fbpx
Nenhum Comentário

Você tem um vizinho inadimplente? Saiba quem paga essa conta

Uma das situações mais desagradáveis para quem mora em um apartamento e participa da redistribuição dos custos do condomínio é quando um de seus vizinhos se torna inadimplente. Principalmente se você é uma pessoa que preza por manter suas contas em dia. Mas, se você mora em um residencial ou condomínio, saiba que está sujeito a conviver com esse problema.

Basta que apenas um morador se torne inadimplente, para que a “bomba da dívida” estoure no seu colo e de todos os demais condôminos vizinhos. Afinal, não é porque alguém deixou de arcar com suas obrigações que as contas do condomínio vão deixar de vir, não é?

Se você passou por uma situação parecida (ou está passando no momento), continue conosco neste artigo e saiba quais são as consequências e como você deve proceder em casos assim.

Se você ainda não passou … Bem, conhecimento nunca é demais e não se sabe quando vamos precisar  dele …

– O QUE VOCÊ VAI APRENDER COM ESTE ARTIGO –

 

  • O que acontece quando meu vizinho se torna inadimplente?
  • O que eu devo fazer em casos assim?
  • Como evitar que essa situação ocorra comigo?

 

O que acontece quando meu vizinho se torna inadimplente?

<a href="http://www.freepik.com">Designed by luis_molinero / Freepik</a>

O problema é complexo, mas a resposta é simples: Infelizmente você e seus demais vizinhos terão que cobrir o rombo causado pelo devedor (pelo menos até que ele ou a justiça quite os valores em débito). Afinal, o condomínio precisa honrar seus custos e para isso conta exclusivamente com os valores pagos pelos moradores.

Quando um condômino se torna inadimplente, o valor das cotas condominiais daquele imóvel são redistribuídas para todos os outros moradores, tornando mais caras as cotas dos próximos meses (pelo menos até que a dívida seja regularizada).

Outra possibilidade é usar o fundo de reservas (caso o condomínio possua e seu uso para essa finalidade esteja dentro de seu regimento). Porém, essa não é uma atitude recomendável. Afinal, o fundo de reserva é criado para ser acionado em casos de emergências, como reformas urgentes na estrutura do edifício ou danos inesperados a alguns de seus componentes, como rede elétrica, elevador, etc. Usá-lo para cobrir inadimplência dos moradores pode colocar o condomínio em sérios problemas caso ocorra um imprevisto no mesmo período.

 

O que eu devo fazer em um caso assim?

Ao ver-se envolvido em um caso de inadimplência de um vizinho, a saída é procurar pelo administrador do seu prédio (seja um síndico ou empresa terceirizada) e entender qual é a real situação do problema e se há algum prazo para que seja resolvido.

Agora, se for você o síndico do seu prédio, há algumas medidas que devem ser tomadas para encontrar uma solução e “descascar esse abacaxi”.

A primeira delas é fazer contato com o condômino devedor e procurar entender os motivos que o levaram ao não pagamento de sua cota.

Como sabemos, educação financeira não é algo comum ao brasileiro, e em momentos de crise, pode implicar em graves problemas financeiros. Se o morador reconhece a dívida e você consegue ajuda-lo a encontrar meios de quitá-la, as chances de solucionar o problema são maiores.

Porém, quando o condômino não reconhece as dívidas, ou reconhece, mas se recusa de toda a forma a pagá-la, aí o problema fica feio.

Nesses casos não há outra saída a não ser partir para uma cobrança judicial.

Para isso, é preciso, primeiramente, verificar na convenção e regimento do condomínio quais são os prazos e regras estipulados para que a cobrança judicial possa ser feita. Caso não haja nenhuma menção sobre as regras e prazos no regimento, deve ser convocada uma reunião condominial com os moradores e estipular as condições referentes ao assunto.

Ao ser acionado judicialmente, o condômino devedor será intimido por um juiz para uma audiência de conciliação. Não chegando a um consenso, o processo segue até que o juiz condene, ou não, o morador a pagar suas dívidas (acrescidas dos devidos juros e multas), sob pena de ter parte de suas contas ou até seus bens penhorados para que o débito seja quitado.

Vale lembrar que esse processo de cobrança judicial costumava ser lento no Brasil, por vezes se arrastando por anos e anos até ser resolvido. O que gerava uma dor de cabeça enorme para todos os envolvidos. Porém, recentemente foram criadas 02 leis que vieram para acelerar o processo e endurecer as medidas contra os devedores.

A primeira é referente ao atual Código Civil e permite aplicar juros de mercado ao inadimplente (parágrafo primeiro do Art. 1.336) e ainda aplicar multas especiais até 5 (cinco) taxas de condomínios ao condômino que atrasa de forma reiterada e recorrente.

Já a segunda lei que trouxe alívio aos condomínios é a da Justiça Arbitral, que reduz a cobrança do inadimplente para o máximo de 90 (noventa) dias ao contrário da Justiça Estatal que em média todo o processo de cobrança condominial gira em torno de 8 (oito) anos.

 

Como evitar que essa situação ocorra comigo?

Se envolver em uma situação dessas é algo preocupante, pois além de todo o desgaste que envolve, é um fator que pode colocar a situação financeira de sua família em risco, devido ao surgimento inesperado de um novo custo.

Portanto, para evitar que isso ocorra em seu condomínio, o ideal é que você e os demais condôminos façam reuniões regulares e acordem termos que visem evitar que possíveis inadimplências ocorram, e também discutam sobre a criação de fontes de receitas para cobrir tais déficits decorrentes de atrasos (caso ocorram) sem precisar acrescentar o valor às mensalidades, como, por exemplo, um fundo emergencial de dívidas.

Bom, é isso o que tínhamos para falar a vocês sobre as questões que envolvem a inadimplência de um vizinho. Caso tenha alguma outra dúvida sobre o assunto, você pode deixar um comentário neste artigo para que possamos respondê-la(o).

.

Ah! E não se esqueça de compartilhar esse material com um amigo ou familiar e também nas suas redes sociais. Vai que você conhece alguém que está passando por essa situação e precisa de uma luz.

 

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

Nenhum Comentário

Despesas extras. Responsabilidade do locador ou locatário?

Você busca um novo lar, escolhe com carinho e dedicação, resolve tudo que precisa sobre documentos e taxas a serem pagas, se muda feliz da vida, paga o aluguel direitinho e, de repente: uma taxa que a gente não contava surge, ou uma manutenção inesperada. Quem deve arcar com essas despesas, você ou o proprietário do imóvel?

Sabemos que problemas entre inquilino e proprietário de imóvel alugado acontecem, mas conhecendo bem as suas obrigações como locador, muita dor de cabeça pode ser evitada. Aliás, grande parte das discussões envolve responsabilidade sobre reparos no imóvel, sobre as contas a serem pagas e sobre reajuste no valor da locação e de impostos.

Mesmo que sejam frequentes os problemas a serem enfrentados, a locação de imóvel ainda sim é um ótimo negócio para ambas as partes: o locador obtém uma renda extra e seu imóvel não fica desocupado; já para o inquilino existe a flexibilidade para escolher o local de moradia sem precisar de investimentos altos, comparado ao custo da compra de um imóvel.

Grande parte dos problemas seriam facilmente solucionados se o inquilino cuidasse do imóvel como se fosse dele e se soubesse os direitos e deveres que lhe cabem mediante contrato.

Manutenção. Responsabilidade de quem?

