fbpx
Nenhum Comentário

Pisos, escolha corretamente.

Muitas cores, texturas, formatos e tamanhos confundem a gente na hora de escolher o piso para nossa casa ou apartamento. Outra confusão comum é identificar se o piso é cerâmica ou porcelanato. Para cada tipo há uma forma específica de instalação.

Super importante, além de um ótimo material, é escolher também a mão de obra com melhor referência de qualidade. Uma má instalação de piso pode colocar todo o serviço a perder, e refazer serviços e gastar mais com certeza não está nos seus planos.

Vamos conferir algumas dicas para que seu piso seja da melhor qualidade em todos os aspectos.

Escolhendo o material

Observe bem o tamanho do seu ambiente e os tamanhos de suas placas. Para evitar que o pedreiro faça muitos recortes, evite peças grandes caso o espaço a ser instalado seja pequeno. Se a área é molhada como o banheiro, cozinha ou área de serviço, a dica são os pisos antiderrapantes. Os pisos lisos são mais indicados para área secas.

A escolha do piso certo faz toda a diferença ao fim da obra ou reforma.

 Se optar por porcelanato

Amplamente utilizado e mais valorizado no mercado hoje, o porcelanato exige mais atenção ao comprar. Peça para ver a embalagem do produto e confira na etiqueta se a qualidade é A (extra), que atende a todas as normas técnicas de qualidade. Verifique também se o produto segue a NBR 15463 ou a NBR 13818, que são as normas de qualidade. Se não puder ver a embalagem na loja, peça para o vendedor confirmar, pois a qualidade A indica que os pisos de porcelanato têm tamanhos regulares e que não há defeitos na superfície.
Há no mercado a famosa linha comercial, ou linha C, que contêm algum defeito e por este motivo as peças são mais baratas. Pense bem se o preço vale o trabalho da mão da obra, pois este material tem mais perda e irregularidades na hora de instalar.
E você gosta daquele rejunte bem fininho? A indicação é utilizar pisos retificados, que o corte é bem certinho na peça. Há lindas peças de porcelanato que não são retificados e tem bordas irregulares, fique atento para não deixar de ter seu rejunte bem fino.

Se optar por cerâmica

A linha mais indicada é a tipo A, ou de primeira linha. Cerca de 95% das peças não apresentam defeitos visíveis. Para estas, provavelmente haverá também uma indicação de qualidade na embalagem conforme a NBR 13.818/97. A segunda linha, ou tipos B e C, tem defeitos visíveis mas os fabricantes garantem que as peças são tão resistentes quanto as do tipo A.
Fique atento pois existe até o tipo D de cerâmica. Este último tipo, além de possuir defeitos visíveis, as peças não tem garantia de resistência do fabricante. Confira sempre a embalagem do produto que está adquirindo. E lembre: azulejo de parede não pode ser usado como piso.

Escolhendo a mão de obra

Fique atento também aos equipamentos de segurança de seu prestador de serviços.

Peça referências e confira outros trabalhos realizados pelo pedreiro. Se a sua opção for porcelanato e você quer seu rejunte fininho, confira se ele já fez este serviço e o resultado. Confira se o prestador de serviço entendeu o desenho que você quer que se forme em seu piso para não ter surpresas desagradáveis depois. Diagonal, reto e alinhado, com ou sem detalhes entre as placas, tudo isso é importante que ele saiba exatamente como fazer. Lembrando que as últimas peças geralmente têm recortes, escolha o canto em que o pedreiro deve começar a instalação. Lembre-se de explicar como quer que seja aplicado o rejunte.

Preparando a base

Independente do piso escolhido, a base deve ser muito firme, ou seu piso irá se soltar ou trincar e seu gasto será maior. Chamado de contrapiso, esta base não fica visível pois fica sob as placas de piso. Se ela for mal feita provavelmente você só vai descobrir depois, quando seu “profissional” já estiver longe. Evite este problema e fique de olho se o contrapiso está regular, firme, seco e sem poeira antes do pedreiro passar a argamassa que vai colar as placas de piso.

Colando o piso

Saiba que para cada tipo de piso usa-se uma argamassa diferente. Procure na embalagem do piso a indicação da argamassa a ser utilizada ou veja também nos pacotes de argamassa para que pisos elas se destinam. O erro nessa escolha pode trazer muito prejuízos.
A recomendação é que a argamassa tradicional deve secar por aproximadamente 2 ou 3 dias antes de o rejunte ser colocado. Se não respeitar esse tempo, a água da massa pode se acumular por baixo do rejunte, soltando-o e fazendo você gastar mais dinheiro. Caso a argamassa seja do tipo “seca rápido”, este tempo pode ser menor, mas deve ser respeitado o tempo indicado na embalagem do produto. Caso queira instalar piso sobre piso, confira se a base está firme e nivelada. Fique atento para que a altura do novo piso não atrapalhe a abertura de portas.

Rejunte fino

Espaçadores devem ser colocados para um melhor resultado na aplicação do rejunte.
O espaço entre as placas também é muito importante. É nele que irá o rejunte. Mesmo se achar mais bonito o rejunte fininho, verifique na embalagem o espaçamento que é permitido para que ele não trinque, quebre ou solte. Peça ou providencie para seu pedreiro os espaçadores adequados, para acertar na largura dos rejuntes.

Áreas molhadas

 Uma parte muito importante da instalação de pisos é a impermeabilização do contrapiso e da parte mais baixa da parede para evitar infiltrações. O impermeabilizante deve ser aplicado sobre o contrapiso e antes do pedreiro colar as placas com argamassa.
Caso queira colocar o piso em áreas molhadas como cozinha, banheiro ou área de serviço lembre-se que será preciso instalar ralos e fazer uma leve inclinação no piso para que a água corra para eles. Verifique isso com seu pedreiro para não ter dor de cabeça depois.

Uma boa construção ou reforma? Tudo isso é #maisquebemvindo
E se você quiser conferir em nosso site os imóveis disponíveis com piso em porcelanato e cerâmica para compra e aluguel, acesse www.moradiaimobiliaria.com.br

Comments (0)