembre-se de 2015, quando o IPCA bateu na casa dos 10%).

 

MAS E ENTÃO, QUAL FINANCIAMENTO EU ESCOLHO? JUROS + TR OU JUROS + IPCA?

 

Tudo vai depender das suas condições e da sua previsão financeira e de vida que você definir para entrar em um financiamento.

Se por um lado o modelo TR + juros proporciona uma previsibilidade maior sobre a sua dívida, te permitindo mais controle sobre os valores a liquidar e com um montante final menos “salgado”, o modelo IPCA + TR te possibilita um acesso mais fácil ao crédito imobiliário, com parcelas menores e que podem até te permitir adotar um planejamento de antecipação de parcelas ou de investimentos financeiros que lhe gere lucros para equilibrar o peso dos juros.

Gostou do artigo? Que tal compartilhar com alguém que você conheça e que precise saber um pouco mais sobre as novidades do mercado imobiliário. Ah! Lembre-se também de deixar o seu recado dizendo o que você pensa sobre o assunto e se há alguma observação a acrescentar.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Financiamento ou Consórcio? Qual é a melhor opção?

FINANCIAMENTO OU CONSÓRCIO ?

Qual a melhor opção para você que quer comprar seu imóvel, mas não tem o valor à vista?

 

Você sonha em ter o seu próprio lar, porém, ainda não conta com o valor integral para compra-lo à vista. Neste artigo, trataremos sobre os dois meios mais conhecidos para aquisição de um imóvel em longo prazo: o financiamento e o consórcio imobiliário. Ficou interessada(o) no assunto? Então, vem comigo!

 

 

PRIMEIRAMENTE, UMA OBSERVAÇÃO IMPORTANTE!

Antes de começar a falar sobre financiamentos e consórcios, é preciso deixar claro que há uma diferença enorme entre adquirir um patrimônio que irá lhe proporcionar a qualidade de vida que deseja ter ou realizar um investimento financeiro com o intuito de obter lucros.

Adquirir um imóvel é algo que transcende os aspectos puramente financeiros, pois envolve questões subjetivas, como a realização de um sonho, o bem-estar e o conforto de sua família, a segurança de morar em uma boa região da cidade. Algo que pode inclusive, implicar em sua saúde profissional e mental, que são fatores responsáveis pela saúde financeira de qualquer pessoa.

Muitas pessoas tendem a se posicionar contrárias a aquisição de imóveis por métodos em longo prazo, como o consórcio e o financiamento, devido ao custo final maior que essas opções apresentam se comparadas com a compra à vista. Porém, quem defende esse argumento, tende a esquecer de incluir no debate os aspectos subjetivos relacionados à aquisição de um bem tão importante quanto a casa própria.

Será que durante o prazo de um investimento financeiro que busque a lucratividade, você e sua família morarão em um imóvel capaz de lhes proporcionar a qualidade de vida que desejam ter? Se não, em que isso pode implicar na sua vida, no seu relacionamento familiar e em seu aspecto profissional?

São fatores que devem ser levados a sério na hora de tomar uma decisão sobre adquirir ou não o seu próprio lar. Feita a observação, vamos deixar de enrolar e ir direto ao assunto do artigo.

 

FINANCIAMENTO X CONSÓRCIO – QUAL É A MELHOR OPÇÃO?

Pode parecer meio “isentão” a frase que vou usar para dar essa resposta, mas é a mais correta a se usar = Depende de qual é a sua situação.

Embora ambos sejam meios para permitir que você adquira o seu imóvel sem precisar arcar com todo o valor do negócio, as opções de financiamento e consórcio possuem particularidades que devem ser levadas em conta em relação a sua situação no momento atual da compra. Como por exemplo: a pressa em usufruir do imóvel, ter ou não um montante de dinheiro disponível para entrada ou lance, sua condição financeira mensal, etc.

Para ficar mais fácil de entender, vou explicar em detalhes como funciona cada modelo. Continua aqui comigo!

 

  • FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

 

O financiamento imobiliário é a opção mais usada para quem tem pressa em adquirir o seu próprio lar, porém, não conta com todo o valor da negociação em mãos para fazer a compra do imóvel à vista.

