fbpx
Nenhum Comentário

A importância da fotografia na venda no seu imóvel

A IMPORTÂNCIA DA FOTOGRAFIA IMOBILIÁRIA

Ter um imóvel a venda e não se preocupar em ter fotografias profissionais para ilustrar cada ambiente pode tirar das suas mãos as melhores oportunidades de negócio. Entenda por que.

Há duas coisas que são constantes no mundo atual: a correria no dia a dia das pessoas e a presença quase onipresente da comunicação visual. Dois pontos que explicam muito bem porque a fotografia profissional é tão importante para o mercado imobiliário.

Ainda não conseguiu fazer a ligação? Então vem comigo que eu te explico.

Devido a correria do dia a dia, as pessoas tem cada vez menos tempo para rodar a cidade em busca de imóveis que estejam disponíveis para venda, como era costume nas décadas passadas.

Isso ocasionou em uma mudança de hábitos nas pessoas que passaram a pesquisar os imóveis através da internet, seja em sites, redes sociais ou portais imobiliários. Canais que tem na comunicação visual (mais especificamente na fotografia) a maneira das empresas, profissionais do mercado ou até mesmo proprietários apresentarem os seus imóveis aos interessados.

Agora ficou tudo mais claro né? A correria do dia a dia reduz o tempo livre das pessoas. Com menos tempo elas concentram suas buscas na internet, passando a avaliar os imóveis através das imagens que as imobiliárias, corretores e proprietários disponibilizam nos canais digitais.

E é aí que entra o ponto central dessa nossa conversa:

As fotos dos seus imóveis transmitem uma boa impressão a quem busca por eles?

Não é nada raro encontrar nos canais de venda de imóveis (sejam sites, portais ou redes sociais) imóveis exibidos em fotografias escuras, com ângulos mal escolhidos e de baixa qualidade.

Isso quando a preparação do imóvel (Home Staging) não é feita e o imóvel é fotografado sujo e/ou desorganizado.

Essa falta de cuidado com a fotografia faz com que o cliente que está avaliando a possibilidade de investir no imóvel perca o interesse em adquiri-lo ou o desvalorize em relação ao seu valor de mercado.

Nesse momento você deve estar aí pensando:

“Tá! Entendi o recado. Mas e agora, como faço para ter boas fotografias para anunciar o meu imóvel?”

E para pergunta só existem duas respostas: Ou você investe em conhecimento e equipamento para que você mesmo fotografe o imóvel ou contrata um profissional capacitado para fazer por você.

Aqui na Moradia, quem cuida das fotografias dos nossos imóveis (desde o clique até o tratamento e organização das fotos no site) é o pessoal da agência Cartola Publicidade.

Vou deixar abaixo o link de dois imóveis aqui da Moradia, com a fotografia feita pela agência.

Porém, se você não tem alguém para cuidar desse trabalho para você ou não quer investir para ter essa qualidade na apresentação dos seus imóveis no momento. Vou deixar aqui 05 dicas que vão te permitir desenvolver os pilares para uma boa fotografia imobiliária.

Ficou interessado(a)? Então vamos lá:

01 – INVISTA EM EQUIPAMENTOS

Você pode até conseguir fazer boas fotos com o seu telefone celular (dependendo da qualidade da iluminação do imóvel), mas dificilmente terá fotos profissionais com esse equipamento.

Uma câmera fotográfica DSLR + uma lente com ângulo de abertura amplo é o básico para uma fotografia imobiliária profissional. Acrescentaria ainda um flash externo ou um LED para DSLR para auxiliar na iluminação de ambientes mais escuros.

02 – CONHEÇA O BÁSICO DA FOTOGRAFIA

Sem o mínimo conhecimento sobre fotografia não há bom equipamento que salve.

Por isso, faça estudos sobre a base das técnicas de fotografia. Entenda o que é fotometria e controle de exposição, ângulos de fotografia e técnicas de enquadramento.

03 – SAIBA O QUE É HOME STAGING

Essa palavrinha em inglês (complicada de pronunciar, mas fácil de entender) está ligada ao processo de arrumação do imóvel para a fotografia imobiliária ou até mesmo para visitas de possíveis clientes.

Basicamente o Home Staging trata sobre a limpeza do imóvel e a arrumação dos ambientes, deixando os espaços livres e com o mínimo de personalização possível, para que quem veja as fotos dos ambientes (ou os próprios ambientes) consiga se imaginar vivendo ali.

04 – APRENDA TÉCNICAS DE PÓS-EDIÇÃO

Engana-se quem pensa que a fotografia termina no clique. A pós-edição (processo de tratamento e refinamento das imagens) é tão importante quanto o ato de fotografar.

Isso porque na pós-edição você consegue corrigir erros e melhorar a sua fotografia, como alinhar as perspectivas, clarear ambientes escuros, corrigir cores, eliminar pontos de distração, etc.

05 – ORGANIZE A APRESENTAÇÃO DAS FOTOS

Fotos prontas e editadas? Agora é hora de inseri-las no seu canal de apresentação ao cliente (seja ele um site, redes sociais ou portais imobiliários).

E todo cuidado é preciso nesse momento, pois jogar todas as fotos na plataforma de anúncios sem uma ordem de apresentação pré-estabelecida é um erro grave e infelizmente muito comum.

O ideal é que você crie um roteiro de apresentação do seu imóvel parecido com o que seria uma visita pessoal.

Em geral as fotos das salas ou dos quartos vem primeiro, passando pela cozinha, área de serviço, banheiros e demais ambientes que seu imóvel venha a ter.

E o mais importante: A foto de capa (destaque) deve ser a melhor foto do imóvel, não necessariamente a foto da fachada.

Bem, era esse o assunto que queria tratar com vocês nesse artigo.

Espero que o conteúdo e as dicas que trouxe aqui te ajudem a fazer boas fotografias e consequentemente apresentar melhor o seu imóvel para o mercado.

Conte conosco também caso queira que o seu imóvel faça parte da nossa carteira e tenha a nossa qualidade de divulgação.

Um grande abraço e até o próximo artigo.

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Comprar um imóvel como investimento

O que você deve (ou não) fazer ao comprar um imóvel como investimento!

 

O Mercado Imobiliário sempre foi um porto seguro para aqueles buscam por segurança na hora de fazer um investimento. Porém, é preciso tomar alguns cuidados na hora de investir no mercado imobiliário. Afinal, os valores que envolvem a compra de um imóvel são altos, e erros graves podem resultar em grandes prejuízos.

 

Por isso, hoje preparamos este artigo para te contar algumas dicas sobre o que você deve ou não deve fazer na hora de comprar um imóvel como investimento.

 

Esse é um assunto que te interessa? Então foca aqui comigo nessa leitura de 03 minutinhos e aumente o seu conhecimento sobre investimentos imobiliários.

 

DICA 01 – NÃO SEJA UM(A) AVENTUREIRO(A)

Aventurar-se no mercado imobiliário quase sempre resulta em grandes prejuízos financeiros.

Investir bem em imóveis exige conhecimento de mercado, contatos com proprietários e construtores e também habilidades interpessoais para conduzir bem um negócio.

Por isso se você ainda não está acostumado a realizar, por conta própria, investimentos com valores tão expressivos, como acontece na aquisição de um imóvel, é indispensável buscar o suporte de corretores sérios e competentes para te orientar ao longo do processo.

Bons corretores reúnem habilidades conhecem a fundo o mercado em que você deseja investir e certamente vão saber te indicar o imóvel mais apropriado para o perfil de investimento que você busca.

Além disso, alguns corretores (como os da Moradia) contam com acesso fácil aos consultores de bancos e entidades, responsáveis pela aprovação ou não de crédito imobiliário. O que representa um ganho de tempo, caso você precise complementar o valor para o investimento.

 

DICA 02 – IMÓVEIS NOVOS OU USADOS?

Ao longo dos nossos mais de 47 anos de história, conduzimos negociações de imóveis, tanto novos, como usados, que resultaram em lucros expressivos aos investidores.

Contudo, existe uma clara diferença de visão que se deve ter ao investir em cada um desses perfis de imóveis.