Consta no contrato de locação que, ao pagar o aluguel, o locatário tem direito a utilizar o imóvel para sua moradia ou comércio e deve zelar pela sua conservação. A Gerente de Locação da Moradia Imobiliária, Luciene Araújo, explica o que quer dizer zelar pela conservação segundo a lei.

“Sempre frisamos aqui na Moradia que o inquilino deve manter o terreno e o imóvel que locou em boas condições de uso, assim como ele os recebeu. Pequenas atitudes no dia a dia ajudam a manter o imóvel conservado para que não precise de grandes reformas ao fim do contrato. Cortar a grama e podar árvores quando houver, retirar todo o lixo do imóvel, cuidar dos equipamentos elétricos e hidráulicos, refazer a pintura caso haja dano, são cuidados básicos que muitos esquecem ou não sabem que são de sua responsabilidade”, disse.

Entupimentos, vazamentos, curtos e outros danos causados pelo inquilino devem ser pagos por ele. Caso as instalações já apresentem problemas antes da locação, deve-se registrar a ocorrência junto à imobiliária e a troca deve ser providenciada pelo proprietário do imóvel.

Aliás, caso a despesa seja de fato do dono do imóvel o locador pode entrar em um acordo com o proprietário pagando o serviço que precisará ser feito e, depois, descontando esse mesmo valor do aluguel. Mas caso isso seja acordado, é sempre indicado deixar registrado o porquê de o aluguel estar mais baixo, usando os comprovantes de pagamento do serviço como garantia.

Condomínio, quem paga o quê?

São de responsabilidade do inquilino todas as despesas de manutenção como limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum. Consumo de água, luz, esgoto, manutenção e conservação dos jardins, elevadores, bombas hidráulicas, interfones, portões, segurança, equipamentos de lazer, piscina e sala de ginástica também sobram para o bolso do morador.

Despesas extraordinárias de condomínio, como obras de reformas de melhorias ou que interessem à estrutura integral do imóvel, vão parar na conta do proprietário, assim como obras de manutenção destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício, pintura da fachada e esquadrias externas, compra e instalação de equipamentos em geral e decoração e paisagismo nas áreas comuns.

E o Seguro Contra Incêndio?

O seguro garantirá uma indenização, na hipótese da ocorrência de incêndio do imóvel locado. A Lei do Inquilinato admite que a cobrança do seguro possa ser repassada do locador para o locatário, mediante a estipulação de uma cláusula no contrato de locação.

A contratação do seguro serve para auxiliar o inquilino na sua obrigação legal e contratual de garantir a integridade do imóvel em casos de incêndio. O locatário é ocupante do imóvel e poderá ser considerado culpado, em determinadas situações específicas, pelo fato que ocasionou a destruição ou deterioração do imóvel locado, devendo arcar com o ressarcimento, ao locador, do valor equivalente ao patrimônio imobiliário destruído ou deteriorado.

Se tiver mais alguma dúvida fale conosco que iremos lhe ajudar.

Moradia, trabalhando para o seu bem-estar!

                      Aqui você é #maisquebemvindo

Nenhum Comentário

Devo reformar para vender?

Você possui um lindo imóvel no qual passou ótimos momentos em família e com seus melhores amigos, local por onde sua história de vida passou pelos corredores e salas e tudo te traz lembranças, mas precisa se desfazer dele. Tantas memórias nas paredes e pisos que precisam ser tratadas de formas diferente agora que vai vender seu imóvel. Não sabe o que fazer? A Moradia Imobiliária vai te ajudar a preparar seu imóvel para venda.

 

Muita gente não acredita mas reformar o imóvel pode ajudar sim a acelerar o fechamento do negócio, uma vez que intervenções físicas podem diferenciar a casa ou apartamento das demais unidades disponíveis no mercado. Os interessados em um imóvel usado geralmente não esperam ver rachaduras, infiltrações e mofo espalhados pelas paredes. Quem vai comprar precisa gostar do que você tem quando visitar o imóvel. Se houver problemas aparentes a chance de desistência é enorme.

 

Por onde começo?

Comece se organizando e priorizando o que realmente precisa ser feito. Pense como um comprador quando estiver dentro do imóvel para analisar o que precisa ser feito. É sempre bom fazer reparos nas partes que encham os olhos, ou seja, a parte estética do imóvel. Lembre-se que paredes com cores neutras são as mais utilizadas e recomendadas porque transmitem a sensação de limpeza e asseio e, com isso, a ideia de qualidade de vida, tão buscada hoje em dia.

 

Uma fachada limpa e bem cuidada é a responsável primeira boa impressão do seu imóvel.

Quando dizem que a primeira impressão é a que fica, apesar das muitas discordâncias sobre o assunto, não o devemos minimizar. A fachada do imóvel é o primeiro contato visual do futuro morador. Quando você olha para a sua fachada você se sente confortável? Sua fachada é limpa, sem pichações e sem mato escondendo o verdadeiro potencial dela? Pense que quanto mais bonita e atraente a fachada, melhores serão as chances de venda, portanto limpe-a e deixe seu imóvel apresentável para quem quiser conhecer.

 

Sobre a fachada do condomínio

Na maioria das vezes a má aparência de um edifício, por ser antigo ou mal estruturado basta para desvalorizar as suas unidades. Mas lembre-se sempre que o contrário também é verdadeiro: uma fachada renovada e moderna por si só valoriza as economias de um prédio.

 

Para os entendidos do assunto, quando esse tipo de cuidado se estende às demais áreas de uso comum, em especial àquelas mais visíveis (portaria, escadarias, corredores de circulação), o aumento do preço de mercado de apartamentos e salas é praticamente certo. É onde o vendedor ganha por ter pensado á frente do concorrente e deixado tudo mais bonito e valioso aos olhos do comprador.

 

Itens quebrados

Entrar em um imóvel bonito, limpo e olhar pela janela e ver a rua pelas rachaduras não faz parte do sonho de ninguém. Preocupar-se com pequenos detalhes fazem a grande diferença na hora da venda. Janelas quebradas nas dobradiças ou com rachaduras quebram o encanto do imóvel “novo”, mesmo sabendo que ele é usado.

 

Todo problema estrutural deve ser dito para os futuros moradores.

Pisos com rachaduras, faltando pedaços de azulejos, peças de cerâmicas diferentes assentadas por seu amigo pedreiro nos tempos de vacas magras devem ser retirados e substituídos. Pias manchadas e com rachaduras e louças sanitárias também estão na lista de atenção especial. Maçanetas de portas com defeito também devem ser trocadas.

 

Os item hidráulicos devem ter atenção especial. Pias com torneiras com buchas “roçadas”, descargas com puxadores estragados, ralos sem tampa e encanamento exposto devem ser eliminados. O comprador deve sentir que está tudo funcionando muito bem.

 

O que não deve ser feito

Muitos entendidos do assunto afirmam que decoração, modernização e ampliação de cômodos não agregam valores ao imóvel na hora de vender como pensam os leigos. Investir nesses itens é como jogar dinheiro fora, não dando o retorno esperado na avaliação do bem. Decoração é um modo de expressão muito particular e pouco agrega quando é adicionada ao valor do imóvel. Ressalva para os casos de imóveis assinados por profissionais de renome da área, mas são casos específicos para públicos diferenciados.

Quebrar paredes não é o indicado. Procure alguém que possa te orientar para reforma do seu imóvel para venda.