Nessa modalidade, você adquire uma linha de crédito junto a uma instituição financeira, ao qual serão acrescidos juros e correção monetária ao decorrer do tempo contratado para quitação do valor adquirido.

Falando de um modo mais popular, o banco compra o imóvel que você deseja, lhe repassa, e você paga por esse empréstimo em prestações acrescidas de juros e correção monetária.

Vale também ressaltar, que para lhe conceder esse “empréstimo”, as instituições financeiras farão uma análise do seu perfil de crédito (que é um cálculo feito a partir da sua renda mensal, valor do imóvel e prazo de quitação do bem) e então definirão qual será o valor do financiamento ao qual você terá acesso e, consequentemente, qual será o valor da entrada (cujo valor mínimo é de, em média, 20% do valor do imóvel).

Outro ponto a ser abordado sobre o financiamento é em relação ao tempo contratado para quitação do financiamento. Por se tratar de altas quantias, geralmente, as pessoas buscam por prazos maiores para diminuir o valor das parcelas, podendo chegar a até 35 anos (prazo máximo que as instituições financeiras, em geral, oferecem). Porém, é preciso lembrar que quanto maior o prazo, mais juros e taxas de correção serão acrescentadas ao seu crédito. O que pode fazer com que ao final do seu financiamento, o custo total seja maior que o valor de crédito contratado.

 

  • CONSÓRCIO IMOBILIÁRIO

Se o financiamento imobiliário é uma saída para quem deseja usufruir do imóvel de imediato, o consórcio imobiliário é uma opção interessante para você que já decidiu que precisa ter um imóvel próprio, mas ainda não sabe onde, quando ou qual o tipo de imóvel que deseja adquirir.

Diferente do financiamento, o consórcio imobiliário não impõe a cobrança de juros e correção sobre o valor contratado, mas também oferece prazos mais curtos para quitação do débito. O que há nesse caso é a inclusão de uma taxa de administração cobrada pela administradora do consórcio (que costumam girar na casa dos 20% do valor do imóvel) que pode ter a companhia de algumas outras taxas que vou mencionar logo abaixo. Já em relação ao tempo, os prazos máximos para um consórcio são de 15 anos, em média.

É importante destacar, que ao contrário do financiamento imobiliário, não é uma instituição financeira que arca com os custos da carta de crédito para compra do seu imóvel. São os próprios participantes do consórcio que “rateiam” o valor entre si, reunindo um valor que possibilite que de tempos em tempos seja escolhido um participante para retirar o valor da cota contratada para compra do imóvel. Essa escolha acontece mediante sorteio (e aqui o que vale é a sorte para ser contemplado) ou o lance (que é quando o consorciado pode oferecer uma quantia X para ter acesso à carta de crédito. Aquele que der o maior lance leva).

O fato de não contar com o suporte de uma instituição financeira, representa um risco maior para os participantes de consórcios. Pois podem surgir casos de inadimplência de consorciados e implicar em atrasos no sorteio das cotas. Esse fato inclusive faz com que algumas administradoras de consórcios a incorporem no valor das mensalidades, taxas como fundos de reserva ou seguro de vida, que servem justamente para proteger os participantes do seguro contra possíveis problemas que possam vir a surgir no decorrer do consórcio.

Todavia, além da taxa administrativa e de possíveis taxas extras, como o fundo de reserva, há de se considerar ainda o reajuste anual que é feito nas parcelas de um consórcio. Esse reajuste é feito a partir do INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), que mede os índices de inflação no Brasil para o setor de construção civil. O que pode se tornar um complicador para o consorciado, caso haja um período de alta nos índices do INCC (que esse ano tem girado na casa dos 4,0%).

Mas também é importante considerar a possibilidade que o consórcio oferece para amortizar débitos futuros no consórcio através de lances ou de quitação de parcelas a vencer, lhe permitindo abater valores sem incidência dos reajustes. Minimizando dessa forma os impactos no valor final do consórcio.

Para finalizar esse assunto, cabe dizer que outro ponto a favor do consórcio é o fato de que após você quitar o débito e ter a carta de crédito em mãos, você poder escolher o perfil e localização do imóvel que deseja adquirir, que pode mudar ao longo do tempo devido, seja por questões pessoais, familiares, profissionais, ou qualquer que seja.