Com imóveis novos, o ideal é escolher imóveis que estejam sendo negociados antes de iniciar a construção. Os chamados imóveis na planta.

Imóveis adquiridos na planta podem ter valorização de mercado de mais de 20% após a conclusão das obras.

Porém, mais uma vez é preciso cuidado e precisão na escolha do imóvel a investir. Localização, estudo sobre o perfil de renda dos moradores da região e a reputação/qualidade da construtora são elementos indispensáveis para se analisar antes de investir em um imóvel desse perfil.

Já com imóveis usados, o ideal é ter um bom capital de compra e visão de mercado para encontrar imóveis que estejam em uma boa região, porém, precisem de uma boa reforma para aumentar seu valor.

Mais uma vez contar com o suporte de um corretor profissional pode ser o “pulo do gato” para você encontrar um imóvel usado que esteja disponível para venda por um valor atrativo.

 

DICA 03 – LOTES E TERRENOS

Poucos perfis de investimentos imobiliários possibilitam retornos tão expressivos quanto lotes e terrenos.

Quem investiu há 10, 20 anos em terrenos na região central dos bairros Cidade Nova em Santana do Paraíso ou do bairro Cidade Nobre em Ipatinga, certamente hoje possuem patrimônios que valem 10x mais (sendo modesto) do que quando concretizaram a compra.

Basta um evento acontecer na região do imóvel (como a vinda de uma multinacional ou a melhora da infraestrutura viária) para que um terreno tenha seu valor potencializado.

O que não quer dizer que o contrário também não possa acontecer e implicar em desvalorização do patrimônio.

Por isso, o ideal é manter-se atento para as oportunidades para investir no início da valorização de uma região e fazer a revenda em seu pico de maior retorno.

 

DICA 04 – USE A RAZÃO

Comprar um imóvel sempre envolve uma grande carga emotiva.

Porém, quando o assunto é adquirir imóvel como investimento, as emoções são péssimas conselheiras.

Analise bem e pacientemente todas as variáveis que envolvem o imóvel que deseja investir, sem deixar passar nada.

Preço, localização, perfil de construção, perfil de renda dos moradores da região, reputação da construtoras, condições políticas atuais e todas outras variáveis que possam (e vão) influenciar na valorização do patrimônio.

Só tem retornos consideráveis com investimentos imobiliários, quem consegue dominar a emoção e investir no imóvel para vendê-lo no momento mais favorável.

Conforme prometidos temos aqui 04 ótimas dicas sobre investimento imobiliário em uma leitura de 05 minutinhos.

Se esse conteúdo te trouxe uma nova visão sobre o que você deve ou não deve fazer ao investir no mercado imobiliário, compartilhe o artigo com seus amigos e familiares que também gostariam de saber mais sobre o assunto.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

 

Nenhum Comentário

Saiba como declarar o seu imóvel no imposto de renda!

Como declarar seu imóvel no imposto de renda.

Embora já seja uma rotina atual para os contribuintes que recebem contas da Receita Federal todos os anos, uma declaração de Imposto de Renda ainda está desesperada uma série de dúvidas. Então vamos lá, separamos algumas dicas importantes para quem tem dúvidas sobre como incluir seus imóveis na declaração de imposto de renda.

Bom, para iniciar o nosso assunto, iniciaremos o lembrete de como regras aplicáveis ​​residenciais ou comerciais, em áreas urbanas ou rurais e que precisam de declaração depende dos ganhos da contribuição. 

Portanto, todas as pessoas que obtiverem valores acima de R $ 28.559,70 em 2019 devem informar se possuir ou não melhorar o valor da propriedade. Se os seus impostos não ultrapassarem esse mínimo, você só será obrigado a declarar imóveis com preços mais de R $ 300 mil. 

 

Imóvel próprio 

Para imóveis comprados, há diferenças nas compras na vista ou financiadas no ano da declaração. Para um imóvel já quitado Você deve informar uma propriedade na seção “Bens e Direitos”, e cada tipo de imóvel possui um código próprio (link). Para imóveis parcelados, o contribuinte deve incluir nome e CPF ou CNPJ do vendedor, além das condições de financiamento, valor da entrada, valor total do imóvel e juros indexados nas prestações.

 

Vendeu um Imóvel?

Então não se esqueça de informar também a receita. Continue na seção “Bens e Direitos”, ou contribua para salvar o valor do imóvel de quanto ele foi comprado e o valor recebido com sua venda. Além disso, deve incluir o CPF do comprador, uma descrição da propriedade, uma forma de pagamento e o prazo para uma cotação de compra. Se o valor inicial foi menor do que a venda, incidirá sobre um alíquota de 15% do IR. Só estão isentos os contribuintes que, sem prazo de 180 dias, incluem um outro imóvel com dinheiro da venda. 

 

Imóvel alugado 

Tanto o localizador, dono do imóvel que recebe os aluguéis, como o locatário, morador do imóvel, deve inserir os dados da sua locação na sua declaração do imposto de renda. A falta desse tipo de informação, como você já leu, é uma das principais causas que levam as pessoas a caírem na malha fina.

Para declarar, o localizador deve informar o valor recebido pelo aluguel de todos os imóveis que possui a seção “Rendimentos recebidos por pessoa física”. Nesta parte, há um plano mensal com campos exclusivos para aluguel, onde o proprietário deve informar os valores coletados mensalmente e indicar o CPF de quem pagou. 

O locatário, por sua vez, precisa salvar o código 70 “Aluguéis de imóveis, ou o valor quitado. 

Por fim, caberá à Receita Federal, avalie os dados das duas partes para concretizar que ambos se complementam. Caso tenha alguma situação mais complexa e que você não saiba como declarar corretamente, peça ajuda a um profissional de contabilidade. Busque se informar através de fontes seguras. Não envie sua declaração correndo riscos de conter erros.

Tem dúvidas sobre como declarar seu imóvel no imposto de renda? Entre em contato com a Moradia Imobiliária que podemos te auxiliar. 

Nenhum Comentário

Vai virar calouro? Aqui vão 05 dicas para se dar bem em Ipatinga.

Passou um tempão estudando para passar no vestibular da faculdade favorita em Ipatinga e finalmente recebeu a notícia de que foi aprovado? Agora é comemorar e correr para organizar tudo rapidinho para se mudar para a maior cidade do Vale do Aço.

Projetado pelo Freepik

 

Mas e aí, você já tem ideia de como as coisas funcionam por aqui?

Se a resposta ainda for não, pode ficar tranquilo porque nós preparamos 05 dicas que vão te ajudar a se ambientar da melhor forma em Ipatinga e aproveitar ao máximo todos os prazeres que ela proporciona aos seus moradores.

 

Ficou curiosa(o) ? Então se liga no que vem por aí.

 

Dica 01 – Cada bairro tem seu estilo próprio

Bom Retiro – Ipatinga (Foto: Elvira Nascimento)

 

 

 

 

 

 

 

Assim como em qualquer outra cidade de médio/grande porte do país, em Ipatinga, cada bairro possui um ritmo diferente de vida. Alguns mais agitados e com boas opções para se divertir à noite como o Bom Retiro e o Cidade Nobre, outros super comerciais e com uma ampla variedade de opções para resolver as tarefas do dia a dia como o Horto, o Veneza e o Centro. Isso sem contar os bairros mais calmos e sossegados, perfeitos para quem precisa de concentração e foco nos estudos, como o Cariru, o Bethânia e o Iguaçu.

Entender como esses bairros funcionam, permitirá a você agilidade para encontrar o que precisa, seja para se divertir, ir às comprar ou apenas encontrar um pouco de paz e sossego.

 

Dica 02 – Não tem veículo próprio? Se ligue nas opções de transporte da cidade.

Foto de Manki Kim no Unsplash

Caso escolha morar em um bairro mais distante da sua faculdade, você vai precisar de um meio de transporte para chegar até ela, certo? E como nem todos contam com um veículo próprio, a solução pode estar nos serviços de transporte público, privado ou até mesmo na boa e velha carona.

Em Ipatinga, quem cuida dos serviços de transporte público é empresa Autotrans.

Acessando ao site da Autotrans, você consegue descobrir qual(is) ônibus você precisar pegar para chegar à sua facul, além de ficar por dentro dos horários e até mesmo comprar as passagens online.