 

A modernização também é um item que adicionado ao imóvel pode ser perigosa na agregação de valor, mas tem que ser utilizada de forma consciente. Uma casa muito moderna em uma região desvalorizada por motivos de segurança pode ser visada por bandidos, o que afasta os futuros compradores . Deixe a cargo do novo morador fazer as adaptações necessárias neste quesito.

 

Ampliar cômodos e alterar a planta do imóvel não devem ser opções. Ampliar garagem, construir uma área gourmet ou cozinha americana devem ser descartados quando surgirem essas ideias. Salvo quando necessário estruturalmente essas reformas devem ser evitadas. Se alterar a planta do imóvel o gasto com burocracia para mudar os documentos juntos aos órgãos competentes é enorme e não compensam na hora da venda.

 

Limite-se, então, numa pintura interna e externa, a consertar vazamentos, cerâmicas e azulejos quebrados, para tornar o imóvel mais atrativo aos olhos de quem vai comprá-lo. E lembre-se que não deve mentir sobre problemas estruturais. Os novos moradores devem saber exatamente o que estão comprando. Diga a eles os problemas que a casa toda possui.

 

Além disso evite gastar mais do que 10% do valor de avaliação do imóvel, realizada sempre por um corretor. Na Moradia Imobiliária você conta com excelentes profissionais para este tipo de serviço. Faça contato pelo 31-3829-1550 e fale com um de nossos corretores e saiba mais sobre o que valoriza e o que desvaloriza seu imóvel para venda.

Nenhum Comentário

Transportando a mudança sem dor de cabeça

Chegou a hora de deixar seu espaço, seu cantinho, algumas lembranças e umas experiências de vida para encarar o desconhecido que é um novo lar? Uma casa nova e uma nova vida, mas com seus pertences, porque não tá fácil comprar tudo novo né! Para essa nova fase de sua vida e para encarar essa empreitada que é uma mudança, preparamos algumas dicas que serão muito úteis nesse processo.
Para se ter uma boa mudança, busque no mercado empresas idôneas e profissionais com indicação.

Escolhendo a empresa certa

Idoneidade. Essa é a primeira verificação que se tem que fazer ao buscar uma empresa, seja ela de qualquer ramo, para prestar serviços sob sua autorização. Após pesquisar com amigos e conhecidos indicações de empresas que prestaram bons serviços e ofereceram bons preços, confira no PROCON se há reclamações sobre a escolhida por você. Se houver algum registro, procure outro fornecedor.

Faça mais de um orçamento

Muita gente não sabe, mas toda empresa de mudanças é obrigada a fornecer um orçamento, conforme diz o Código de Defesa do Consumidor (Art. 40). É com ele que você poderá pesquisar as melhores ofertas e optar pelo que for melhor para sua mudança.
Pesquise preços e referências de mais de uma empresa. Isso evitará muitos transtornos durante a sua mudança.
E fique atento, pois algumas empresas cobram uma taxa pelo orçamento. Pergunte sobre valores antes de contratar este tipo de serviço e faça pelo menos três orçamentos em diferentes locais. Geralmente o valor a ser cobrado é definido após visita de vistoria do profissional. Ele avalia a quantidade e o modo como serão transportado os objetos e móveis e quanto essa logística vai custar, incluindo a mão de obra dos carregadores.

Tudo em segurança

Para se ter um controle do que será transportado faça uma lista de móveis e objetos. Verifique o estado dos móveis e se já existe alguma avaria, guardando com você essa lista. Peça para um responsável pela empresa assinar e fique com uma cópia. Este documento chama-se rol de inventário.

Se proteja, peça os documentos

Ao contratar um serviço de mudanças, assim como qualquer outro, você está totalmente protegido pelo Código de Defesa do Consumidor e, para reclamar seus direitos, é necessário ter em mãos os documentos como o contrato e a nota fiscal. Fique sabendo que a lei obriga a empresa de transporte de mudanças a ser responsável por todos e quaisquer danos no serviço realizado. O não cumprimento do que foi contratado é de responsabilidade da empresa.

Empacotando

Muitas empresas tem a opção de empacotamento de móveis e objetos sob exigência de seguradoras. Você pode arcar com essa despesa e ficar tranquila em relação ao que está sendo transportado ou pode você mesmo embalar tudo, mas sem nenhuma garantia. Caso opte por contratar o serviço, todo o material deve ser fornecido pela empresa, fique atento.
E você sabe como é calculado o orçamento? É pelo espaço estimado que são definidos o tamanho do caminhão e o valor do transporte. O preço da cubagem (metro cúbico) leva em conta a quantidade de objetos, a distância da casa velha à casa nova e o grau de dificuldade. Desempacotar também pode fazer parte do serviço prestado e deve ser cobrado no orçamento inicial.

10 IMPORTANTES DICAS

1) Exija um contrato por escrito discriminando: nome, endereço e CNPJ (se for pessoa física, RG e CPF) da empresa, dados pessoais do contratante, local, data e horário de retirada e de entrega, valor do serviço, condições de pagamento e tudo o que for acertado verbalmente. Não deixe de ler com atenção este documento e de riscar os espaços em branco.
2) Informe-se quanto às regras de mudança do imóvel atual e do novo. Alguns locais têm horários delimitados para realização do serviço, e isso afeta no preço.
3) Avise o síndico e/ou o zelador sobre sua mudança, e confira se não há outra pessoa realizando transporte no mesmo dia e horário, para evitar congestionamentos em elevador e outros transtornos do gênero.
4) No dia da mudança, reserve vaga para o caminhão na frente do imóvel – ou o mais perto possível; quanto mais longe, mais demorado e mais carregadores serão necessários, encarecendo o transporte.
5) Procure vincular o pagamento ao término do serviço. Se não for possível, veja a possibilidade de disponibilizar apenas um sinal na contratação, quitando o restante após a mudança.
6) Certifique-se de que o dia marcado para a mudança não coincida com feiras livres nas ruas que envolvam o local de saída ou de chegada da mesma.
7) Esvazie o botijão de gás, pois é proibido transportá-lo cheio, por causa do risco de explosão; se o gás for central, no caso de condomínios, faça o desligamento com 24 horas de antecedência.
8) Descongele o freezer também 24 horas antes do transporte. Seque-o bem antes de carregar no caminhão, para evitar odores.
9) Na impossibilidade de estar presente quando da chegada da mudança no novo endereço, peça a uma pessoa de sua confiança que faça a conferência e relacione por escrito eventuais danos ou extravios de objetos. Exija a assinatura do funcionário da empresa neste documento e guarde uma via com você.
10) Guarde cópia de toda a documentação; exija recibos de todos os pagamentos efetuados e solicite, por escrito, a previsão de entrega da mudança nos casos de transportes intermunicipais e interestaduais e carregue consigo os objetos pessoais tais como joias, dinheiro, cheques e documentos.
Mudança de moradia não é sinônimo de dor de cabeça.
Seguindo essa dicas você terá uma mudança tranquila e sem problemas. E se precisa de uma dica para conseguir uma casa nova para se mudar, que tal dar uma olhada no nosso site e conferir o que temos para você no www.moradiaimobiliaria.com.br.
Nenhum Comentário

Cariru: tradicional, familiar e muito verde!

Ao se contar a história de Ipatinga, o bairro Cariru se destaca pelas suas particularidades históricas e pela movimentação dos japoneses na cultura local. Tradicional e familiar, o bairro conta com um centro comercial e diversos pontos de comércio em todo seu território. Para quem busca qualidade de vida é uma ótima opção para se morar e investir.