 

MAS O QUE TUDO ISSO SIGNIFICA NA PRÁTICA?

 

Significa que mesmo que você não tenha todo o valor necessário para adquirir o seu imóvel de imediato, existem possibilidades para tornar esse sonho realidade (ainda que representem um investimento maior a se fazer).

Financiamentos e consórcios imobiliários são opções que trazem pontos positivos e negativos, porém, são meios eficientes para lhe permitir ter todo o conforto, o bem-estar e a tranquilidade de viver em um lar só seu, onde você tenha liberdade e autonomia para moldá-lo conforme as suas necessidades e desejos.

Claro que ter um planejamento financeiro bem feito e fazer bons investimentos que lhe permitam ter melhores condições financeiras para adquirir um bem dessa importância à vista e com bons descontos, sempre será a melhor opção (Clique aqui e confira o artigo sobre planejamento para comprar sua casa própria)

Porém, como dissemos no início deste artigo, essa é uma decisão que envolve fatores tão relevantes quanto o lado financeiro.

Por isso, o mais importante para que você consiga tomar uma decisão correta sobre o assunto é traçar um panorama real da sua situação, mapeando aspectos pessoais, profissionais, financeiros e até sobre planos futuros. Tendo isso claro, fica mais fácil definir qual é a forma mais condizente com a sua realidade para fazer um investimento do porte de uma aquisição de um imóvel.

Gostou do conteúdo desse artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e nos ajude a alcançar mais pessoas que buscam uma resposta sobre essa questão (Tá liberado seguir a Moradia no Instagram e no Facebook também). Aproveite e deixe um comentário dizendo o que achou ou sobre quais assuntos sobre o mercado imobiliário gostaria de saber mais.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Janeiro, o mês perfeito para alugar ou vender o seu imóvel!

 

Janeiro e a alta procura por imóveis

O calendário vira, um novo ano começa e para muitos brasileiros é um novo ciclo que representa uma mudança de hábitos, ou até mesmo uma mudança de ares. Por isso, janeiro tornou-se para muitos o mês das mudanças.

E como não poderia deixar de ser, o mercado imobiliário também muda e se aquece em janeiro, e não é devido ao sol escaldante do verão brasileiro. O motivo principal é a agitação de estudantes, pais, investidores e trabalhadores para conseguirem um novo lar.

Os universitários lideram a lista de procura, seguido dos pais com filhos em idade escolar. Ficar mais perto da faculdade, da escola dos filhos ou do trabalho é uma necessidade, facilitando os deslocamentos e melhorando a qualidade de vida de quem precisa de pelo menos dez minutinhos a mais de descanso.

Essa grande procura por um novo lar é a oportunidade perfeita para quem tem um imóvel aqui em Ipatinga e deseja disponibilizá-lo para aluguel ou venda o quanto antes. “É nesta época do ano que mais fechamos contratos, em que temos maior procura por imóveis e que os proprietários ficam mais felizes”, destaca Luciene Araújo, Gerente da Moradia Imobiliária.

Luciene Araújo – Gerente da Moradia Imobiliária

“O período escolar é um grande balizador da locação residencial nas cidades. O fim do ano letivo e o período de férias são os momentos chaves da busca e troca de imóvel. Crianças que mudam de etapa escolar e necessitam de nova escola, estudantes que saem do ensino médio e vão para as faculdades, deixando a casa dos pais, são muitos os fatores que levam ao desejo de mudança nestes períodos, e isso traz muitos clientes para a imobiliária, aumentando o fluxo de locações e até mesmo de vendas”, comentou Luciene.

Mas porque Janeiro?

Alguns fatores contribuem para esta alta procura neste mês. Em dezembro, as pessoas empregadas contam com uma verba extra, vinda principalmente de 13º salário, bônus e participação em lucro das empresas nas quais trabalham. Estes valores são um recurso a mais para levantar o capital necessário para investir em um novo lar, seja por aluguel ou um investimento definitivo, e garantir a possibilidade de mudança breve.