Já os serviços de transporte privados são vários. Táxis, mototáxis, vans escolares e até mesmo o UBER são meios eficientes para não perder suas aulas.

E como não poderia deixar de ser em ambientes colaborativos como as faculdades, os grupos de caronas são a salvação para quem tem problemas com o transporte público e/ou falta grana para os meios privados.

 

Dica 03 – Não sabe cozinhar? Calma, bons temperos é o que não falta por aqui. 

 

Um drama para quem vai morar longe de casa e não tem aquele dom para a cozinha é saber onde encontrar um restaurante com um tempero o mais parecido o possível com o da mamãe (ou não dependendo das habilidades culinárias da mamãe).

Mas para a sua sorte, Ipatinga é um verdadeiro celeiro de bons e variados restaurantes.

Um bom meio para descobrir um restaurante que melhor se encaixe no seu paladar (e no seu bolso) é o aplicativo Fome Demais. O APP traz uma série de restaurantes, bares e lanchonetes com o melhor do tempero Ipatinguense, e o melhor: vários estabelecimentos com serviço de delivery.

 

Dica 04 – Junto com as provas veio a bad? Encontre um lugar para se divertir na cidade.

 

Aqui em Ipatinga, o que não falta são opções para diversão.

Casas de show, bares, praças, clubes, cinema, teatro e até o shopping oferecem uma série de atrações que podem te tirar da bad.

Para quem é da night e curte um bom som, uma dica são os bares e casas de shows dos bairros Bom Retiro e Cidade Nobre.

Já para quem prefere uma vibe mais sossegado e em contato com a natureza ( de preferência com bastante água envolvida), os clubes e hotéis fazenda em torno da cidade são excelentes opções para trazer de volta todas as energias que aquela matéria complicada sugou de você.

 

Dica 05 – Não complica! Escolha morar o mais perto possível da faculdade.

 

E para finalizar com chave de ouro , vai aqui uma dica que pode até parecer um lobby próprio (e de certa forma é ), mas que também é essencial para quem se encontra nessa fase da vida onde o tempo parece sempre jogar contra.

Escolher um imóvel localizado próximo à instituição onde você vai estudar irá te permitir ganhar mais tempo para cuidar de si mesmo (sem desculpas para não se exercitar) e das demais tarefas do cotidiano, como cuidar da casa, das roupas, assistir aquela série na Netflix (opa, essa tem que pegar leve), isso sem contar na economia com o transporte.

E não precisa nem dizer qual é o melhor lugar para você encontrar um imóvel bem pertinho da sua facul né? ♥️

 

www.moradiaimobiliaria.com.br

 

E aí, gostou das dicas? Tenho certeza que elas vão te ajudar a se ambientar rapidinho e se tornar um verdadeiro cidadão Ipatinguense. E quanto a você que já conhece bem a cidade, fique à vontade para deixar alguma outra dica que nos esquecemos de citar e que também pode ajudar os nossos calouros.

 

Se você gostou do artigo, compartilha com a turma. Tem muito(a) calouro(a) por aí que vai gostar dessas dicas espertas.

Nenhum Comentário

Qual a importância de alugar via imobiliária?

O brasileiro sempre encontra um “jeitinho” para tudo e muitas vezes prefere fazer por conta própria os serviços que somente profissionais qualificados e preparados deveriam fazer. Alugar um imóvel é um dos exemplos de que, “se arrumar um jeitinho”, fica mais barato, mas as consequências podem trazer mais prejuízos do que o esperado.

Alugar “por conta própria” pode parecer uma solução fácil quando estamos no aperto, mas você conhece todo o caminho que deve ser percorrido para que você esteja seguro ao fim do contrato? Muitas pessoas alugam seus imóveis e decidem administrá-los sem a ajuda de uma imobiliária. Neste caso o próprio locador fica responsável por cobrar o aluguel, acordar reparos, fazer a vistoria entre outras diversas atividades, muitas vezes sem amparo legal para as negociações e sem ferramentas adequadas para consultas judiciais e negociações financeiras.

Mas será que vale a pena contratar uma imobiliária? Sim. E vamos te explicar as vantagens de ter o seu imóvel sob a administração da Moradia Imobiliária.

Divulgação e atendimento:

VANTAGEM – Quando seu imóvel é entregue para a gerência da Moradia, a mesma já dispõe de recursos para divulgá-lo aos futuros interessados. Desde 2017 um novo site, mais moderno e dinâmico, foi criado e disponibilizado pensando no perfil dos clientes da nossa região, com amplo acesso a informação sobre os imóveis, além de parcerias com portais de abrangência nacional e internacional como o Viva Real e divulgação em nossas redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram. No local, a Moradia também disponibiliza placas de identificação de aluguel. Em nossa sede contamos com uma atendente para sanar dúvidas, emprestar chaves para visitas, encaminhar propostas e direcionar os interessados. SUPER VANTAGEM – Segurança do imóvel: Quando se anuncia por conta própria, fica difícil saber quem está visitando. Na Moradia todo interessado deve deixar um documento com foto e número de telefone para posterior identificação caso apareça algum dano no imóvel após a visitação.

Análise para cadastro:

VANTAGEM – Quando um candidato a locação se apresenta, a Moradia realiza uma análise cadastral, avaliando a legalidade dos documentos apresentados e se o candidato não possui restrições legais, redige um contrato de locação baseado nas leis vigentes. SUPER VANTAGEM – A Moradia dispõe de ferramentas para análise de crédito e autenticidade de documentos, evitando com mais acerto os inadimplentes. Quanto ao contrato, por ser feito por profissionais especializados na área, as brechas para problemas futuros são sanadas.

Vistoria:

VANTAGEM – Um profissional qualificado é disponibilizado pela Moradia para realizar uma vistoria no imóvel, tanto no início do contrato quanto no término, para que ambas as partes tenham um documento que comprove qual a situação do imóvel. SUPER VANTAGEM – Dificilmente alguém que não é especialista na área é capaz de fazer uma vistoria precisa e bem feita. Na hora da entrega do imóvel podem surgir dúvidas e o locatário se negar a pagar eventuais danos. Na Moradia um documento é assinado por todos os envolvidos no processo, garantindo assim a idoneidade do documento.

Controle financeiro:

VANTAGEM – Esta com certeza é a parte mais chata para quem tenta locar seu imóvel por conta própria. Na Moradia o locador pode ficar despreocupado pois nossa equipe realiza a cobrança do aluguel, realiza os repasses devidos e reajustes e toda a burocracia que envolve esta negociação. SUPER VANTAGEM – Na hora de resolver quem paga o que, a Moradia orienta e cobra os devidos impostos como o IPTU e as taxas de condomínio, evitando assim o alto índice de inadimplência e inclusão do nome do proprietário no cadastro de inadimplentes. 

Consultoria: 

VANTAGEM – Durante o período de vigência do contrato, a Moradia também funciona como um suporte ao locador e locatário, sanando dúvidas e resolvendo eventuais situações que possam ocorrer. SUPER VANTAGEM – A Moradia também é responsável por contratar ou indicador prestadores de serviços como bombeiro hidráulico, eletricista, etc, que façam reparos necessários no imóvel tanto antes da entrada do inquilino como no fim do contrato.

 

Depois de todas essas vantagens, escolher a Moradia para a administração do seu imóvel é ter a certeza que você terá tranquilidade de que seu bem será bem cuidado, tendo segurança e confiança de que tudo será feito da maneira correta e dentro da lei, deixando você com mais tempo para se dedicar às suas atividades e amores.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Despesas extras. Responsabilidade do locador ou locatário?

Você busca um novo lar, escolhe com carinho e dedicação, resolve tudo que precisa sobre documentos e taxas a serem pagas, se muda feliz da vida, paga o aluguel direitinho e, de repente: uma taxa que a gente não contava surge, ou uma manutenção inesperada. Quem deve arcar com essas despesas, você ou o proprietário do imóvel?

Sabemos que problemas entre inquilino e proprietário de imóvel alugado acontecem, mas conhecendo bem as suas obrigações como locador, muita dor de cabeça pode ser evitada. Aliás, grande parte das discussões envolve responsabilidade sobre reparos no imóvel, sobre as contas a serem pagas e sobre reajuste no valor da locação e de impostos.