Não conhece o Cariru ainda? Nós listamos alguns motivos para conhecer e descobrir que é um ótimo lugar para se viver e ser feliz com a família.

História contada em livro

Foto de acervo do início da construção do bairro Cariru.
José Augusto de Morais em seu livro Ipatinga Cidade Jardim, volume II, de 2009, nos conta que, segundo uma lenda, Cariru era uma “grande cobra” que existia no Rio Doce e que, quando saía da água, cegava com a luz de seus olhos as pessoas que se aproximavam dela. Alguns moradores mais antigos do bairro ouviram contar também que essa cobra morou por muito tempo no Fícus da Av. Japão. Mas, na verdade, o bairro tem esse nome porque ali era encontrada uma grande quantidade de um vegetal denominado Cariru ou Caruru, denominação comum a várias plantas amarantáceas, algumas das quais muito utilizadas na culinária.

Antes de se chamar Cariru, o local era denominado “Pedra Mole” e foi ali que, em 1922, foi inaugurada a primeira edificação pública da cidade de Ipatinga: a “Estação Ferroviária de Pedra Mole”. A estação foi desativada em 1930, mas o local serviu como o primeiro cemitério da cidade e posteriormente também foi implantada uma cocheira, onde eram guardados os cavalos de raça dos diretores, brasileiros e japoneses, da Usiminas. Hoje, ainda existem algumas ruínas da Estação de Pedra Mole ocultas na beira do Rio Piracicaba, no final da Av. Itália (perto do Morro do Castelo).

Ruínas da Estação de Pedra Mole, que funcionou até 1930.
O bairro Cariru começou a ser construído no início da década de 1960. Ele fez parte do “Projeto Vila Operária”, do arquiteto Rafael Hardy. No Cariru construíram-se residências para os operários de nível técnico e japoneses. Estes, após a frustração da expectativa de criar um bairro só para os japoneses, se instalaram no Cariru.

As ruas do bairro foram oficialmente denominadas com nomes de nações, pela Lei Municipal 263, de 29 de outubro de 1970, na gestão do interventor federal Almir Ribeiro Tavares. Foi construído no bairro o primeiro educandário de nível ginasial da cidade: o Colégio São Francisco Xavier, destinado principalmente aos filhos dos funcionários da Usiminas.

Alimentação e vida noturna

Bairro tradicionalmente familiar, o Cariru se destaca pelo tradicional Centro Comercial, onde bares e cervejaria animam quem por lá resolve ficar. Restaurantes como os japoneses, a pizzaria, a churrascaria, o espetinho, lanchonetes e dois tradicionais trailers de lanches são ótimas pedidas na noite para quem quer boa comida e ambientes super familiares.
Um pub no centro comercial está reunindo a galera jovem e deixando o ambiente mais descolado. Além dessas opções para comer, o bairro conta com o Teatro Zélia Olguim, famoso por trazer grandes nomes da cultura para a cidade.

Mobilidade urbana

Por estar entre o Hospital Márcio Cunha I e o Centro da cidade, que são os principais pontos finais das linhas de ônibus, o Cariru é servido de diversas linhas e uma variedade maior de horários de transporte público. Além do municipal, algumas linhas intermunicipais fazem rota no bairro. As vias principais são espaçosas e de fácil movimentação, além de muito bem sinalizadas.

Fícus, patrimônio público

Fícus foi tombada como patrimônio da cidade.
Existe no bairro uma árvore que é o símbolo da preservação do verde pelos moradores, o Fícus. Plantado em 1961 por Katanosuke Mae, um japonês que morava na rua Peru, no próprio bairro, a árvore já foi alvo de intenção de corte de algumas pessoas e os moradores locais sempre impediram, até mesmo com protestos, como o de uma moradora que se dependurou em seus galhos para impedir o corte. A árvore foi tombada pelo patrimônio histórico e artístico da cidade. Com isso, o Fícus, segue pomposo a sua vida ali, na avenida Japão, próximo ao prédio da Cônsul.

Qualidade de vida

Um atrativo especial no bairro é a pista de caminhada e corrida. Abrangendo quase todo o entorno do bairro, é muito utilizada por atletas e profissionais da saúde para atividades que promovam a qualidade de vida. A pista passa pela área onde é realizada a feira, na qual produtores regionais comercializam produtos, grande parte orgânicos, de produção local.

Verde e água

Extensa área verde e o encontro dos rios Doce e Piracicaba. Imagem: Reprodução Google
O bairro é todo cercado pela mata do Parque Estadual do Rio Doce e, ao fundo, é banhado pelo Rio Piracicaba, que se encontra calmamente com o Rio Doce próximo às ruínas da Estação de Pedra Mole. No subsolo, abaixo da foz do rio Piracicaba, está localizado um aquífero aluvionar, que é de onde é extraída a água utilizada para o suprimento da maior parte do Vale do Aço.

O bairro em números

 

E aí, já se decidiu? Gostou do bairro Cariru? Ele, de fato, é um bairro maravilhoso para se viver e desfrutar com a família e amigos. São muitos os atrativos que poderá conhecer pessoalmente em seu dia a dia. Você pode escolher a casa dos seus sonhos e ter a certeza de optar por um local privilegiado e que proporciona uma excelente qualidade de vida!
Nenhum Comentário

Energia, água, internet e TV e os famosos “gatos”.

Jeitinho brasileiro pode ser considerado crime e autor de desvio pode ser preso

O brasileiro é conhecido popularmente pela criatividade em resolver problemas de formas diferenciadas e passar por situações difíceis dando a volta por cima com o famoso “jeitinho brasileiro”. Resolver as coisas de forma errada para sair por cima, para ganhar vantagem e prejudicar os demais não é bacana e pode trazer sérios riscos à sua liberdade. Exemplos de resoluções incorretas de problemas são os chamados “gatos”, ligações clandestinas de energia, água e internet.

Com as altas tarifas praticadas pelas concessionárias e os altos impostos exercidos pelo governo, a população se vê acuada quando necessita de recursos básicos como energia e água, que é direito de todos, mas que devemos pagar sobre a utilização das mesmas. Sendo assim buscam alternativas, muitas vezes errôneas, para continuarem a usufruir sem ter que desembolsar nada.
O que parece vantajoso para quem se utiliza desse recurso, na verdade é crime previsto em lei no artigo 155 do Código Penal. Quem cometê-lo pode ser condenado a uma pena que pode variar de um a quatro anos de reclusão, além de multa.

ENERGIA

Muito comum em aglomerados urbanos, o “gato” de energia além de prejuízos, pode colocar em risco a rede elétrica e o responsável pela ligação clandestina. Além do risco de ser pego e responder criminalmente, há um risco maior, que é perder a vida. Normalmente, para se fazer uma ligação clandestina de energia, é necessário que alguém suba em um poste com cerca de 7,20 m de altura e vai acessar uma rede energizada. A pessoa pode receber uma descarga elétrica e perder a vida imediatamente.

Quando ligações clandestinas são feitas, todos saem perdendo.
Além de seus vizinhos, familiares e amigos, as companhias de energia também levam prejuízo com o furto de energia. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), mais de 27 mil gigawatts-hora, ou cerca de 8% do consumo do mercado elétrico brasileiro, são consumidos no país de forma irregular, gerando cerca de R$ 8,1 bilhões em prejuízo.