Além disso, depois das datas festivas de dezembro, quando todos estão envoltos em celebrações junto aos amigos e família, chega janeiro, mês em que muita gente tira férias ou entra em um ritmo mais lento. Desta forma, elas têm mais tempo livre para buscar pelo imóvel desejado, seja ele uma boa casa, um apartamento bem localizado, uma cobertura espaçosa ou, quem sabe, uma kitnet próxima ao seu trabalho ou faculdade.

E Pode parecer besteira, mas o início de um novo ano marca também o momento de tomar decisões sobre quais serão os grandes acontecimentos na vida de cada um para o período que está começando. E, mudar para um novo lar, um novo ambiente, está entre uma das principais resoluções de Ano Novo!

E quais as vantagens para quem é proprietário de imóvel?

Com o mercado aquecido em janeiro e a procura disparada, as chances de seu imóvel ser alugado aumentam consideravelmente. Por isso é importante deixar a administração do seu bem com quem entende do assunto.

Na Moradia Imobiliária, você tem a garantia de que ele está em boas mãos. Um imóvel administrado pela Moradia passa por todos os processos necessários de avaliação, garantindo assim uma excelente qualidade no atendimento e no produto.

Os procedimentos vão desde a análise da ficha cadastral com o locatário, confecção do contrato, laudo de vistoria com fotos (atestado de conservação do imóvel), acompanhamento jurídico, até a forma de cobrança do aluguel. Além disso, a Moradia oferece todo o suporte ao locatário, locador e ao imóvel.

O locador tem o imóvel anunciado no site da Moradia e também em grandes portais imobiliários do Brasil, como o Zap Imóveis, além de uma placa indicativa no local.

Se você deseja uma avaliação do seu imóvel, entre em contato com a Moradia e agende um horário com um dos corretores. Para a avaliação, você deverá ter a descrição completa do imóvel – número de ambientes, medida, localização – além da documentação legal com escritura registrada.

 

Nenhum Comentário

Saiba por que as variações do dólar influenciam na compra do seu lar!

 

Em tempos de incertezas políticas, como é em todo ano de eleição, o mercado financeiro reage de forma diferente para determinados setores, e o do mercado imobiliário é atingido diretamente pelo sobe e desce do dólar, fruto dessas incertezas.

Para quem mora fora do Brasil, ou que investe em dólares americanos, as dúvidas de quando investir e se deve investir surgem a todo momento. Mas como saber a hora certa de aplicar seu dinheiro em um imóvel nesta instabilidade da moeda americana?

A Moradia Imobiliária vai te ajudar a entender um pouco mais sobre este cenário.

Primeiro vamos saber: como a variação do dólar afeta a economia? 

O dólar é usado como moeda de referência na economia internacional. Por isso, as variações da moeda americana afetam facilmente as relações entre quaisquer países, mesmo que não incluam os Estados Unidos.

Além disso, a taxa de câmbio acaba influenciando muito além das transações internacionais. Ela interfere na inflação e nos preços da economia nacional.

Entenda

Se você mora fora do Brasil e está pensando em aplicar aqui num imóvel aquela grana guardada com tanto esforço, a hora de comprá-lo é na alta do dólar. Com a elevação da moeda os investidores externos passam a ter um maior poder de compra por aqui. Dessa forma, com a mesma quantia que possuíam há cerca de um ano, podem agora adquirir imóveis bem melhores com preços bem mais acessíveis.

Para quem está no exterior e vai investir no mercado imobiliário brasileiro é uma oportunidade bastante vantajosa, já que este cenário torna-se mais atrativo e rentável para estes investidores.

Sobre taxas

Segundo especialistas na área, com o dólar mais alto, as taxas de juros vão lá para cima, dificultando ainda mais o crédito imobiliário para os investidores locais com recursos mais limitados e uma moeda não tão forte e representativa, diminuindo o poder de compra. Um reflexo disso é que os imóveis encalham mais facilmente, ao menos em um primeiro momento.

Neste cenário, a venda fica mais restrita para esse público local porque, indiretamente, o potencial comprador pode repensar a aquisição por não ter confiança na economia e na manutenção e continuidade de seu emprego e, consequentemente, de sua renda.