Mesmo que sejam frequentes os problemas a serem enfrentados, a locação de imóvel ainda sim é um ótimo negócio para ambas as partes: o locador obtém uma renda extra e seu imóvel não fica desocupado; já para o inquilino existe a flexibilidade para escolher o local de moradia sem precisar de investimentos altos, comparado ao custo da compra de um imóvel.

Grande parte dos problemas seriam facilmente solucionados se o inquilino cuidasse do imóvel como se fosse dele e se soubesse os direitos e deveres que lhe cabem mediante contrato.

Manutenção. Responsabilidade de quem?

Consta no contrato de locação que, ao pagar o aluguel, o locatário tem direito a utilizar o imóvel para sua moradia ou comércio e deve zelar pela sua conservação. A Gerente de Locação da Moradia Imobiliária, Luciene Araújo, explica o que quer dizer zelar pela conservação segundo a lei.

“Sempre frisamos aqui na Moradia que o inquilino deve manter o terreno e o imóvel que locou em boas condições de uso, assim como ele os recebeu. Pequenas atitudes no dia a dia ajudam a manter o imóvel conservado para que não precise de grandes reformas ao fim do contrato. Cortar a grama e podar árvores quando houver, retirar todo o lixo do imóvel, cuidar dos equipamentos elétricos e hidráulicos, refazer a pintura caso haja dano, são cuidados básicos que muitos esquecem ou não sabem que são de sua responsabilidade”, disse.

Entupimentos, vazamentos, curtos e outros danos causados pelo inquilino devem ser pagos por ele. Caso as instalações já apresentem problemas antes da locação, deve-se registrar a ocorrência junto à imobiliária e a troca deve ser providenciada pelo proprietário do imóvel.

Aliás, caso a despesa seja de fato do dono do imóvel o locador pode entrar em um acordo com o proprietário pagando o serviço que precisará ser feito e, depois, descontando esse mesmo valor do aluguel. Mas caso isso seja acordado, é sempre indicado deixar registrado o porquê de o aluguel estar mais baixo, usando os comprovantes de pagamento do serviço como garantia.

Condomínio, quem paga o quê?

São de responsabilidade do inquilino todas as despesas de manutenção como limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum. Consumo de água, luz, esgoto, manutenção e conservação dos jardins, elevadores, bombas hidráulicas, interfones, portões, segurança, equipamentos de lazer, piscina e sala de ginástica também sobram para o bolso do morador.

Despesas extraordinárias de condomínio, como obras de reformas de melhorias ou que interessem à estrutura integral do imóvel, vão parar na conta do proprietário, assim como obras de manutenção destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício, pintura da fachada e esquadrias externas, compra e instalação de equipamentos em geral e decoração e paisagismo nas áreas comuns.

E o Seguro Contra Incêndio?

O seguro garantirá uma indenização, na hipótese da ocorrência de incêndio do imóvel locado. A Lei do Inquilinato admite que a cobrança do seguro possa ser repassada do locador para o locatário, mediante a estipulação de uma cláusula no contrato de locação.

A contratação do seguro serve para auxiliar o inquilino na sua obrigação legal e contratual de garantir a integridade do imóvel em casos de incêndio. O locatário é ocupante do imóvel e poderá ser considerado culpado, em determinadas situações específicas, pelo fato que ocasionou a destruição ou deterioração do imóvel locado, devendo arcar com o ressarcimento, ao locador, do valor equivalente ao patrimônio imobiliário destruído ou deteriorado.

Se tiver mais alguma dúvida fale conosco que iremos lhe ajudar.

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

                      Aqui você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

Horto, qualidade de vida junto ao verde

A Moradia Imobiliária se preocupa com o bem-estar de seus clientes, amigos e parceiros e, por isso, tem trazido em suas publicações as melhores dicas de bairros para se morar bem e ter muita qualidade de vida em Ipatinga. Hoje o bairro escolhido para você conhecer e pensar sobre o melhor lugar para alugar ou comprar sua casa ou apartamento novo é o tradicional, familiar, rodeado de mata nativa e muito comercial, o Horto. Vamos saber um pouco mais?

História antiga

Ipatinga Cidade Jardim, de José Augusto de Moraes, traz em suas páginas a história da cidade e muitas curiosidades sobre a implantação dos bairros. Segundo ele, o Horto foi o primeiro a ser construído pela Usiminas. A região do atual bairro fora conhecida originalmente como Córrego de Nossa Senhora ou Horto de Nossa Senhora, onde foi construída a Estação Nossa Senhora, da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), por volta de 1922. Neste ano, foi criada próxima do local a primeira farmácia da atual Região Metropolitana do Vale do Aço, pelo farmacêutico (e futuro político) Raimundo Alves de Carvalho.

Com a instalação da Usiminas em Ipatinga, então distrito pertencente a Coronel Fabriciano, na década de 1950, houve a construção de bairros inteiros destinados a servir de abrigo aos seus trabalhadores, sendo o Horto o primeiro deles. Até essa ocasião, o povoamento contava com cerca de 60 casas e 300 habitantes.

O projeto do bairro é datado de 1958, quando foi criado pela Usiminas o primeiro plano urbanístico da atual cidade, então chamada de Vila Operária, projetado pelo arquiteto Raphael Hardy Filho. O núcleo habitacional foi destinado inicialmente aos primeiros técnicos que chegavam à localidade para trabalhar na empresa e suas casas contavam com 201,95 m² de área construída, incluindo três quartos e dois banheiros.

Na época, foi criado um órgão apenas para acompanhar a construção das casas: DOAP (Departamento de Obras Auxiliares e Provisórias). Foram aproveitadas algumas casas já existentes, que pertenciam à CAF (Companhia Agrícola Florestal. A Rua U foi a primeira a ser construída. Dizem que secaram os rebocos das paredes das casas com lamparinas, devido à pressa na construção. As ruas receberam nomes de madeiras, de acordo com o Decreto Municipal Nº 528, de 22 de março de 1974. O bairro Horto tem como vizinho o bairro Bom Retiro.

Comércio e educação

Diversificado e muito eclético, o bairro Horto tem um centro comercial forte e tradicional. Aliado à praticidade de toda a rede bancária estar disponível pelo bairro, o comércio local investe em marcas de renome e produtos para os mais diversos públicos. Entre os estabelecimentos comerciais estão também algumas clínicas para exames laboratoriais e oftalmológicos, além de farmácias e acesso fácil ao trajeto que leva ao hospital.

Quanto a educação o bairro conta com a Escola Estadual Engenheiro Márcio Aguiar da Cunha com ensino fundamental regular, algumas creches particulares, uma unidade de um colégio técnico e uma unidade de uma faculdade particular.

Alimentação e vida noturna

Por ser um bairro tradicionalmente familiar mas muito comercial, as opções de alimentação são muito diversificadas. Restaurantes self-service com foco em comida mineira, em frutos do mar, em comida caseira e fitness além de lanchonetes com salgados diversos e muito produto gourmet, que está na moda. Sorveterias, açaí, cafés especiais e vinhos de diversas nacionalidades podem ser degustados nos estabelecimentos do bairro.

Duas padarias atendem a comunidade e uma tradicional churrascaria atrai o público tanto para um rodízio no almoço quanto para o happy hour depois do trabalho. Pizzarias e hamburgueria também fazem parte das opões de alimentação no bairro.

A vida noturna no bairro é pacata. Em frente ao templo católico encontra-se a Praça Engenheiro Carlos Jacinto Prates, que é um dos principais espaços públicos do bairro e por vezes se torna palco de eventos e festividades abertos à população. Há também o Clube Ypê, que recebe festas regionais e atende a sócios. Ao lado do bairro está localizado o Clube Usipa, famoso por descobrir grandes atletas da região. O Horto também se destaca pela proximidade com o shopping da cidade.

Mobilidade Urbana

A malha viária do bairro é privilegiada por estar junto da BR 381, que dá acesso aos demais bairros da cidade e à saída para a capital e cidades vizinhas, como Coronel Fabriciano. Suas vias são estreitas e grande parte de sentido único, mas bem organizadas e sinalizadas.