Lembre-se que os equipamentos elétricos também correm risco devido à queda na qualidade da energia e às constantes interrupções no sistema elétrico, aumento do número de ocorrências de falta de energia e danos à rede elétrica com o rompimento de condutores e com a queima de transformadores.

INTERNET e TV

Além da energia elétrica, o furto de serviços atingiu nos últimos anos a rede de internet e TV por assinatura também. Além de um sinal ruim e com baixa qualidade para quem pratica o furto e para quem é roubado, o prejuízo se estende para o governo que perde receita pelo furto do sinal, uma vez que não é recolhido o ICMS entre 25 e 27% referente ao serviço.

A Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) estima que, no Brasil, existem cerca de 4,5 milhões de residências com decodificadores piratas, representando 18% do total de assinantes no país. A entidade calcula que a perda de receita e de impostos causada pelo furto clandestino de sinal é de cerca de R$ 6 bilhões por ano.

ÁGUA

Tão comuns como os de energia, os “gatos” de água também dão muitos prejuízos aos consumidores. Segundo a Companhia de Saneamento de Minas Gerias (COPASA), são aplicadas uma média, por mês de 1,3 mil sanções, a maioria relacionada ao furto de água. O uso da água é cobrado por categoria residencial, social (para usuários inscritos no Cadastro Único dos Programas do Governo Federal, o CAD- Único), comercial, industrial e pública. As tarifas são diferentes para cada uma dessas categorias de consumo.

Os hidrômetros calculam o volume de água consumido e burlar esse equipamento é crime previsto em lei.
Quando se utiliza a água de forma irregular, a prejudicada não é só a empresa de saneamento, mas sim todos os consumidores porque a prática provoca aumento no preço da tarifa, que é calculada com base no custo do serviço. Se o infrator não paga pelo uso da água, esse consumo não convertido em receita (perda) é rateado entre todos os usuários.

As sanções pela conduta irregular do usuário e a utilização indevida dos serviços de água estão previstas na resolução 40/2013 da Agencia Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (ARSAE-MG). A punição administrativa para quem faz ‘gato’ de água é o pagamento de 15 tarifas fixas, o pagamento pela substituição do equipamento mais o valor atribuído à classe habitacional ou ramo de atividade.
Nenhum Comentário

O seu imóvel está seguro?

Moradia dá dicas de segurança para você ficar mais tranquilo ao deixar seu imóvel sozinho.

Morar em grandes centros urbanos ou em pequenas comunidades não faz diferença quando o assunto é insegurança. Esse sentimento vem tomando conta da população que está cada vez mais se limitando para se manter seguro. É uma dor de cabeça para qualquer um, em qualquer idade ou situação econômica. Mas pode ser minimizado com algumas dicas de segurança.

Podemos nos proteger da ação de pessoas mal intencionadas sem precisar ter grandes gastos como a contratação de empresas especializadas em segurança ou equipamentos caros. Elaboramos algumas dicas de segurança para casa e apartamentos que deixarão você e sua família mais tranquilos.

Todos devem colaborar

Se você mora em um condomínio procure saber as regras de segurança. Muitos não as têm bem definidas, o que pode gerar conflitos em caso de invasão e roubo. Converse com o síndico e estabeleçam algumas diretrizes, que deverão ser seguidas por todos os moradores e trabalhadores do condomínio. Leve para a reunião de condomínio e discuta com todos. Quanto mais ideias para aumentar a segurança, melhor.

Para quem mora em casa, os vizinhos podem ajudar a ficar de olho enquanto você e sua família se ausentam. Estabeleça contato, converse, deixe números de telefone ou de mensagens para caso algum deles observe algo estranho em sua residência. Contar com a ajuda dos vizinhos pode evitar grandes prejuízos.

Trabalhadores competentes e de confiança

Profissionais qualificados são investimentos e não gastos. Fique atento!
Lembre-se que um funcionário treinado e qualificado é investimento, não gasto. Trabalhar com quem tem experiência em proteção tanto de imóveis quanto pessoal é de fundamental importância para que o resultado seja o esperado: alguém que saiba como agir em uma situação de risco. Por isso repense quando for escolher o profissional de segurança ou porteiro. Lembre-se que pode ser um barato que lhe custará caro no futuro. Uma dica que vale para casas ou prédios: investigue empregos anteriores de seus funcionários. Jardineiros, empregadas, motoristas, limpadores de piscina, caseiros ou qualquer outro profissional que tenha acesso a sua residência deve ter recomendação de antigos patrões. Saiba o máximo que puder sobre eles para não se surpreender depois.

Visibilidade no acesso

O acesso a sua moradia precisa ser claro e bem visível. A iluminação é essencial para que você consiga ver e ser visto ao chegar. Evite deixar objetos e plantas que possam criar pontos cegos. Árvores grandes que barram a visão devem ser evitadas, assim como as próximas ao muro ou portão, para evitar que sirvam de acesso a estranhos. A iluminação é um ponto chave mesmo quando não houver ninguém na residência. Para economia de energia a dica é o uso de lâmpadas com fotocélula, com ajuste automático de iluminação. Elas acendem e apagam sozinhas de acordo com a luminosidade do ambiente.

O portão te impede de ver a rua?

A visibilidade na entrada é importante para que da rua possam ver invasores em sua residência.
Engana-se quem acha que quanto mais escondida a casa, melhor. É justamente o contrário. Se ninguém consegue ver pelo menos a entrada da casa, não verão os invasores também. A recomendação é não instalar portões totalmente fechados, daqueles que não deixam aparecer nada do imóvel.

Portões com barras e muros frontais com visibilidade para o interior por meio de “janelas” de vidro deixam o imóvel mais seguro por apresentar a possibilidade de se ver qualquer movimento estranho. Quanto mais isolada e impenetrável visualmente for o imóvel, mais confortável o invasor se sentirá para agir, pois estará certo de que não será visto.

 Autorização de entrada

Pediu uma pizza? Avise ao porteiro sobre a chegada de seu pedido. Para quem mora em edifício é imprescindível que todas as entradas sejam autorizadas, mesmo as de amigos e conhecidos. Muita gente de boa aparência comete crimes porque o porteiro deixou entrar por aparentar ser bacana. Lembre-o de usar o interfone e registrar a entrada de todos, mesmo que seja só “uma visitinha rápida”. Checar documentos e credenciais de quem que entrar no prédio sem autorização é de extrema importância. Fique atento a isso.

Para quem mora em casa não abra o portão e deixe o entregador entrar. Busque lá fora o pedido e acerte o valor por lá mesmo. Quanto menos o entregador tiver acesso, menos ele saberá sobre o que tem no interior de sua casa.

Códigos de segurança

Siga as dicas da Moradia Imobiliária e proteja seu imóvel e sua família.
Ter um código de segurança com o funcionário responsável pela entrada pode ser interessante para evitar situações de risco. Um gesto, um barulho diferenciado, uma palavra que seja podem evitar que você seja feito refém por invasores, por exemplo. Combine um código com os outros moradores também, assim todos ficam alertas quando perceberem o sinal.

Crie caminhos alternativos

Adotar rotas diferentes ao se dirigir para sua residência pode dificultar o trabalho de invasores. Muito observam a rotina da casa e dos moradores antes de atacar. Faça caminhos alternativos para não ser surpreendido por gente mal intencionada.