Investidores

Para o brasileiro que mora no Brasil, a queda do dólar é mais benéfica quando se trata de compra e venda de imóveis. As taxas de financiamento e os juros tendem a diminuir, facilitando o investimento e as formas de pagamento.

E é notável como a procura por imóveis por investidores estrangeiros sobe com a alta do dólar. Geralmente o propósito destas transações imobiliárias é uma futura valorização do bem adquirido, sendo que com o dólar baixo não seria possível nem rentável tal aquisição. Com os imóveis desvalorizados, os investidores estrangeiros tendem a comprar mais, reaquecendo o mercado.

Designed by Freepik

 

E agora que já conhece as vantagens e desvantagens da oscilação do dólar, que tal começar a pensar em qual imóvel investir! Aqui na Moradia Imobiliária temos uma grande variedade de ofertas para que seu dinheiro seja investido de forma certa e rentável.

Nenhum Comentário

Qual a importância de alugar via imobiliária?

O brasileiro sempre encontra um “jeitinho” para tudo e muitas vezes prefere fazer por conta própria os serviços que somente profissionais qualificados e preparados deveriam fazer. Alugar um imóvel é um dos exemplos de que, “se arrumar um jeitinho”, fica mais barato, mas as consequências podem trazer mais prejuízos do que o esperado.

Alugar “por conta própria” pode parecer uma solução fácil quando estamos no aperto, mas você conhece todo o caminho que deve ser percorrido para que você esteja seguro ao fim do contrato? Muitas pessoas alugam seus imóveis e decidem administrá-los sem a ajuda de uma imobiliária. Neste caso o próprio locador fica responsável por cobrar o aluguel, acordar reparos, fazer a vistoria entre outras diversas atividades, muitas vezes sem amparo legal para as negociações e sem ferramentas adequadas para consultas judiciais e negociações financeiras.

Mas será que vale a pena contratar uma imobiliária? Sim. E vamos te explicar as vantagens de ter o seu imóvel sob a administração da Moradia Imobiliária.

Divulgação e atendimento:

VANTAGEM – Quando seu imóvel é entregue para a gerência da Moradia, a mesma já dispõe de recursos para divulgá-lo aos futuros interessados. Desde 2017 um novo site, mais moderno e dinâmico, foi criado e disponibilizado pensando no perfil dos clientes da nossa região, com amplo acesso a informação sobre os imóveis, além de parcerias com portais de abrangência nacional e internacional como o Viva Real e divulgação em nossas redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram. No local, a Moradia também disponibiliza placas de identificação de aluguel. Em nossa sede contamos com uma atendente para sanar dúvidas, emprestar chaves para visitas, encaminhar propostas e direcionar os interessados. SUPER VANTAGEM – Segurança do imóvel: Quando se anuncia por conta própria, fica difícil saber quem está visitando. Na Moradia todo interessado deve deixar um documento com foto e número de telefone para posterior identificação caso apareça algum dano no imóvel após a visitação.

Análise para cadastro:

VANTAGEM – Quando um candidato a locação se apresenta, a Moradia realiza uma análise cadastral, avaliando a legalidade dos documentos apresentados e se o candidato não possui restrições legais, redige um contrato de locação baseado nas leis vigentes. SUPER VANTAGEM – A Moradia dispõe de ferramentas para análise de crédito e autenticidade de documentos, evitando com mais acerto os inadimplentes. Quanto ao contrato, por ser feito por profissionais especializados na área, as brechas para problemas futuros são sanadas.

Vistoria:

VANTAGEM – Um profissional qualificado é disponibilizado pela Moradia para realizar uma vistoria no imóvel, tanto no início do contrato quanto no término, para que ambas as partes tenham um documento que comprove qual a situação do imóvel. SUPER VANTAGEM – Dificilmente alguém que não é especialista na área é capaz de fazer uma vistoria precisa e bem feita. Na hora da entrega do imóvel podem surgir dúvidas e o locatário se negar a pagar eventuais danos. Na Moradia um documento é assinado por todos os envolvidos no processo, garantindo assim a idoneidade do documento.