No bairro transitam linhas de ônibus para quase todos os pontos da cidade, além das linhas intermunicipais que atendem o município. Ponto de táxi e de moto-táxi estão à disposição de quem precisar.

Manto verde

Umas das atrações do bairro também é o manto verde que se estende por todo o “fundo” do bairro. Cercado pela mata nativa, o bairro é constantemente visitado por animais silvestres nas proximidades com a mata, mas não oferecem perigo aos moradores. A recomendação é que não toquem nos animais para evitar doenças.

O manancial de Mata Atlântica existente ao redor do bairro é protegido pelo Plano Diretor da cidade, que ressalta a preservação de áreas naturais no município.

Patrimônio cultural

No Horto há um imóvel que inicialmente foi construído para ser provisório e tornou-se a principal atração do bairro: a Igreja de Nossa Senhora da Esperança. Erguida “milagrosamente” em apenas 12 dias, os trabalhos tiveram início em 13 de dezembro de 1959, antes, portanto, da constituição canônica da paróquia, sete meses depois. Na construção foi utilizada pouca alvenaria e muita madeira, incluindo o altar-mor, a mesa da comunhão, a pia batismal e, especialmente, a imagem da padroeira, feita em peroba.

A Paróquia Nossa Senhora da Esperança “Igreja do Horto”, foi fundada no dia 15 agosto de 1960 pelo arcebispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes de Oliveira, quatro anos antes da emancipação política de Ipatinga, alçada então a município. A Igreja Católica Nossa Senhora da Esperança foi tombada pelo patrimônio público no dia 30 de dezembro de 1981 pelo decreto de lei nº 1.443. Ela foi recentemente reconstruída por necessidades estruturais, mas sem perder as características e detalhes originais que lhe rendem tantos elogios.

Ficou encantado com o bairro? Soube como foi criado e como funciona hoje? Já sabe que o bairro atende a grande parte de suas necessidades? Então aproveite para conhecer os imóveis para aluguel e venda no Horto e conte com o melhor atendimento da Moradia Imobiliária para você morar bem e com qualidade de vida. Conheça também os bairros Cariru e Iguaçu.

Aqui, você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

08 vantagens de morar perto do trabalho

Todos nós temos sonhos. Uns sonham com uma linda casa na praia com o mar como quintal, ou no campo com hortas e uma cerquinha branca. Outros sonham em morar em amplas coberturas nos grandes centros urbanos, com uma linda vista para as principais avenidas da cidade. Com família, com o amor da sua vida, com animais domésticos ou somente com a sua própria companhia, todos queremos qualidade de vida onde moramos. E que tal aumentar a qualidade de vida morando perto do trabalho?

Ganhar algumas horas no dia longe do trânsito, dos engarrafamentos e do stress do dia a dia ajuda a melhorar significativamente o seu bem-estar. E como nosso slogan diz: “Trabalhamos para o seu bem-estar”, vamos te listar 8 vantagens de se morar perto do trabalho para que você tenha uma vida mais tranquila e saudável. Vamos lá:

1 – Cuidados com o lar

A falta de tempo nos deixa um pouco desleixados com o ambiente em que vivemos. Com um tempo menor de deslocamento até o trabalho, sobra tempo para ajeitar e limpar muita coisa dentro e fora de casa como aquela prateleira cheia de bagulhos, aquele guarda-roupa entupido de roupas sem dobrar, aquele armário da cozinha que você misturou alimentos com produtos de limpeza por pura pressa e outros ambientes que ficam de lado na nossa rotina agitada. Tempo é um fator essencial para que a sua organização seja perfeita e você consiga colocar tudo no devido lugar.

2 – Cuidados com o corpo e a mente

A questão de ter tempo para cuidados se aplica a você também. Reorganizando sua agenda você poderá se dedicar a aquele curso que gostaria de estar fazendo, para aqueles exercícios que nunca consegue fazer por estar sempre com pressa, para aquele livro que começou mas não consegue parar para ler. Enfim, o cuidado com o corpo e a mente são alguns dos benefícios de se morar perto do trabalho.

3 – Diminuição de gastos com transporte

Horas no trânsito, ônibus lotado e você em pé, engarrafamentos e poluição dos automóveis diretamente sobre você farão parte do seu passado depois que se mudar para perto do trabalho. Com isso você também economiza deixando de pagar os preços abusivos dos transportes públicos e do abastecimento dos veículos privados.

4 – Aumento do relacionamento com vizinhos

Ir a pé até o trabalho pode te ajudar a saber quem são seus vizinhos e a interagir com eles. Caminhando você conhece melhor o seu bairro, o comércio e a população que mora no entorno da sua residência. Isso ajuda a ficar por dentro das novidades do bairro e da cidade, prevenindo uma série de situações e se organizando para diversas outras em comunidade.

5 – Mais disposição e bom humor

Com a proximidade entre sua casa e seu trabalho, evitando deslocamentos longos e gastos com transportes públicos cada vez piores, a tendência é você acordar mais disposto e com bom humor para encarar o que vem pela frente no seu dia de labuta. Aproveite para tomar aquele café da manhã reforçado em casa ou na padaria do bairro, onde você poderá também interagir com a comunidade e criar laços de afetividade e respeito com seus vizinhos.

6 – Equilibrando a alimentação

Sobrando tempo você poderá pensar e escolher melhor sua alimentação. Aliado a exercícios físicos, a boa alimentação ajuda a melhorar o seu ânimo, a sua disposição e sua qualidade de vida. Com essa adição de tempo extra, você pode preparar seu próprio alimento, evitando os industrializados e cheios de conservantes, optando por uma alimentação mais saudável e que irá te ajudar a viver melhor.

7 – Praticar exercícios

A desculpa oficial de falta de tempo para se exercitar deixará de existir com a mudança para perto do local de trabalho. Já na ida dá para se praticar exercícios adotando a bicicleta como veículo oficial. Uma academia no caminho do trabalho também pode ser benéfica. Caso não haja uma, há praças com aparelhos destinados a prática de exercícios que é só chegar e utilizar. Caminhar até o trabalho também é uma opção muito saudável.

8 – Dormir mais e melhor

Mais uma hora de sono pode sim fazer a diferença na sua saúde. Um dia mais puxado no seu trabalho pode ser compensado com algumas horas a mais de sono, restaurando seu corpo para o dia seguinte. Morando perto do trabalho você pode se dar ao luxo de acordar mais tarde porque não precisa se deslocar muito para ir trabalhar.

 

Tendo em mãos todas essas vantagens de se morar perto do trabalho, que tal procurar um profissional para ajudar a realizar este sonho? O Corretor de imóveis deve ser capaz de mapear o perímetro do seu local de trabalho e descobrir quais são os melhores imóveis para você escolher e se mudar o quanto antes. Em Ipatinga você pode contar com os profissionais da Moradia Imobiliária.

Se você deseja investir na compra de um imóvel, aproveite para ler essas 13 dicas super importantes que preparamos para você antes fechar negócio. Clique aqui e saiba mais!

 

Nenhum Comentário

05 Dicas práticas de decoração para organizar um imóvel alugado

Quando falamos em decoração de imóveis alugados (seja uma quitinete, apartamento ou casa), entramos em um assunto delicado, pois, trata-se de um investimento em um bem que pertence a outra pessoa e que, realizando mudanças no imóvel, no futuro poderá lhe trazer dor de cabeça.

Mas como para quase tudo há-se um jeito, separamos para você 06 dicas práticas de decoração que, além de mudar o visual do seu lar, vai te ajudar a manter o imóvel organizado e prático. Vamos lá?

 

DICA 01: Araras

A arara (que, diga-se de passagem, não lembra em nada o animal) é um acessório que, além de dar estilo ao imóvel, permite que você mantenha suas roupas organizadas e com fácil acesso, deixando à mostra suas combinações possíveis de vestuário e facilitando sua decisão na hora de escolher que roupa vai usar na ocasião, seja para o trabalho ou para aquela balada.