E lembre-se: sem paranoia, mas redobre a atenção sempre que estiver chegando ou saindo de casa e evite entrar ou sair se perceber alguém estranho observando ou alguma movimentação diferente nos arredores. Qualquer descuido pode custar sua vida e de seus familiares.
Nenhum Comentário

Caixas d’água e de gordura sem limpeza: risco para a saúde

Se você vai comprar um imóvel, se mudar de aluguel ou é morador antigo do imóvel e nunca se preocupou com a caixa d’água e com a caixa de gordura, trouxemos para você as recomendações de limpeza e desinfecção desses recipientes para que você se proteja dos riscos proporcionados pela má utilização e má conservação.

Caixa d’água

Tomar banho, preparar alimentos, lavar a louça, usar a descarga. Estas são algumas atitudes cotidianas que são possíveis porque a água da companhia de abastecimento chega até a sua residência e é armazenada em caixas d’água, das quais poucos se lembram. Mantê-las limpas então, mais difícil ainda de lembrar. A recomendação de especialistas é higienizar o reservatório doméstico a cada seis meses. O serviço é indicado para analisar se existe algum vazamento e preservar a saúde dos moradores da residência, já que o acúmulo de sujeira e micro-organismos pode contaminar a água.

A caixa d’água serve como reserva em caso de haver problema no abastecimento da companhia de saneamento do estado. Segundo a empresa, a garantia de qualidade da água vai até o hidrômetro e, a partir daí, a responsabilidade é do cliente. Agentes de saúde alertam que, com o passar do tempo, micro-organismos criados pela própria água e levados até o reservatório pela canalização da rede hidráulica podem comprometer a qualidade do líquido.

Limpeza ajuda a assegurar a qualidade da água que servimos para nossa família.
Luciene Araújo, gerente da Moradia Imobiliária, alerta para os produtos a serem utilizados no momento da limpeza. “Não é recomendável o uso de panos que soltem resíduos, vassouras, detergente ou quaisquer outros produtos que possam contaminar a água. Água sanitária ou cloro e uma flanela ou bucha são os ideais para a tarefa”, disse. Ela orienta também aos moradores que fechem suas saídas de água durante a operação para evitar o desperdício.

“Fechar antes e abrir depois para sair o cloro dos canos, por pelo menos uns minutinhos de água corrente na torneira para eliminar os resíduos do produto é fundamental para preservar a saúde de todos. Colocar adesivos com a data da limpeza também é uma boa para se orientar”, comentou. A caixa d’água deve sempre estar bem fechada, evitando assim a entrada de animais, insetos e vetores de doenças. Com a epidemia de Dengue, Zika Vírus e Chikungunya a atenção deve ser redobrada.

Se o condomínio não possui uma Conservadora, os moradores devem ficar atentos para efetuarem a limpeza ou contratarem uma empresa especializada para isso. É fundamental para garantir a qualidade de vida de todos.

Caixa de gordura

Você sabe para que serve a caixa de gordura instalada em seu imóvel? Muita gente não tem conhecimento da utilidade e da importância de uma boa limpeza nesse recipiente. A caixa de gordura é como um grande balde, que fica bem abaixo do piso, deixando visível apenas a sua tampa. Sua função é impedir que o material gorduroso dos alimentos, que vai com a água literalmente para o ralo, chegue à rede de esgoto.

Caixas de gordura devem ser limpas pelo menos a cada três meses.
Dependendo do tamanho, a limpeza da caixa de gordura deve ser realizada quinzenalmente ou pelo menos uma vez a cada três meses, dependendo do imóvel e do ritmo da cozinha. Por exemplo, a demanda de uma casa é diferente daquela adotada em um prédio ou em um restaurante. Evite despejar restos de comida nos ralos. Os alimentos, junto com o óleo utilizado para sua preparação, podem ser os grandes vilões das redes hidráulicas.

Muitas pessoas tentam limpar a caixa de gordura com espátulas e água quente, mas este segundo componente pode prejudicar ainda mais a situação. As caixas de gorduras atuais são feitas de PVC e a água com temperatura elevada pode provocar danos ao material. Use cloro e bucha, se a situação estiver muito ruim, chame uma empresa especializada.
Nenhum Comentário

Animais em condomínio. É proibido proibir?

Assunto delicado que envolve afeto, lei e bom senso deve ser esclarecido

Muito se tem falado em afetividade, em conceito de família e como a lei representa isso. A afetividade hoje é um princípio constitucional que orienta um grande número de relações sociais e familiares e é um ponto chave de discussões que tem transformado a nossa ordem social. E a relação de afeto com os animais de estimação também entra nessa discussão e está amparada pela Constituição Federal. A relação está intimamente ligada à dignidade da pessoa humana, por se tratar de uma relação eminentemente baseada no afeto.

E quando se mora em um condomínio onde as regras ditam a não permanência de animais? Como lidar com síndicos e vizinhos que não toleram animais e querem proibir você de tê-los em seu imóvel? Hoje existe o famoso “é proibido proibir” para estes casos.

Nenhuma convenção de condomínio pode proibir a permanência de animais nas unidades autônomas, ou seja, no interior dos apartamentos. Se o fizerem estarão violando o direito de propriedade e a liberdade individual de cada pessoa em utilizar a sua área privativa de acordo com seus interesses – desde que não sejam contrários à destinação do imóvel. É importante salientar que essas convenções podem restringir a forma como os animais deverão ser mantidos no condomínio.

O que pode?

Você pode ter seu bichinho dentro do seu apartamento da forma como quiser? Pode, desde que respeite a integridade do animal e não perturbe o sossego dos vizinhos. As restrições devem ser limitadas às áreas de uso comum. E fique atento para certas restrições como a permissão somente de animais de “pequeno porte”. Isso não deve ser aceito pelo morador. Procure sempre se orientar pois já existem leis municipais que restringem a quantidade de animais por casa ou apartamento, mas não há legislação sobre tamanho ou raça. Diante disso, os moradores podem ter peixe, gato, ramster, cachorro, cobra, ave ou qualquer outro animal que lhe seja de estima.

O assessor jurídico da Moradia Imobiliária, o advogado Raymundo Raul Bicalho, lembra que “os animais, desde 1988, data em que foi promulgada a Constituição Federal, passaram a ter amparo jurídico, pela Lei Maior do País, conforme se vê do art. 225, §1º, VII, da Constituição Federal, que dispõe:

Desde 1988 os animais tem seus direitos garantidos na Constituição Federal.
“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.”, e que “Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público: VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade”.

O advogado lembra também que “a Constituição Federal, nos seus artigos 5o e 170, asseguram o direito de propriedade, podendo o proprietário, ou quem esteja na posse do imóvel, manter animais na sua unidade. E o art. 225, parágrafo primeiro, inciso VII, também da Carta Federal, situa o animal como parte do meio ambiente e tutela juridicamente o direito deles à dignidade, vedada a prática de maus tratos.”

Fique atento aos abusos

Quanto às proibições ilegais e abusivas do uso dos elevadores para conduzir os animais, devem ser enfrentadas também aí com a propositura de Ação Judicial. Obrigar os animais a subirem escadas é prática de crueldade, vedada pela Constituição, especialmente quando esses são portadores de doenças que possam ser agravadas com o movimento (cardiopatas, neuropatas etc.), ou mesmo quanto aos animais idosos, já impedidos pela idade de subir e descer escadas.