Controle financeiro:

VANTAGEM – Esta com certeza é a parte mais chata para quem tenta locar seu imóvel por conta própria. Na Moradia o locador pode ficar despreocupado pois nossa equipe realiza a cobrança do aluguel, realiza os repasses devidos e reajustes e toda a burocracia que envolve esta negociação. SUPER VANTAGEM – Na hora de resolver quem paga o que, a Moradia orienta e cobra os devidos impostos como o IPTU e as taxas de condomínio, evitando assim o alto índice de inadimplência e inclusão do nome do proprietário no cadastro de inadimplentes. 

Consultoria: 

VANTAGEM – Durante o período de vigência do contrato, a Moradia também funciona como um suporte ao locador e locatário, sanando dúvidas e resolvendo eventuais situações que possam ocorrer. SUPER VANTAGEM – A Moradia também é responsável por contratar ou indicador prestadores de serviços como bombeiro hidráulico, eletricista, etc, que façam reparos necessários no imóvel tanto antes da entrada do inquilino como no fim do contrato.

 

Depois de todas essas vantagens, escolher a Moradia para a administração do seu imóvel é ter a certeza que você terá tranquilidade de que seu bem será bem cuidado, tendo segurança e confiança de que tudo será feito da maneira correta e dentro da lei, deixando você com mais tempo para se dedicar às suas atividades e amores.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Despesas extras. Responsabilidade do locador ou locatário?

Você busca um novo lar, escolhe com carinho e dedicação, resolve tudo que precisa sobre documentos e taxas a serem pagas, se muda feliz da vida, paga o aluguel direitinho e, de repente: uma taxa que a gente não contava surge, ou uma manutenção inesperada. Quem deve arcar com essas despesas, você ou o proprietário do imóvel?

Sabemos que problemas entre inquilino e proprietário de imóvel alugado acontecem, mas conhecendo bem as suas obrigações como locador, muita dor de cabeça pode ser evitada. Aliás, grande parte das discussões envolve responsabilidade sobre reparos no imóvel, sobre as contas a serem pagas e sobre reajuste no valor da locação e de impostos.

Mesmo que sejam frequentes os problemas a serem enfrentados, a locação de imóvel ainda sim é um ótimo negócio para ambas as partes: o locador obtém uma renda extra e seu imóvel não fica desocupado; já para o inquilino existe a flexibilidade para escolher o local de moradia sem precisar de investimentos altos, comparado ao custo da compra de um imóvel.

Grande parte dos problemas seriam facilmente solucionados se o inquilino cuidasse do imóvel como se fosse dele e se soubesse os direitos e deveres que lhe cabem mediante contrato.

Manutenção. Responsabilidade de quem?

Consta no contrato de locação que, ao pagar o aluguel, o locatário tem direito a utilizar o imóvel para sua moradia ou comércio e deve zelar pela sua conservação. A Gerente de Locação da Moradia Imobiliária, Luciene Araújo, explica o que quer dizer zelar pela conservação segundo a lei.

“Sempre frisamos aqui na Moradia que o inquilino deve manter o terreno e o imóvel que locou em boas condições de uso, assim como ele os recebeu. Pequenas atitudes no dia a dia ajudam a manter o imóvel conservado para que não precise de grandes reformas ao fim do contrato. Cortar a grama e podar árvores quando houver, retirar todo o lixo do imóvel, cuidar dos equipamentos elétricos e hidráulicos, refazer a pintura caso haja dano, são cuidados básicos que muitos esquecem ou não sabem que são de sua responsabilidade”, disse.

Entupimentos, vazamentos, curtos e outros danos causados pelo inquilino devem ser pagos por ele. Caso as instalações já apresentem problemas antes da locação, deve-se registrar a ocorrência junto à imobiliária e a troca deve ser providenciada pelo proprietário do imóvel.

Aliás, caso a despesa seja de fato do dono do imóvel o locador pode entrar em um acordo com o proprietário pagando o serviço que precisará ser feito e, depois, descontando esse mesmo valor do aluguel. Mas caso isso seja acordado, é sempre indicado deixar registrado o porquê de o aluguel estar mais baixo, usando os comprovantes de pagamento do serviço como garantia.

Condomínio, quem paga o quê?