Você pode comprar uma arara em uma das tantas lojas de móveis e decoração que existem por aí, mas, com um pouco de criatividade e tempo, você mesmo poderá criar uma arara personalizada de acordo com o seu estilo. No YouTube, você encontra diversos tutoriais ensinando como criar sua própria arara de roupas.

 

DICA 02: Caixotes decorados

Seja como suporte para uma mesa, um porta livros, uma casinha para animais de estimação, bancos, entre várias outras formas de uso, os caixotes trazem muita praticidade ao seu lar.

Relativamente fáceis de encontrar e com preços acessíveis, seu imóvel ganhará outra cara com esses acessórios.

Você pode usá-los em seu formato normal, com as cores da madeira em destaque, dando um toque de rusticidade ao ambiente, ou pintando-os com cores que harmonizem com o interior de seu lar.

 

DICA 03: Tapetes e Carpetes

Quando se trata de decoração de imóveis alugados, o uso de tapetes e carpetes é uma ótima saída para mudar o visual sem ter que modificar sua estrutura.

Além de seu efeito estético, os tapetes e carpetes também proporcionam comodidade e praticidade aos moradores de um imóvel, pois ajudam na manutenção de um ambiente limpo, na climatização do ambiente e oferecem isolamento acústico, como por exemplo, a redução do “toc toc” de uma pessoa com salto andando pela casa.

Com mais de 2.500 anos de existência e com modelos que vão desde os persas até os de corda, você vai encontrar uma infinidade de tapetes e carpetes diferentes, com design e preços diferentes.

 

DICA 04: Pallets

Seguindo quase a mesma ideia dos caixotes, pallets são ótimas alternativas para mesas, suportes para camas, sofás e painéis por exemplo.

A dica é procurar por pallets que estejam com bom estado de conservação, evitando aqueles em que a madeira apresente pedaços quebrados ou áreas apodrecidas. Com pallets prontos para uso, basta soltar a imaginação e personaliza-lo de acordo com seu gosto, deixando seu imóvel ainda mais bonito.

Você poderá encontrar pallets em casas de produtos rurais, lojas de materiais de construção, pequenas e médias indústrias, feiras, armazéns e claro, em empreses de compra e venda de pallets.

Uma dica: No site do Pinterest, você encontrará vários móveis construídos a partir de pallets para servir como inspiração.

DICA 05: Hortas e Jardins verticais

Tendência do momento no mercado imobiliário, as hortas e jardins verticais vieram para ficar.

Além de decorar e dar vida ao seu imóvel, essa tendência traz muitos outros benefícios, como, a sustentabilidade ao cultivar alguns alimentos e, acredite se quiser, diminuir a temperatura do seu imóvel. Segundo especialistas, áreas verdes no imóvel podem ajudar a reduzir em até 7% a temperatura ambiente.

Cada vez mais, escritórios de arquitetura, floriculturas e áreas afins, tem procurado especializar-se na instalação de jardins verticais, basta uma pesquisa na internet para encontrar alguém já especializado. Mas, caso queira criar você mesmo seu jardim vertical, no YouTube, há centenas de tutoriais explicando todo o passo a passo.

Com paciência, tempo e uma boa dose de criatividade é possível encontrar excelentes alternativas para decorar seu imóvel alugado de forma que além de dar um UP no visual do imóvel, auxilie na manutenção da organização do ambiente, e de quebre elimina sua preocupação com possíveis problemas com o proprietário do imóvel.

Se você gostou desse artigo e/ou tem algo a acrescentar, deixe seu comentário logo abaixo. Você também pode compartilhar o artigo em suas redes sociais e deixar seus amigos ligados em nossas novidades.

Nenhum Comentário

12 passos para alugar um imóvel

 

12 PASSOS PARA ALUGAR UM IMÓVEL

Chegou a hora de sair de casa, do apartamento, da quitinete ou de onde mora por qualquer motivo e precisa alugar uma nova morada em Ipatinga e região? Não se assuste nem se desespere pois é mais simples do que dizem por aí. Mas também é um trabalho que exige atenção e comprometimento, afinal, o imóvel escolhido será sua futura moradia e de sua família, ou até mesmo de seu negócio.

Antes de fazer as malas e providenciar a mudança, o futuro inquilino tem que pensar em várias ações a serem tomadas antes de entrar no imóvel alugado. E para que tudo corra bem, separamos para você os passos a serem seguidos para que não haja dor de cabeça nem antes, nem durante e nem depois de alugar a sua futura casa ou apartamento.

1 – SAIBA ONDE QUER MORAR. 

Muitas opções confundem grande parte das pessoas e tiram o foco. Liste alguns bairros onde gostaria de morar ou ter o seu negócio e foque na procura por essa região. Mas lembre-se de ser também mais prático. Não adianta escolher os bairros mais chiques ou mais badalados da cidade se suas condições, estilo de vida, hábitos e onde trabalha não condizem com essa realidade. Busque escolher uma região que facilite a sua vida e que te traga conforto e tranquilidade.

2 – QUANTO VOCÊ PODE PAGAR DE ALUGUEL?

Outra análise que o futuro inquilino não pode deixar de fazer é a financeira. Pergunte-se se o custo do imóvel cabe no seu orçamento ou no de sua família. E lembre-se que além do valor do aluguel deve-se levar em consideração o valor do condomínio e outras taxas inclusas nos contratos de locação.

Para fazer a conta de quanto será a sua despesa com aluguel, considere que o valor do aluguel é o equivalente a 20% do seu salário mensal. Depois, aplique reajustes de 10% sobre este valor até chegar no final do seu contrato. Esse valor final deve ser a média de preço que você poderá gastar com o aluguel. Viu como é fácil?

3 – TECNOLOGIA, UMA ALIADA PODEROSA.

Agora que você já sabe a região que quer morar e o quanto pode gastar com aluguel, chegou a hora da busca pelo seu futuro lar. Muitas são as opções como falar com amigos, bater perna procurando pelas ruas dos bairros escolhidos ou buscar uma consultoria de uma imobiliária, como a Moradia, por exemplo.

Além dessas opções, a Moradia também te oferece na internet o site moradiaimobiliaria.com.br onde você pode ver fotos, mapas e detalhes dos apartamentos ou das casas, e também consegue comparar as opções, limitando preço, tamanho, número de quartos, suítes, vagas de garagem entre outros.

4 – ANTES DE ALUGAR, VISITE!

Antes de se decidir por um imóvel faça algumas visitas em horários e dias diferentes, para saber quais são os horários de sol no apartamento e quais ambientes recebem a luz solar, se o imóvel é bem ventilado ou retém frio, se a rua é movimentada ou barulhenta ou qualquer outra característica que pode se tornar um empecilho importante para que você não alugue.

E não se esqueça de perguntar tanto na imobiliária quanto no local a ser alugado quais são as regras dos condomínios ou de boa convivência a serem seguidas; pergunte em relação a animais domésticos caso tenha algum ou deseje ter; saiba como são administradas as vagas da garagem e como são as regras para as áreas de uso comum. Este será o seu lar por um tempo, não deixe de pensar em praticamente tudo que gostaria de fazer ali e tire todas as suas dúvidas antes de fechar o negócio.

5 – CONHEÇA SOBRE CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E CONTRATOS.

Depois de escolher o imóvel que deseja morar, saiba quais são as condições para alugar. Na Moradia temos as seguintes opções: os locatários optam por fiador (quando um terceiro, proprietário de imóvel, garante o pagamento do aluguel caso o inquilino não faça), seguro fiança (quando uma instituição financeira faz o papel do fiador) ou Título de Capitalização (é um título de crédito que tem como objetivo a formação de uma aplicação, que também serve como garantia de fiança. É vendido por uma seguradora, cujo valor aplicado fica retido por um prazo determinado na conta da companhia de seguros).

No contrato de locação deve constar também o prazo mínimo do aluguel, mas é possível negociar períodos mais baixos. Outros itens que devem estar claramente descritos no contrato são os índices de reajuste que serão usados, o valor do aluguel, os encargos que serão pagos pelo locador e os que o locatário deve pagar. A lei que cuida dos aluguéis é a Lei 8245 de 18 de outubro de 1991.

6 – PRINCIPAIS DEVERES DO LOCADOR E INQUILINO.