É incontestável que o direito de ir e vir do guardião do animal estende-se a este. E qualquer decisão de assembleia condominial em sentido contrário, caracteriza-se como constrangimento ilegal previsto no art. 146 do Código Penal Brasileiro, além de constituir crime ambiental, art. 32, da Lei 9.605/98 (crime de maus tratos), comportando, inclusive, a adoção de providências policiais e judiciais para conter o ilícito.

De igual modo, as abordagens verbais ou escritas feitas por vizinhos, síndicos ou porteiros, aos condôminos que têm animais nas suas companhias, com o propósito de constranger-lhes obrigando-os a transitar pelas escadas, proibindo-os de utilizarem o elevador, configuram também constrangimento ilegal, a ser coibido com queixa policial contra o autor do fato.
Os vizinhos, ou o síndico, não podem interferir na vida intra proprietade do condômino.

Cabe ao condômino, que mantém os animais em sua unidade, observar o asseio e a higienização do local, dispensando-lhes os cuidados necessários à saúde (vacinação, tosa e banho regulares); cuidados médicos que lhes proporcionem conforto e bem estar; contratar pessoas para cuidar deles, de forma a que estejam sempre bem, mantendo-se a unidade em condições normais de habitação.

Orientação

Concluindo, cabe a orientação jurídica que se registra a seguir.
É nula e sem efeito qualquer CONVENÇÃO CONDOMINIAL que proíba a existência, ou permanência, de animais domésticos, especialmente de cães e gatos, em condomínio, vez que tal proibição afronta a Lei Maior do País, que é a Constituição Federal, onde estão tutelados juridicamente a vida e o bem estar desses seres.
Nenhum Comentário

Barulho. Pode ou não pode?

Saiba o que fazer caso em caso de barulho exagerado na vizinhança.

Viver em uma cidade é conviver com todo tipo de gente e situações. Moramos “colados” uns nos outros e isso pode causar alguns transtornos como o barulho causado pelos vizinhos. São situações que muitas vezes não sabemos como agir, mas que nos causam muito desconforto e atrapalham a nossa qualidade de vida.

Barulhos em excesso prejudicam a saúde e podem gerar transtornos entre vizinhos.

Imagina chegar em casa, depois de um dia cansativo de trabalho ou de estudos, com aquela vontade de descansar, tirar os sapatos e ficar tranquilo, e ter que conviver com a zoeira provocada pela vizinhança. E não estou falando apenas de vizinhos sem noção que ligam seus aparelhos musicais sem se importar com a tranquilidade alheia. Tem aqueles também que de forma abusiva optam por fazer obras e reformas, quebrar paredes e pisos em pleno fim de semana, em seus dias de folga, sem um planejamento com o síndico, no intuito de avisar os condôminos sobre o período do barulho, esquecendo-se de que os vizinhos também folgam nesse período e o descanso deles também é de direito.

Festas com música alta, crianças chorando, móveis sendo arrastados e latidos de cachorro atrapalhando o seu sossego também entram na enorme lista de perturbações. Oficinas, marcenarias e empresas que utilizam de maquinário pesado geralmente são os alvos de reclamações pelo excesso de barulho produzido por suas máquinas. Bares, restaurantes e áreas de lazer são os campeões desse tipo de reclamação. São estabelecimentos que não se enquadram no que dita a lei e prejudicam a saúde de quem mora perto. Segundo especialistas a poluição sonora pode provocar estresse, perturbação psicológica, danos auditivos e causar alterações no metabolismo, problemas circulatórios e digestivos.

No propósito de evitar conflitos, há pessoas que não suportando mais o barulho buscam contornar o incômodo tomando remédios para dormir e para dores de cabeça, sacrificando assim sua qualidade de vida e colocando em risco sua saúde. A solução para alguns é a mudança de sua moradia, esquecendo-se que a solução mais correta é recorrer ao Poder Judiciário, especialmente quando a política da boa vizinhança já não basta e o efeito das reclamações não é suficiente.

Barulho durante o dia

Quem abre um estabelecimento que gera barulho, fumaça ou odores deve obter um alvará de funcionamento da Prefeitura para funcionar, o que não permite perturbar o sossego alheio, sob pena de ser interditado pelo órgão fiscalizador. Para medir o barulho usa-se um aparelho chamado decibelímetro. A lei brasileira não autoriza a ninguém fazer barulho durante o dia, sendo que a chamada “Lei do Silêncio” exige um maior rigor de 22:00 às 07:00, pois qualquer barulho perturba o sono. Engana-se quem acha que pode fazer barulho excessivo fora desse horário.

É crime

Aparelho utilizado pela fiscalização é o decibelímetro, que mede os sons do ambiente.
O Código Civil proíbe o uso nocivo da propriedade, sendo que ninguém pode usar seu imóvel de forma a perturbar o sossego do vizinho. A Lei 9.605/98 (Lei dos Crimes Ambientais) prevê em seu art. 54, caput, pena de reclusão de um a quatro anos, e multa para quem: “Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora”.

Também a Lei 3.688 – Lei das Contravenções Penais – estipula no art. 42, “prisão simples de 15 dias a três meses ou multa para aquele que perturbar o trabalho ou o sossego alheio com: I – Gritaria ou algazarra; II – exercendo profissão incomoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais; III – Abusar de Instrumentos sonoros ou sinais acústicos e IV – provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de quem tem a guarda”.

Em Ipatinga

Em Ipatinga a legislação vigente não tem uma lei precisa sobre perturbação do sossego, mas no texto da Lei nº 0375, de 02 de maio de 1972 no Título III sobre a POLÍCIA DE COSTUMES, SEGURANÇA E ORDEM PÚBLICA, Capítulo I – DA MORALIDADE E DO SOSSEGO PÚBLICO, encontra-se o Art. 75 que diz: “É defeso a quem quer que seja exercer atividade ou praticar ato que atente contra o decoro e o sossego da população”. No Art. 76 lê-se que é proibido no inciso IV: “praticar algazarra, desordens ou produzir barulhos ou ruídos no interior de estabelecimentos, residências ou na via pública, perturbando o sossego público”.

Assim sendo, quando se sentir incomodado pelos sons dos vizinhos e a política da boa vizinhança não resolver, acione os órgãos competentes para tomarem as devidas providências e resolver as pendências. Buscar as soluções para esses tipos de embates na lei é sempre a melhore saída.
Nenhum Comentário

Financiamento, saiba mais para você obter todas as vantagens!

Pagar o próprio imóvel à vista é o sonho que poucos conseguem realizar. Para quem não pode finalizar a compra de imediato o crédito imobiliário é uma alternativa muito útil e viável, realizando o parcelamento do valor por meio do tão utilizado financiamento. Destinado ao fim específico de compra de imóvel, seja ele novo ou usado, residencial ou comercial, o crédito imobiliário é uma modalidade de empréstimo. Dá-se uma entrada e os bancos financiam entre 80% e 90% do valor do imóvel.

TIPOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

São três as opções de crédito imobiliário.
Hoje, no Brasil, são utilizadas o SFH – Sistema Financeiro da Habitação; o SFI – Sistema Financeiro Imobiliário; e o consórcio imobiliário. É essencial compreender as diferenças entre as modalidades para entender melhor como funciona o crédito imobiliário.

 

SFI – FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

Se o imóvel dos seus sonhos está acima do valor máximo permitido pelo SFH o seu tipo de financiamento é esse. Não se enquadrando nas regras do SHF, os imóveis comerciais também podem ser adquiridos por este meio. Lembrando que, no financiamento imobiliário, o sistema de amortização da dívida utilizado é a Tabela Price.