São de responsabilidade do inquilino todas as despesas de manutenção como limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum. Consumo de água, luz, esgoto, manutenção e conservação dos jardins, elevadores, bombas hidráulicas, interfones, portões, segurança, equipamentos de lazer, piscina e sala de ginástica também sobram para o bolso do morador.

Despesas extraordinárias de condomínio, como obras de reformas de melhorias ou que interessem à estrutura integral do imóvel, vão parar na conta do proprietário, assim como obras de manutenção destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício, pintura da fachada e esquadrias externas, compra e instalação de equipamentos em geral e decoração e paisagismo nas áreas comuns.

E o Seguro Contra Incêndio?

O seguro garantirá uma indenização, na hipótese da ocorrência de incêndio do imóvel locado. A Lei do Inquilinato admite que a cobrança do seguro possa ser repassada do locador para o locatário, mediante a estipulação de uma cláusula no contrato de locação.

A contratação do seguro serve para auxiliar o inquilino na sua obrigação legal e contratual de garantir a integridade do imóvel em casos de incêndio. O locatário é ocupante do imóvel e poderá ser considerado culpado, em determinadas situações específicas, pelo fato que ocasionou a destruição ou deterioração do imóvel locado, devendo arcar com o ressarcimento, ao locador, do valor equivalente ao patrimônio imobiliário destruído ou deteriorado.

Se tiver mais alguma dúvida fale conosco que iremos lhe ajudar.

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

                      Aqui você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

Caixa reduz taxa de juros imobiliário. Saiba como aproveitar!

Financiar sua casa própria ficou muito mais fácil e você sabe o por quê? É que caíram as taxas de juros imobiliários da Caixa Econômica Federal.

Nesta segunda, dia 16 de abril, a Caixa anunciou as novas taxas que já estão valendo para todo o país, incluindo Ipatinga. Mas devemos ficar atentos, pois essa oportunidade não aparece sempre, e é sempre bom ficar informado para não perder essa chance de realizar seu sonho.

“É comum a mudança nas regras de financiamento imobiliário pelos bancos, e com a Caixa não é diferente. E essas mudanças são feitas de acordo com o que pede o mercado, com a oferta de dinheiro e demanda por créditos. Esta é a hora para quem está indeciso sobre a compra de um imóvel. Essas decisões dos bancos são imprevisíveis e nunca sabemos até quanto vai voltar a subir a taxa de juros e diminuir o percentual de financiamento”, comentou o Corretor de Vendas da Moradia Imobiliária, Robson Santos.

Robson Santos – Corretor na Moradia Imobiliária

Para que você aproveite a novidade com economia e comodidade, listamos abaixo o que precisa saber.

Quais são as mudanças?

  • Sistema Financeiro de Habitação (SFH) – Queda dos juros saindo de 10,25% para 9% ao ano. Em Minas Gerais, o SFH financia imóveis com até 950 mil reais.
  • Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) – São valores acima do SFH, com redução das taxas de juros de 11,25% para 10%.
  • O percentual do valor a ser financiado dos imóveis usados, os já conhecidos imóveis de terceiros, subiu de 50% para 70%.

Não houve alteração

  • Apesar das ótimas novidades, algumas regras e linhas de crédito continuam mantidas e inalteradas. Os itens em que não houve modificações:
  • A linha Pró-Cotista não foi alterada. Para isso, o teto de financiamento foi elevado em janeiro para 70% no caso de imóveis usados.
  • Sobre as unidades novas, também foi mantido o percentual de 80% referente ao teto do financiamento.

Quanto cada banco cobra?

As taxas da Caixa e do Itaú são de 9%, seguidas do Banco do Brasil com 9,24%, do Santander com 9,49% e por último com os maiores percentuais o Bradesco com taxas a partir de 9,45%.

A Caixa divulgou que possui R$ 82,1 bilhões para o crédito habitacional em 2018. Ela não reduzia os juros do crédito imobiliário desde novembro de 2016.

Essa é a oportunidade para você comprar sua casa nova. Faça contato conosco e agende uma visita, venha saber mais sobre créditos imobiliários e esteja preparado para a realização de seu sonho!

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

 

                             Aqui você é #maisquebemvindo