Para você que vai se mudar e se tornar um novo inquilino, saiba o que é de sua responsabilidade e o que compete ao proprietário do imóvel. Além de entregar sua futura casa ou apartamento em condições de uso, ou seja, com vasos sanitários em bom estado, sem vazamentos, infiltrações, mofo ou outra condição que coloque a vida dos habitantes do imóvel em risco, o locador deve custear as cotas extras do condomínio, como reformas estruturais e fundo de reserva.

Outras taxas como o IPTU, taxas gerais e taxa de incêndio podem ser pagas pelo locador ou pelo inquilino, dependendo do contrato firmado entre as partes.

Já o inquilino tem como obrigação entregar o apartamento na mesma condição recebida na hora de sair, pagar o condomínio e não modificar o imóvel sem o consentimento prévio e por escrito do proprietário, intermediado pela imobiliária. E fique atento pois, segundo a lei do inquilinato, o não pagamento do aluguel no prazo definido entre o proprietário e o locatário pode levar ao despejo, mas atrasos podem ser negociados entre as partes.

 7 – DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA.

Com sua casa nova ou apartamento escolhido, chegou a hora de verificar e providenciar a documentação necessária do locador e também do fiador para dar prosseguimento ao processo de locação. Na Moradia é exigido um cadastro preenchido com todos os dados que pode ser retirado em nosso escritório. Para o cadastro exige-se a devida documentação:

Locatário
Cópia do RG e CPF
Comprovante de renda superior a 3,5x o valor do aluguel (3 últimos meses)
Solteiro – Cópia da Certidão de Nascimento atualizada (máximo 90 dias)
Casado – Cópia da Certidão de Casamento atualizada (máximo de 90 dias)
Cópia RG e CPF do cônjuge

Fiador
Cópia do RG e CPF
Comprovante de renda superior a 3,5x o valor do aluguel (3 últimos meses)
Solteiro – Cópia da Certidão de Nascimento atualizada (máximo 90 dias)
Casado – Cópia da Certidão de Casamento atualizada (máximo de 90 dias)
Cópia RG e CPF do cônjuge
Cópia do comprovante de endereço (mês atual ou anterior)
Certidão de inteiro teor do imóvel (escritura atualizada no máximo 30 dias)
(imóvel totalmente quitado e que seja na região do Vale do Aço)

8 – APROVAÇÃO DE CADASTRO.
A Moradia faz a análise de seu cadastro em um prazo máximo de 24 horas, desde que a documentação esteja toda completa e de acordo com as leis que as regulamentam.

9 – CONFECÇÃO DE CONTRATO DE LOCAÇÃO E LAUDO DE VISTORIA.
Após aprovação do seu cadastro pedimos um prazo de 48 horas para confeccionar o contrato de locação. Este documento pode ser retirado com nossa atendente para que você providencie as devidas assinaturas, bem como as assinaturas no laudo de vistoria inicial e no “Informativo”, documento este que detalha a melhor forma de utilização do imóvel e te orienta quanto aos prazos e formas de contestação, caso seja necessário.

10 – ENTREGA DAS CHAVES. 
Após a entrega e conferência das assinaturas em todos os documentos mencionados anteriormente, chegou a hora de levar as chaves do imóvel e providenciar a mudança.

11 – FIQUE ATENTO ÀS REGRAS PARA A MUDANÇA.

Contrato assinado, hora de planejar sua mudança! Faça você uma vistoria final para garantir que tudo o que foi combinado no contrato está de acordo e se a vistoria realizada pelo profissional indicado pela imobiliária está correta e devidamente assinada por ambas as partes, evitando também dores de cabeça na hora de sair do imóvel ao final do contato.

Quando estiver tudo ok, peça informações ao síndico ou administrador do condomínio para saber quais são os horários permitidos para carga e descarga, entrada de móveis e recebimento de entregas. Caso você observe a necessidade de realizar alguma obra no imóvel, converse primeiro com a imobiliária para saber quem pode pagar pela obra ou se pode haver uma redução no valor do aluguel.

E outro passo importante é não se esquecer de fazer a transferência de contas como luz e água do nome do proprietário para o seu nome, assim que mudar.

12 – FIM DE CONTRATO E TUDO CERTO.

Quando for deixar o imóvel que está alugando ou o que mora atualmente, não se esqueça de avisar com 30 dias de antecedência ao proprietário, por escrito e com protocolo na imobiliária que intermediou o contrato. Se estiver saindo antes de terminar o contrato, verifique se há clausulas de multa contratual.

 

Pronto! Agora você já pode ter um novo lar sem preocupações e sem dor de cabeça. A Moradia trabalha para o seu bem-estar!

 

Nenhum Comentário

Transportando a mudança sem dor de cabeça

Chegou a hora de deixar seu espaço, seu cantinho, algumas lembranças e umas experiências de vida para encarar o desconhecido que é um novo lar? Uma casa nova e uma nova vida, mas com seus pertences, porque não tá fácil comprar tudo novo né! Para essa nova fase de sua vida e para encarar essa empreitada que é uma mudança, preparamos algumas dicas que serão muito úteis nesse processo.
Para se ter uma boa mudança, busque no mercado empresas idôneas e profissionais com indicação.

Escolhendo a empresa certa

Idoneidade. Essa é a primeira verificação que se tem que fazer ao buscar uma empresa, seja ela de qualquer ramo, para prestar serviços sob sua autorização. Após pesquisar com amigos e conhecidos indicações de empresas que prestaram bons serviços e ofereceram bons preços, confira no PROCON se há reclamações sobre a escolhida por você. Se houver algum registro, procure outro fornecedor.

Faça mais de um orçamento

Muita gente não sabe, mas toda empresa de mudanças é obrigada a fornecer um orçamento, conforme diz o Código de Defesa do Consumidor (Art. 40). É com ele que você poderá pesquisar as melhores ofertas e optar pelo que for melhor para sua mudança.
Pesquise preços e referências de mais de uma empresa. Isso evitará muitos transtornos durante a sua mudança.
E fique atento, pois algumas empresas cobram uma taxa pelo orçamento. Pergunte sobre valores antes de contratar este tipo de serviço e faça pelo menos três orçamentos em diferentes locais. Geralmente o valor a ser cobrado é definido após visita de vistoria do profissional. Ele avalia a quantidade e o modo como serão transportado os objetos e móveis e quanto essa logística vai custar, incluindo a mão de obra dos carregadores.

Tudo em segurança

Para se ter um controle do que será transportado faça uma lista de móveis e objetos. Verifique o estado dos móveis e se já existe alguma avaria, guardando com você essa lista. Peça para um responsável pela empresa assinar e fique com uma cópia. Este documento chama-se rol de inventário.

Se proteja, peça os documentos

Ao contratar um serviço de mudanças, assim como qualquer outro, você está totalmente protegido pelo Código de Defesa do Consumidor e, para reclamar seus direitos, é necessário ter em mãos os documentos como o contrato e a nota fiscal. Fique sabendo que a lei obriga a empresa de transporte de mudanças a ser responsável por todos e quaisquer danos no serviço realizado. O não cumprimento do que foi contratado é de responsabilidade da empresa.

Empacotando

Muitas empresas tem a opção de empacotamento de móveis e objetos sob exigência de seguradoras. Você pode arcar com essa despesa e ficar tranquila em relação ao que está sendo transportado ou pode você mesmo embalar tudo, mas sem nenhuma garantia. Caso opte por contratar o serviço, todo o material deve ser fornecido pela empresa, fique atento.
E você sabe como é calculado o orçamento? É pelo espaço estimado que são definidos o tamanho do caminhão e o valor do transporte. O preço da cubagem (metro cúbico) leva em conta a quantidade de objetos, a distância da casa velha à casa nova e o grau de dificuldade. Desempacotar também pode fazer parte do serviço prestado e deve ser cobrado no orçamento inicial.