PELO BANCO

Para entender este tipo de financiamento é preciso saber que a taxa de juros ao ano é em torno de 12% do valor do imóvel, acrescido da Taxa Referencial (TR). O comprador tem a opção de escolher entre os sistemas de amortização disponíveis que são: Tabela Price (sem TR), SAC (Sistema de amortização constante) ou SACRE (sistema de amortização crescente). Cabe ressaltar que, no financiamento pelo banco, a grande vantagem é o uso do FGTS para pagamento do valor total ou mesmo parcial do imóvel, diminuir o saldo devedor ou pagar partes de prestações do financiamento em curso.

PELA CONSTRUTORA

Nesta modalidade a correção pela variação do Índice de Custo da Construção (INCC) é feita a partir da data de assinatura do contrato. É importante saber que nela nunca são cobrados juros na fase de construção do imóvel. Ao término da construção, o imóvel é entregue e passa a ser aplicada a taxa de juros, que normalmente é de 1% ao mês, e feita a atualização pelo Índice Geral dos Preços (IGP-M). Geralmente o prazo para quitar o imóvel não ultrapassa 96 meses (8 anos). O FGTS só pode ser usado para liquidar a dívida restante, não sendo aceito para começar a pagar o imóvel.
Vantagens do SFI:
  • Não há limite máximo para o valor do imóvel a ser financiado;
  • Pode ser feito por pessoas físicas ou jurídicas;
  • O total financiado pode variar entre 80% e 90% do valor do bem;
  • Depois de aprovado, o valor do empréstimo é disponibilizado de imediato – ao contrário do que acontece no consórcio de imóveis.

CONSÓRCIO IMOBILIÁRIO

Sonhando com a casa própria? O consórcio pode ser uma solução.
Se não tem pressa para adquirir sua casa própria, essa opção é a indicada para você. Formado por um grupo fechado de pessoas, o consórcio tem como finalidade fazer uma poupança para a aquisição de um bem, sendo neste caso o imóvel. Até que todos tenham recebido sua carta de crédito, os pagamentos são realizados mensalmente. Esta modalidade também tem regras regidas pelo Banco Central e deve-se procurar uma boa administradora para gerenciar o consórcio.
Vantagens do consórcio:
  • Não existe taxa de juros.
  • Os custos administrativos são inferiores ao valor que se pagaria de juros nas outras modalidades.
  • Não é exigida entrada, o valor total do imóvel é parcelado.
  • Com a carta de crédito, o contemplado pode escolher o imóvel de sua preferência – sem depender da avaliação de nenhuma instituição bancária.
  • O valor do FGTS pode ser utilizado para pagar prestações em atraso, para ofertar lances ou para completar a carta de crédito para a aquisição de um imóvel de valor superior.

 

SFH – SISTEMA FINANCEIRO DE HABITAÇÃO

Com o objetivo de facilitar o a compra da casa própria para pessoas de baixa renda, o Governo Federal criou o crédito imobiliário SFH. O Sistema usa como recursos a conta poupança e o FGTS e há diferenças do valor máximo do imóvel em alguns estados. Para se financiar imóveis de valor acima do limite máximo estipulado, muda-se o sistema financeiro para o SFI.
Vantagens do SFH: 
  • A maior vantagem desse sistema financeiro é a possibilidade de utilizar o FGTS como valor de entrada, ou para amortização de parcelas.
  • No SFH as taxas de juros são menores do que as praticadas no SFI.
  • A tarifa de administração mensal cobrada ao cliente não pode ultrapassar R$ 25.
  • A concessão de crédito chega aos 90% do valor do imóvel.
  • Nessa modalidade, a taxa de juros é variável e a correção é feita pela TR (Taxa de Juros de Referência).
Nenhum Comentário

Quer a tão sonhada casa própria?

Ter o seu lugar, seu canto sua morada, seu lar! Esse é o sonho de muitos brasileiros e pode ser realizado com determinação, esforço e muito comprometimento. Sabemos que o que era difícil ficou ainda mais depois que a Caixa Econômica mudou as regras do financiamento de imóveis usados em maio deste ano.

Desde a resolução, a entrada terá que corresponder até a 50% do valor do imóvel, o que aperta bastante o orçamento de quem sonha com uma nova moradia. Além deste ajuste, os bancos anunciaram aumento nas taxas de juros, que já pesavam bastante o bolso do consumidor. O conselho que damos é: NÃO DESANIME!

A famosa crise internacional, que afetou o Brasil e diversos países, desencadeou uma série de mudanças no cenário financeiro, e o setor imobiliário sentiu o baque com vigor.
Mas o cenário beneficia quem quer comprar. Com a crise, os proprietários tendem a negociar mais, o que favorece o comprador.
Robson Santos – Corretor imobiliário

Nosso Corretor de Imóveis Robson Santos dá algumas dicas sobre planejamento para realizar o sonho de ter sua própria moradia.

Vamos conferir?

Pergunte-se: será que eu consigo pagar?

O primeiro passo, antes de sair procurando o imóvel ideal, é fazer as contas com base no seu orçamento doméstico. Sem prejudicar a saúde financeira de sua família, defina o quanto vocês podem pagar pela casa nova. Lembre-se que a prestação mensal não deve ultrapassar 30% da renda total.

Comece, mesmo que seja com pouco.

A mudança no sistema de financiamento traz uma preocupação maior em relação a entrada. Agora, mais do que nunca, é imprescindível poupar e juntar uma boa quantia para entrada para evitar juros maiores depois. Nossa dica: poupe, guarde, coloque no colchão se for preciso, mas não deixe de guardar mesmo que seja pouco dinheiro.

Se segure e tenha foco!

Aquela blusinha nova que você paga em seis prestações, aquele sanduba gourmet que é o dobro do preço do comum, aquele passeio que pode ser substituído por um programa mais conta com a família, podem e devem ficar em segundo plano quando o assunto é economizar. Foco é a palavra da vez para quem quer comprar um imóvel. O que não é urgente ou importante pode ser reprogramado para depois da realização do seu sonho!

Todos juntos nessa!

A sua família pode ajudar muito no quesito economia. Converse com seus familiares e estabeleça um acordo econômico para baixarem os gastos e guardarem mais dinheiro. Trabalhos extras ajudam a complementar a renda e podem ajudar na soma final da compra de seu imóvel. Juntos podem realizar os sonhos mais rapidamente.

Pense nos extras!

Na procura pelo imóvel dos sonhos, alguns se esquecem dos gastos extras como IPTU e condomínio. São valores que podem ser significativos na hora de pagar as prestações. Se organize para conseguir pagar todas as despesas.

Procure opções viáveis.

As taxas de juros sofrem muita variação de um banco para outro. Pesquise. Faça simulações. Peça ajuda a quem conhece do assunto e escolha a opção que tenha mais vantagens e menor incidência de aumentos. Uma dica é perguntar pelo CET – Custo Efetivo Total. Nele você encontra os juros e todos os encargos embutidos no financiamento.

E os documentos?

Um gasto importante e não menos preocupante é com os documentos. Os custos da escritura, impostos e papelada pesam no orçamento e são por conta de quem compra. Programe-se para essas despesas! Feita a escolha é partir para a realização do seu sonho. Faça contato com o corretor credenciado e providencie tudo! Seu sonho já está se tornando realidade!
Um abraço,
Robson Santos – Corretor Moradia Imobiliária – Creci 13162