10 IMPORTANTES DICAS

1) Exija um contrato por escrito discriminando: nome, endereço e CNPJ (se for pessoa física, RG e CPF) da empresa, dados pessoais do contratante, local, data e horário de retirada e de entrega, valor do serviço, condições de pagamento e tudo o que for acertado verbalmente. Não deixe de ler com atenção este documento e de riscar os espaços em branco.
2) Informe-se quanto às regras de mudança do imóvel atual e do novo. Alguns locais têm horários delimitados para realização do serviço, e isso afeta no preço.
3) Avise o síndico e/ou o zelador sobre sua mudança, e confira se não há outra pessoa realizando transporte no mesmo dia e horário, para evitar congestionamentos em elevador e outros transtornos do gênero.
4) No dia da mudança, reserve vaga para o caminhão na frente do imóvel – ou o mais perto possível; quanto mais longe, mais demorado e mais carregadores serão necessários, encarecendo o transporte.
5) Procure vincular o pagamento ao término do serviço. Se não for possível, veja a possibilidade de disponibilizar apenas um sinal na contratação, quitando o restante após a mudança.
6) Certifique-se de que o dia marcado para a mudança não coincida com feiras livres nas ruas que envolvam o local de saída ou de chegada da mesma.
7) Esvazie o botijão de gás, pois é proibido transportá-lo cheio, por causa do risco de explosão; se o gás for central, no caso de condomínios, faça o desligamento com 24 horas de antecedência.
8) Descongele o freezer também 24 horas antes do transporte. Seque-o bem antes de carregar no caminhão, para evitar odores.
9) Na impossibilidade de estar presente quando da chegada da mudança no novo endereço, peça a uma pessoa de sua confiança que faça a conferência e relacione por escrito eventuais danos ou extravios de objetos. Exija a assinatura do funcionário da empresa neste documento e guarde uma via com você.
10) Guarde cópia de toda a documentação; exija recibos de todos os pagamentos efetuados e solicite, por escrito, a previsão de entrega da mudança nos casos de transportes intermunicipais e interestaduais e carregue consigo os objetos pessoais tais como joias, dinheiro, cheques e documentos.
Mudança de moradia não é sinônimo de dor de cabeça.
Seguindo essa dicas você terá uma mudança tranquila e sem problemas. E se precisa de uma dica para conseguir uma casa nova para se mudar, que tal dar uma olhada no nosso site e conferir o que temos para você no www.moradiaimobiliaria.com.br.
Nenhum Comentário

Pisos, escolha corretamente.

Muitas cores, texturas, formatos e tamanhos confundem a gente na hora de escolher o piso para nossa casa ou apartamento. Outra confusão comum é identificar se o piso é cerâmica ou porcelanato. Para cada tipo há uma forma específica de instalação.

Super importante, além de um ótimo material, é escolher também a mão de obra com melhor referência de qualidade. Uma má instalação de piso pode colocar todo o serviço a perder, e refazer serviços e gastar mais com certeza não está nos seus planos.

Vamos conferir algumas dicas para que seu piso seja da melhor qualidade em todos os aspectos.

Escolhendo o material

Observe bem o tamanho do seu ambiente e os tamanhos de suas placas. Para evitar que o pedreiro faça muitos recortes, evite peças grandes caso o espaço a ser instalado seja pequeno. Se a área é molhada como o banheiro, cozinha ou área de serviço, a dica são os pisos antiderrapantes. Os pisos lisos são mais indicados para área secas.

A escolha do piso certo faz toda a diferença ao fim da obra ou reforma.

 Se optar por porcelanato

Amplamente utilizado e mais valorizado no mercado hoje, o porcelanato exige mais atenção ao comprar. Peça para ver a embalagem do produto e confira na etiqueta se a qualidade é A (extra), que atende a todas as normas técnicas de qualidade. Verifique também se o produto segue a NBR 15463 ou a NBR 13818, que são as normas de qualidade. Se não puder ver a embalagem na loja, peça para o vendedor confirmar, pois a qualidade A indica que os pisos de porcelanato têm tamanhos regulares e que não há defeitos na superfície.
Há no mercado a famosa linha comercial, ou linha C, que contêm algum defeito e por este motivo as peças são mais baratas. Pense bem se o preço vale o trabalho da mão da obra, pois este material tem mais perda e irregularidades na hora de instalar.
E você gosta daquele rejunte bem fininho? A indicação é utilizar pisos retificados, que o corte é bem certinho na peça. Há lindas peças de porcelanato que não são retificados e tem bordas irregulares, fique atento para não deixar de ter seu rejunte bem fino.

Se optar por cerâmica

A linha mais indicada é a tipo A, ou de primeira linha. Cerca de 95% das peças não apresentam defeitos visíveis. Para estas, provavelmente haverá também uma indicação de qualidade na embalagem conforme a NBR 13.818/97. A segunda linha, ou tipos B e C, tem defeitos visíveis mas os fabricantes garantem que as peças são tão resistentes quanto as do tipo A.
Fique atento pois existe até o tipo D de cerâmica. Este último tipo, além de possuir defeitos visíveis, as peças não tem garantia de resistência do fabricante. Confira sempre a embalagem do produto que está adquirindo. E lembre: azulejo de parede não pode ser usado como piso.

Escolhendo a mão de obra

Fique atento também aos equipamentos de segurança de seu prestador de serviços.

Peça referências e confira outros trabalhos realizados pelo pedreiro. Se a sua opção for porcelanato e você quer seu rejunte fininho, confira se ele já fez este serviço e o resultado. Confira se o prestador de serviço entendeu o desenho que você quer que se forme em seu piso para não ter surpresas desagradáveis depois. Diagonal, reto e alinhado, com ou sem detalhes entre as placas, tudo isso é importante que ele saiba exatamente como fazer. Lembrando que as últimas peças geralmente têm recortes, escolha o canto em que o pedreiro deve começar a instalação. Lembre-se de explicar como quer que seja aplicado o rejunte.

Preparando a base

Independente do piso escolhido, a base deve ser muito firme, ou seu piso irá se soltar ou trincar e seu gasto será maior. Chamado de contrapiso, esta base não fica visível pois fica sob as placas de piso. Se ela for mal feita provavelmente você só vai descobrir depois, quando seu “profissional” já estiver longe. Evite este problema e fique de olho se o contrapiso está regular, firme, seco e sem poeira antes do pedreiro passar a argamassa que vai colar as placas de piso.

Colando o piso

Saiba que para cada tipo de piso usa-se uma argamassa diferente. Procure na embalagem do piso a indicação da argamassa a ser utilizada ou veja também nos pacotes de argamassa para que pisos elas se destinam. O erro nessa escolha pode trazer muito prejuízos.
A recomendação é que a argamassa tradicional deve secar por aproximadamente 2 ou 3 dias antes de o rejunte ser colocado. Se não respeitar esse tempo, a água da massa pode se acumular por baixo do rejunte, soltando-o e fazendo você gastar mais dinheiro. Caso a argamassa seja do tipo “seca rápido”, este tempo pode ser menor, mas deve ser respeitado o tempo indicado na embalagem do produto. Caso queira instalar piso sobre piso, confira se a base está firme e nivelada. Fique atento para que a altura do novo piso não atrapalhe a abertura de portas.

Rejunte fino

Espaçadores devem ser colocados para um melhor resultado na aplicação do rejunte.
O espaço entre as placas também é muito importante. É nele que irá o rejunte. Mesmo se achar mais bonito o rejunte fininho, verifique na embalagem o espaçamento que é permitido para que ele não trinque, quebre ou solte. Peça ou providencie para seu pedreiro os espaçadores adequados, para acertar na largura dos rejuntes.

Áreas molhadas

 Uma parte muito importante da instalação de pisos é a impermeabilização do contrapiso e da parte mais baixa da parede para evitar infiltrações. O impermeabilizante deve ser aplicado sobre o contrapiso e antes do pedreiro colar as placas com argamassa.
Caso queira colocar o piso em áreas molhadas como cozinha, banheiro ou área de serviço lembre-se que será preciso instalar ralos e fazer uma leve inclinação no piso para que a água corra para eles. Verifique isso com seu pedreiro para não ter dor de cabeça depois.

Uma boa construção ou reforma? Tudo isso é #maisquebemvindo
E se você quiser conferir em nosso site os imóveis disponíveis com piso em porcelanato e cerâmica para compra e aluguel, acesse www.moradiaimobiliaria.com.br